Rio de Janeiro, sábado, 21 de outubro de 2017 - 19h03min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Crônicas


CONTRA O TÉDIO, O ETERNO DIVINO

Sinceramente, já não consigo nem mais ouvir falar de Fluminense e Volta Redonda. Ao constatar a pobreza do noticiário dos últimos dias, com declarações óbvias e maçantes (tá duro ficar ouvindo as pérolas de Dário Lourenço e Abel Braga e essa tediosa guerra de nervos de quem é favorito quem não é, quem tá contando vantagem quem não está), tomei uma decisão: só volto a pensar no jogo na hora em que a bola começar a rolar. Ou seja: às 16 horas deste domingo.

Por isso, vou me deter hoje a comentar sobre.... arte. Sim, vou falar de quem transformou o ofício do futebol numa manifestação essencialmente artística. Refiro-me a Domingos da Guia (foto), que poderá ser mais conhecido pelas novas gerações (assim espero) a partir da biografia que o jornalista inglês radicado no Brasil Aidan Hamilton estará lançando, neste sábado, às 10 horas, na Avenida Cônego de Vasconcellos, em Bangu, no calçadão que leva o nome do craque (o livro chama-se "Domingos da Guia, O Divino Mestre", 250 páginas e editado pela Gryphus).

Recomendo vivamente a leitura da obra, principalmente para essa rapaziada habituada a pseudo-ídolos que infestam nossos gramados (os conhecidos bad e bobosboys), porque em Domingos podemos encontrar as verdadeiras virtudes de um ídolo na sua plenitude. Apesar de ter sido um fora-de-série, reverenciado por escritores (Augusto Frederico Schmidt contava que Domingos era tão inteligente quanto o pensador alemão Göethe; o romancista Otávio de Faria afirmava que o futebol do Divino tinha a harmonia das composições de Mozart) e companheiros (o craque Tim, conhecido pelos dribles curtos e secos, dizia que era impossível passar por Da Guia, tal o seu senso de colocação), Domingos era um homem de alma extremamente simples. Capaz de, depois de ter sido campeão na Argentina, pelo Boca Juniores, recusar o prêmio de uma viagem de férias à Europa ofertado pelo presidente do clube. Preferiu estar em Bangu, com os familiares e amigos.

Sofisticado era tão-somente o seu futebol que o levou, por exemplo, a ser campeão por três anos seguidos em três países diferentes (por Nacional, do Uruguai, em 1933; Vasco, em 1934; e Boca, em 1935, na Argentina). Quando jogava pela Seleção Brasileira nesses países, muita gente ia aos estádios só para contemplar a sua performance.

A dimensão do seu futebol realmente atravessou fronteiras num tempo em que as comunicações ainda engatinhavam. O Rádio, é verdade, começava a viver o seu auge, mas Tevê nem existia. O escritor uruguaio Eduardo Galeano diz: "A Leste, a muralha da China; a Oeste, Domingos da Guia. Nunca houve zagueiro mais sólido na história do futebol mundial."

Além disso, a cor negra de sua pele ajudou a dar uma nova feição ao futebol naqueles tempos ainda românticos. Foram nos anos 30 que, ao lado de Leônidas e Fausto, A Maravilha Negra, o craque rompeu de vez com preconceitos que ainda viam o esporte bretão como uma atividade para brancos. Assim, o futebol brasileiro ganhou ginga, molejo, virou arte. Plasmava-se a nossa história de melhores do mundo.

Domingos da Guia morreu em 2000, aos 87 anos, deixando um legado que representa a alma do verdadeiro futebol brasileiro. Por tudo isso, o trabalho de Aidan é leitura mais que obrigatória. É impositiva.


Texto: Roberto Sander.
Fonte: Coluna Toque de Efeito, publicada no Jornal dos Sports, em 14/04/2005.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83