Rio de Janeiro, sábado, 21 de outubro de 2017 - 19h07min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Crônicas


LUZ VERMELHA SOBRE A GUANABARA

A rodada de hoje na Taça Rio está sob suspeita.

E nada tem a ver com o episódio policial que aterrissou na federação do Caixa D'Água na última sexta-feira.

Mas tem a ver com a já exaustivamente discutida mudança da partida entre Fluminense (com os reservas num jogo que interessa a outro clube) e Americano, para Moça Bonita, e com o clássico dos centenários desesperados, América x Bangu.

Caixa D'Água não gosta de Giulite Coutinho, que encarna o América, e tem como seu vice na Ferj o presidente de honra do Bangu. Os americanos estão apavorados, pedindo que as emissoras de TV cubram o jogo em Edson Passos, pois temem que venham a ser prejudicados.

É claro que a campanha do América é fraca, mas o receio em relação a fatores extra-campo se justifica pelos métodos do presidente da Ferj, que continua a dominar o tribunal de justiça e a atemorizar os árbitros, segundo os relatos mais desinteressados.

Mesmo doente e submetendo-se a uma sessão de hemodiálise por dia, Caixa D'Água segue fiel aos seu estilo coronelista e à máxima "só saio daqui quando quiser" – e nada indica que um dia queira, ao contrário.

Entre um "a nível de" para cá e outro "a nível de" para lá, o intelectual Caixa D'Água ainda acha tempo para atacar o técnico Levir Culpi, voz solitária entre os treinadores contra os desmandos da cartolagem predatória.

E olhe que Caixa D'Água é o grande mentor político de ninguém menos que o presidente da CBF, com o que muita coisa se explica e quase nada se justifica.

Se não bastasse, em franco desafio ao Estatuto do Torcedor, o cartola acena com mudanças no regulamento do próximo campeonato estadual, certo de que contará com a impunidade, filha da falta de apetite dos que devem fiscalizar seu cumprimento, aí incluídos o ministério dos Esportes, os clubes filiados à Ferj e os torcedores, acomodados e descrentes de tudo e de todos.

Graças a um bom plano de marketing, a Taça Guanabara monopolizou as atenções do país no começo da temporada.

Agora, quando os estaduais começam a se aproximar do final, o que volta é a velha sensação de que tudo está como sempre esteve.


Texto: Juca Kfouri.
Fonte: Coluna Papo com o Juca, publicada no Jornal Lance!, em 21/03/2004.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83