Rio de Janeiro, quinta-feira, 31 de julho de 2014 - 22h39min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos
» 1ª Página » Futebol » Atletas
Elenco - Convocados - Artilheiros - Perfil
PERFIL

Fausto dos Santos nasceu em 28 de fevereiro de 1905 na pequena Codó, no Maranhão. Foi o melhor de sua posição ao longo das décadas de 20 e 30. Começou no Bangu, como centroavante, em 1926. Transferiu-se para o Vasco no comecinho de 1929, levado pelo amigo Alfredo Alves Tinoco, o lateral-direito Tinoco. Conquistaram juntos o Carioca daquele ano, formando com Mola uma linha média que ficou célebre. Em 1930, estava na seleção brasileira, pela qual disputou a Copa do Mundo, no Uruguai. Virou "A Maravilha Negra". Logo despertou a cobiça de clubes estrangeiros. Em 1931, durante excursão do Vasco à Europa, assinou com o Barcelona. Negro, sofreu com a discriminação racial e, em janeiro de 1933, foi emprestado ao Young Fellows, da Suíça. Em 1934, voltou a São Januário, conquistando outro título carioca. Boêmio inveterado, já começara a sentir os efeitos da vida desregrada. Mas em jogo pela seleção, contra o River Plate (Argentina), em 24 de fevereiro de 1935, se superou e, pouco depois, foi contratado pelo Nacional de Montevidéu. Os uruguaios não sabiam que seus pulmões estavam contaminados. E não demoraram a mandá-lo de volta ao Brasil. O Flamengo ainda acreditou nele. Mas o treinador rubro-negro Dori Krueschner logo percebeu que Fausto já não tinha fôlego para jogar como centro-médio. E resolveu escalá-lo como zagueiro. O craque revoltou-se. Brigou com Krueschner e com o clube. No fim de 1938, os médicos rubro-negros internaram-no em um sanatório na cidade mineira de Palmira. Estava com hemoptise. Morreu em 28 de março de 1939.


Domingos Antônio da Guia
nasceu no Rio em 19 de novembro de 1912. É considerado ainda hoje, mais de 50 anos depois de ter deixado a bola, um dos maiores zagueiros da história do futebol brasileiro, sempre incluído nas seleções de todos os tempos. Jogou por quase 20 anos: começou no Bangu, em 1929. Defendeu Vasco-RJ, Nacional (Uruguai), Boca Juniors, antes de ingressar no Flamengo, em 1937. Na Gávea, ganhou os cariocas de 1939, 1942 e 1943, antes de transferir-se para o Corinthians, no começo de 1944. Fez 25 jogos pela seleção brasileira entre 1931 e 1946. Disputou a Copa do Mundo de 1938, na França. Encerrou a carreira no Bangu, com derrota de 4 a 2 para o Flamengo, em 12 de dezembro de 1948. Morreu no Rio, em 18 de maio de 2000.


Ladislau Antônio da Guia
nasceu no Rio em 1905. Foi, depois do irmão Domingos, o jogador mais destacado do Bangu até a construção do Maracanã. Centroavante goleador, ganhou o apelido de "Tijolo Quente" por causa da força de seus chutes. Defendeu o clube de 1926 a 1940, quando parou de jogar, com 35 anos. Foi um dos campeões cariocas de 1933. Foi artilheiro dos Campeonatos Cariocas de 1930, ao lado do tricolor Preguinho, ambos com 20 gols, e de 1935, quando marcou 18 vezes. Morreu no Rio em 31 de outubro de 1988.


O atacante Plácido Assis Monsores nasceu no Rio em 4 de outubro de 1912. Defendeu o Bangu de 1931 a 1934, e o América-RJ de 1935 a 1942. Jogou ainda no Ypiranga-BA (1943-44) e encerrou a carreira no Bangu, em 1945. Ganhou pelo Bangu o título carioca de 1933.


Thomaz Soares da Silva (Zizinho)
nasceu em Niterói em 14 de setembro de 1921. Tido por muitos como o maior jogador brasileiro depois de Pelé, inicou a carreira no pequeno Byron, da terra natal. Chegou ao Flamengo em 1939. Ficou na Gávea até 1950, quando foi negociado com o Bangu. Foi campeão carioca em 1942, 1943 e 1944. Jogou na seleção brasileira entre 1942 e 1957. Disputou a Copa do Mundo de 1950, quando conquistou o vice-campeonato. Jogou no Bangu de 1950 a 1957, quando saiu para defender o São Paulo, ganhando no clube o título paulista daquele ano. Encerrou a carreira no Audax Italiano, do Chile, em 1961. Vive hoje em Niterói, aposentado como fiscal de rendas.


O atacante Antônio Meneses nasceu em Miracema-RJ em 13 de junho de 1925. Começou no próprio Bangu, em 1942. E encerrou a carreira no clube, em 1957. Foi campeão do Torneio Início de 1950 e de 1955 e vice carioca em 1951. Foi também artilheiro do Campeonato Carioca de 1952, ao lado de Zizinho, ambos com 19 gols.


O ponta-esquerda Nívio Gabrich nasceu em Santa Luzia-MG, em 7 de setembro de 1927. Iniciou no Espéria de Belo Horizonte-MG em 1941. Transferiu-se para o Atlético-MG em 1944 e para o Bangu em 1951. Ficou no clube carioca até 1957. Foi vice carioca em 1951. Encerrou a carreira no Cruzeiro-MG em 1959. Morreu em Belo Horizonte em 19 de julho de 1981.


O Ademir da Guia tantas vezes campeão pelo Palmeiras começou no Bangu, onde foi o grande destaque na conquista do título carioca de Juvenis, em 1959. Disputou os campeonatos do Rio no time principal em 1960 e 1961, quando transferiu-se para o Palmeiras. Filho do lendário zagueiro Domingos da Guia, nasceu no Rio em 3 de abril de 1942 e foi por 16 anos titular absoluto do alviverde. Ganhou os títulos paulistas de 1963, 1966, 1972, 1974 e 1976, o Rio-São Paulo de 1965, a Taça Brasil de 1967, a Taça de Prata em 1967 e 1969 e o bi brasileiro em 1972 e 1973. Considerado um dos maiores apoiadores da história do nosso futebol, disputou 12 partidas pela seleção brasileira, uma delas na Copa do Mundo de 1974, na Alemanha.


O zagueiro Zózimo Alves Calazans nasceu em Salvador, em 19 de junho de 1932. Começou no São Cristóvão em 1948. Transferiu-se para o Bangu em 1951. Em 1965, teve rápida passagem pelo Flamengo, antes de ingressar na Esportiva de Guaratinguetá-SP, onde encerrou a carreira, em 1967. Foi campeão mundial em 1962 pela seleção brasileira, pela qual fez 39 partidas, todas como jogador do Bangu. Disputou as Olimpíadas de 1952, em Helsinque. Morreu no Rio, em acidente de automóvel, em 17 de julho de 1977.


Antônio Parada Neto
nasceu em Araraquara, em 20 de fevereiro de 1939. Começou no Palmeiras, passou por Juventus e Ferroviária de Araraquara e chegou ao Bangu em 1962. Brilhou nos campeonatos cariocas de 1963, 1964 e 1965 e transferiu-se para o Botafogo em 1966. Jogou depois em outros clubes do interior paulista. Esteve entre os 47 convocados que treinaram para a Copa do Mundo de 1966, mas não chegou a jogar na seleção brasileira.


Ubirajara Gonçalves Motta
nasceu no Rio em 4 de setembro de 1936. Brilhou no gol do Bangu de 1958 a 1968. Foi campeão carioca em 1966. Entre 1969 e 1971, defendeu o Botafogo. Foi em 1972 para o Flamengo, onde encerrou a carreira um ano depois. Fez uma partida na seleção brasileira, 3 a 1 sobre o Peru, em amistoso preparatório para a Copa do Mundo de 1966.


O lateral-direito José Maria Fidélis nasceu em São José dos Campos em 13 de março de 1944. Jogou no Bangu de 1962 a 1967, no Vasco de 1968 a 1975, no ABC de 1976 a 1978, no Operário-MT de 1979 a 1980 e no São José, onde encerrou a carreira, em 1981. Fez oito partidas pela seleção brasileira, todas em 1966. Disputou a Copa do Mundo na Inglaterra, naquele ano.


Paulo Luís Borges
nasceu em Laranjais-RJ em 24 de dezembro de 1944. Foi um dos grandes pontas dos anos 60. Começou no Bangu em 1961. Foi campeão carioca em 1966 e artilheiro dos campeonatos do Rio de 1966, com 16 gols, e de 1967, com 13. Transferiu-se para o Corinthians em 1968, na maior transação do futebol brasileiro até então. Ficou no Corinthians até 1974, com passagem de seis meses pelo Palmeiras em 1971. Encerrou a carreira em 1975, após três meses no Pontagrossense-PR e outros três no Vasco-SE. Fez 20 partidas e quatro gols pela seleção brasileira entre 1966 e 1969.


O ponta-esquerda Aladim Luciano nasceu em Barra Mansa-RJ em 10 de outubro de 1946. Em 1964, já jogava no time principal do Bangu. Ganhou o Carioca de 1966 e foi titular absoluto por sete anos consecutivos até 1970, quando transferiu-se para o Corinthians. Em 1972, foi para o Coritiba, pelo qual conquistou cinco estaduais. Em 1981, ingressou no extinto Colorado, onde encerrou a carreira, em 1984.


Moisés Matias de Andrade
nasceu em Resende-RJ em 10 de janeiro de 1948. Iniciou a carreira no Bonsucesso em 1966. Teve breve passagem pelo Flamengo em 1968 e regressou ao Bonsucesso. Transferiu-se para o Botafogo em 1970 e para o Vasco em 1971. Em 1976, foi para o Corinthians. Jogou mais seis meses no Flamengo, conquistando o estadual de 1978, e assinou com o Fluminense em 1979. Encerrou a carreira no Bangu, onde jogou entre 1980 e 1983.


Artur dos Santos Lima (Arturzinho)
nasceu no Rio em 3 de maio de 1956 e começou nas divisões de base do Fluminense, pelo qual estreou entre os profissionais em 1976. Passou por Operário-MS (1978 a 1980) e Internacional (1981), antes de chegar ao Bangu, em 1982. Deixou o clube para jogar no Vasco e no Corinthians, ambos em 1984, e voltou outras duas vezes para o Bangu, entre 1985 e 1988, quando foi vice estadual e brasileiro em 1985 e campeão da Taça Rio de Janeiro em 1987 e em 1991. Jogou em pelo menos uma dezena de outros clubes e encerrou a carreira em 1996, no Olaria.


Dono de uma das mais longas carreiras do futebol brasileiro, Cláudio Adalberto Adão nasceu em Volta Redonda em 2 de julho de 1955. Defendeu o Bangu em 1984 e 1985, conquistando neste último ano os vices carioca e brasileiro. Começou no Santos, pelo qual jogou entre 1972 e 1976. Atuou também nos seguintes clubes: Flamengo (1977-1979 e 1983), Fluminense (1980 e 1981), Austria Vienna (1981), Vasco (1981 e 1982), Al Ain-Arábia Saudita (1982), Botafogo (1982, 1984 e 1988), Benfica (1983), Bahia (1986), Cruzeiro (1987), Portuguesa (1988), Corinthians (1989), Sport Boys (Peru, 1990), Campo Grande (1991), Alianza (Peru, 1991 a 1993), Ceará (1992 e 1993), Santa Cruz (1994), Deportivo Pesquero (Peru, 1994), Volta Redonda (1994), Rio Branco-ES (1995) e Desportiva-ES (1996).


Mário José dos Reis Emiliano (Marinho)
nasceu em Belo Horizonte-MG em 23 de maio de 1957. Começou no Atlético-MG, lançado por Telê Santana no time principal, em 1975. Disputou as Olimpíadas de 1976, em Montreal. Transferiu-se para o América de São José do Rio Preto em 1979. Voltou ao Atlético-MG em 1982, mas foi logo negociado com o Bangu. No clube carioca, viveu os melhores momentos de sua carreira. Foi vice brasileiro e carioca em 1985 e eleito o melhor jogador do país em 1986, ano em que disputou as suas duas únicas partidas pela seleção brasileira principal, marcando um gol. Em 1987, foi campeão da Taça Rio de Janeiro. No comecinho de 1988, foi vendido ao Botafogo-RJ. Mas a morte do filho Marlon, de 14 meses, afogado em uma piscina, apressou a sua decadência. Voltou ao Bangu em 1991. Passou sem sucesso por América de São José do Rio Preto-SP, Pavunense, Entrerriense, Americano, São Cristóvão e encerrou a carreira no próprio Bangu, em 1996, aos 39 anos de idade.


Mauro Geraldo Galvão
, um dos melhores zagueiros da história do futebol brasileiro, defendeu o Bangu de 1986 a 1989 e ganhou por lá pelo menos um título, a Taça Rio de Janeiro de 1987. Fez ao todo 64 jogos e três gols pelo clube. Mauro Galvão nasceu em Porto Alegre-RS em 19 de dezembro de 1961. Profissionalizou-se no Inter-RS em 1979. Defendeu também o Botafogo (1989 e 1990), o Lugano (Suíça, de 1990 a 1996), o Grêmio-RS (1996 e 1997) e o Vasco (1997 a 2001). Voltou ao Grêmio, onde está até hoje. Conquistou quatro títulos nacionais (1979, 1986, 1997 e 2000) e fez 26 partidas pela seleção brasileira, entre 1986 e 1990. Disputou as Olimpíadas de Los Angeles, em 1984, e a Copa do Mundo da Itália, em 1990.

 
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.012
Vitórias 1.679
Empates 953
Derrotas 1.380
Gols Pró 7.086
Gols Contra 6.127
Saldo de Gols 959
Artilheiros
 
Ladislau 226
Moacir Bueno 189
Nívio 147
Menezes 134
Zizinho 125
Luís Carlos 110
Paulo Borges 108
Décio Esteves 97
Arturzinho 91
Marinho 80