Rio de Janeiro, sábado, 16 de dezembro de 2017 - 05h08min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Crônicas


O QUE FIZEMOS?

Uma onda de nostalgia, um mar de saudades. Impressionante como todos nós sentimos falta dos bons tempos do futebol carioca - e ainda assim nada se consegue fazer para afastar do poder os carrapatos que sugaram todo o seu sangue nas últimas décadas. O estopim do movimento - que surgiu através de inúmeros e-mails - foi a última coluna, lembrando a final da Taça Brasil de 1966.

São rubro-negros lembrando os tempos que vão de Zizinho a Zico, Júnior, Carpegianni etc; tricolores clamando pelas épocas de Félix, Samarone, Flávio, Lula, Rivelino, Romerito, Branco, Assis e tantos outros; vascaínos que não se esquecem das glórias de Ademir Marques de Menezes a Roberto Dinamite, Romário e Cia. e alvinegros saudosos daqueles timaços com Garrincha, Nílton Santos, Gerson, Jairzinho, Paulo César e que tais.

Como pudemos deixar que se chegasse ao ponto que chegamos? Por que deixamos que nos roubassem (literalmente) algumas de nossas maiores alegrias - e prazeres?

***

Um e-mail me tocou em especial, por representativo de como as coisas mudaram por aqui. Com a palavra, Carlos Molinari:

"Muito boa a sua crônica de hoje trazendo aos leitores mais novos a finalíssima entre Santos e Cruzeiro pela Taça Brasil de 1966. Melhor ainda foi a lembrança dos dois grandes esquadrões cariocas da década de 60: o Botafogo e o Bangu, bancado pelo pai de Castor de Andrade, 'seu' Euzébio, e que trazia feras como você citou: Paulo Borges, Bianchini, Parada e Aladim, além de craques como Ubirajara no gol, Cabralzinho no ataque, Roberto Pinto no meio, Fidélis na lateral".

"Esse Bangu dos dias de hoje, que a moçada mais nova mal conhece, não é nem a sombra do Bangu da década de 60".

"Um bom exemplo aconteceu no início de 1967, quando foi realizado, no Mineirão, o Torneio dos Campeões - quem vencesse seria o Campeão dos Campeões do Brasil".

"E lá estavam o Cruzeiro, campeão mineiro e da Taça Brasil; o Palmeiras, campeão paulista; o Bangu, campeão carioca, e o Atlético Mineiro - para dar renda".

"Na primeira partida após o título da Taça Brasil (os dois históricos jogos contra o Santos que você lembrou em sua última coluna) o Cruzeiro estreou no quadrangular contra os campeões cariocas. E sabe quanto foi
este confronto? Bangu 2 a 0".

"Na final, o time de Moça Bonita pegou o Atlético - que tinha eliminado o Palmeiras, por 3 a 1. Como houve empate de 2 a 2, os cariocas ficaram com o título, pelo goal average".

"O time base do Bangu na conquista: Ubirajara, Fidélis, Mário Tito, Luís Alberto e Pedrinho; Jaime e Ocimar; Paulo Borges, Cabralzinho, Norberto e Aladim".

***

É, amigos mais jovens, o futebol carioca tinha seis grandes clubes. Pois além do Bangu e dos quatro mais famosos (Flamengo, Fluminense, Botafogo e Vasco), havia ainda o simpaticíssimo América - o segundo time de todos que não fossem americanos.

Quando comecei no jornalismo, em 1976, cobrindo justamente o Ameriquinha, no Andaraí, olha só o esquadrão que envergava a camisa rubra: País, Orlando Lelé, Alex, Geraldo e Álvaro; Ivo, Renato (irmão de Amarildo) e Bráulio; Flecha, Luizinho Tombo e Gílson Nunes. Era um timaço!

***

Foi do América também um dos mais talentosos jogadores que vi jogar: Eduzinho, o irmão de Zico. Meu Deus, como jogava o Edu! Até hoje há quem diga que, em seus bons tempos, era melhor que o Galo.

Não chego a tanto mas, ainda como torcedor, me cansei de ver Edu e seu irmão Antunes entortarem várias vezes zagas do Flamengo formadas por Ditão, Onça, Itamar, Guilherme, Manicera (já em final de carreira) e
outros tantos.

O "Pequeno Polegar" era mesmo infernal!

***

Hoje em dia costuma-se festejar públicos de 40 mil torcedores como "casa cheia" no Maracanã. Pois saibam os mais novos que assisti a vários Flamengo x América com 100 mil pessoas nos tempos do "Maior e mais belo estádio do Mundo". Hoje em dia o Maraca nem é mais o maior e muito menos o mais bonito...

Texto: Renato Mauricio Prado, publicado no Jornal O Globo, em 21/09/2003.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83