Rio de Janeiro, sábado, 21 de outubro de 2017 - 19h06min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Crônicas


O FUTEBOL BRASILEIRO É MESMO PROFISSIONAL?

Foto: Arquivo JS
 
O BANGU de Tita é um dos poucos clubes dos chamados pequenos que já possuem uma competição à vista

Nunca é demais voltar ao assunto, pois ele encerra uma grave e profunda questão social. Terminado o Campeonato Estadual da Primeira Divisão, continuam as incertezas acerca da competição da Segunda Divisão e da seletiva fluminense para a disputa do Brasileiro da Terceira Divisão. Ou seja, clubes, jogadores, técnicos, massagistas e roupeiros, entre outros profissionais do futebol, ficam à mercê do humor de dirigentes e sua disposição de melhor programar as competições no Estado do Rio de Janeiro.

Alguns clubes podem se considerar privilegiados, pois terão alguns meses mais de atividades no ano. Madureira, Bangu, Olaria, América, Cabofriense, Friburguense e Volta Redonda participarão da seletiva que apontará os três que disputarão a Série C brasileira, mas os outros quatro deverão desativar os seus departamentos de futebol, pois não terão como arcar com as folhas de pagamento, por menores que sejam.

Em outras palavras, isso significa desemprego em massa. Senão, vejamos: cada clube tem, pelo menos, 30 profissionais, entre jogadores, técnico, massagista, roupeiro, médico. Multiplicando esse número por quatro (os que forem eliminados na seletiva da Série C), temos um total de 120 pessoas. Poucos deles serão contratados por outras agremiações, pois o problema se repete em outros estados brasileiros.

E não estamos falando ainda nos clubes que forem eliminados nas primeiras fases das competições que serão disputadas ao longo do ano e que provocarão novas dispensas de profissionais.

Não basta falar na criação de clubes-empresas, há a necessidade urgente de encontrar meios de pôr esse pessoal em atividade, garantindo-lhe emprego e salário, pois, por trás de cada profissional do futebol, há uma família e bocas para alimentar.


Texto: Claudio Neves
Fonte: Jornal dos Sports (Coluna A Bola e o Craque), 25/03/2003.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83