Rio de Janeiro, sábado, 16 de dezembro de 2017 - 05h06min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Crônicas


RETRATO CRUEL E SEM RETOQUE

A curiosidade, aliada ao prazer de reviver áureos tempos do futebol do Rio de Janeiro, levou-me sábado à tarde ao simpático estádio de Moça Bonita, onde o outrora grande Bangu iria jogar uma partida chave pelo Campeonato Estadual da Segunda Divisão, contra o Nova Iguaçu, um time que tem como seu maior destaque e líder Zinho, um tetracampeão mundial, titular da Seleção Brasileira de 1994. Um profissional exemplar, campeão pelo Flamengo, pelo Cruzeiro e o idealizador do projeto, objetivo, prestes a ser alcançado, que é o de levar o Nova Iguaçu à Primeira Divisão do Rio de Janeiro.

Se o Nova Iguaçu, que empatou o jogo e se manteve na liderança do quadrangular decisivo do campeonato, confirmando o trabalho que lá vem sendo feito e inclusive já revelou para o futebol o excelente Deivid, atualmente no Santos, me dá esperança, o Bangu, ao contrário, só me faz sofrer. Não tanto pelo time, modesto, mas lutador, mas pela situação em que se encontra o clube.

Empobrecido, isolado, o Bangu parece um daqueles velhos templos em ruínas, um santuário decadente, retrato empoeirado e envelhecido pelo tempo, uma página amarela quase que definitivamente virada e perdida na poeira da história. História que já teve páginas escritas em letras de ouro, por craques e ídolos que vestiram e honraram sua linda camisa branca e vermelha: Domingos e Ademir da Guia, Zizinho, os zagueiros Mendonça e Zózimo, este titular bicampeão mundial no Chile, em 1962, seu irmão Calazans, Parada, Bianchini, Paulo Borges, Fidélis, Cabralzinho, Mauro Galvão, Marinho, Paulinho Criciúma e tantos outros.

A desolação de ver o Bangu logo me transportou para o América de meu companheiro de viagem Newton Zarani, que, por sinal, está cobrindo com seu conhecimento e sua dedicação o campeonato que vai apontar quem subirá em 2006 para ocupar o lugar do Olaria, outro clube tradicional do Rio de Janeiro, rebaixado este ano. Tudo isso me fez pensar e temer muito pelo quadro atual do futebol de nosso estado.

Quem, torcedor apaixonado ou profissional consciente do que representa na história do futebol brasileiro o futebol do Rio de Janeiro, pode estar dormindo tranqüilo com a realidade de nossos quatro grandes clubes, que já foram seis?

Dá para ficar calado e conformado com o Vasco se afundando na zona de rebaixamento, escalando um time que não condiz com sua trajetória no futebol brasileiro, sofrendo derrotas como a de sábado para o Goiás, um resultado que o time goiano jamais havia conseguido em São Januário?

Será esse o Vasco, o grande Vasco, clube que sempre se orgulhou de ser um templo da democracia e na vã tentativa de esconder e camuflar suas atuais dificuldades tenta impor a lei do silêncio, em vez de enfrentar os problemas de frente, de buscar as soluções que não só ele, Vasco, necessita encontrar urgentemente, mas também o Botafogo, Fluminens e o Flamengo, que ontem passou a integrar a lista dos quatro rebaixados se o campeonato terminasse hoje.

Sim, porque quem está num momento de grave crise é o futebol do Rio como um todo. O empobrecimento acelerado dos clubes é resultado de estruturas envelhecidas, ultrapassadas historicamente e que necessitam ser imediatamente revistas para que não ocorra com eles o que já ocorreu com Bangu e América.

Hoje, Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco terão na simbólica sede das Laranjeiras, motivados pela discussão do projeto da Timemania, a oportunidade de iniciarem um debate honesto que os leve a se unirem no objetivo de retocar o velho retrato do futebol do Rio de Janeiro com todas as cores e recursos do futebol moderno, da era do marketing e da televisão.


Texto: José Antonio Gerheim.
Fonte: Coluna Passe Livre, publicada no Jornal dos Sports, em 04/07/2005.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83