Rio de Janeiro, sábado, 16 de dezembro de 2017 - 05h07min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Crônicas


O IMORTAL FUTEBOL CARIOCA

Nesse domingo sem futebol no Rio de Janeiro, o Jornal dos Sports, para não deixar a bola cair, resgata a lembrança de tempos inesquecíveis para o torcedor carioca. Com base na opinião do nosso time de editores e colunistas, agora reforçado por ninguém menos que Luiz Mendes, escalamos a seleção de todos os tempos dos principais clubes da cidade. É um farto material para o debate dos torcedores que estarão acompanhando o jogo da Seleção Brasileira, que, em outras épocas, teria como palco o Maracanã, hoje fechado para obras. É sabido que a força de uma nação vem da sua capacidade de valorizar e preservar a sua história. Não temos dúvida de que o mesmo se dá com o esporte. E, nesse sentido, o JS cumpre um papel fundamental nesses seus 74 anos de existência. O leitor encontrará as seleções dos quatro grandes do Rio nas páginas que trazem o noticiário de Fluminense, Flamengo, Vasco e Botafogo. Abaixo, uma homenagem a outros clubes que marcaram época, mas que ao longo do tempo acabaram perdendo a sua força. Trazemos, portanto, também o melhor de todos os tempos de América e Bangu e ainda o time do São Cristóvão campeão carioca de 1926. Para completar, quatro momentos históricos que ajudaram a transformar os grandes clubes cariocas nos mais populares de todo o país.


No Fla-Flu da Lagoa, o título dos títulos

O título de bicampeão carioca de 1941, conquistado pelo Fluminense no lendário Fla-Flu da Lagoa, ganha em importância por ter reforçado de forma definitiva e irreversível a mística do clássico mais tradicional do futebol brasileiro, o que se deve, e muito, ao talento de Mário Filho. Criador do moderno jornalismo esportivo, Mário fez desse clássico um capítulo à parte em qualquer antologia futebolística, algo como uma odisséia de dimensões bíblicas. Rubro-negro assumido, ele descreveu em diversas crônicas as peripécias de Carreiro, os dribles de Romeu, as defesas de Batatais, a luta do artilheiro rubro-negro Pirillo para evitar a derrota (o empate teve esse significado) e o episódio das bolas chutadas para a Lagoa Rodrigo de Freitas pelos jogadores do Fluminense para ganhar tempo depois que o Flamengo empatou o jogo em que era vencido por 2 a 0. O placar de 2 a 2 deu o título ao Fluminense, que, nessa época, tinha nada menos que cinco jogadores titulares da Seleção Brasileira.


O Tricampeonato de Dida & Cia
Por ter garantido o primeiro tricampeonato do Flamengo da era Maracanã (o outro foi em 42/44/45), o título de 1955, disputado em três turnos e decidido apenas em 1956, tem um sabor especial para os rubro-negros. Aquela equipe reunia craques emblemáticos que marcaram várias gerações de torcedores – eles ajudaram de forma inexorável a sedimentar a enorme popularidade do clube. Eram tempos de Dequinha, Evaristo, Rubens, Zagallo e Dida, que acabaria por se transformar no maior ídolo de ninguém menos que Zico. Na campanha de 30 jogos, o time conquistou 21 vitórias, marcando 87 gols. Na série decisiva com o América de craques como Pompéia, Édson e Canário, o Flamengo venceu o primeiro jogo por 1 a 0, gol de Evaristo, mas perdeu o segundo por incríveis 5 a 1, o que comprovava a força do adversário. Na última partida, o Flamengo se superou e, mais do que nunca, se mostrou Flamengo. Devolveu a goleada com o convincente placar de 4 a 1. Nesse jogo, Dida se exibiu em grande estilo: marcou três gols, sendo merecidamente considerado o grande herói da conquista.


O show de Garrincha e Paulo Valentim
O primeiro título do Botafogo no Maracanã teve a marca de um gênio do futebol: Garrincha. Aos 26 anos, ele estava no auge da carreira e foi decisivo como nunca até então. Mas aquele Botafogo não era só Garrincha. Era também Nilton Santos, Didi, Quarentinha, Paulo Valentim, e tantos outros. E a síntese do futebol de todos esses craques veio à tona naquela histórica final contra o Fluminense, um adversário de respeito, que tinha nas suas linhas nomes como o de Castilho, Pinheiro, Valdo e Telê. Desde 1948 sem conquistar um Campeonato Carioca, o Botafogo parecia em estado de graça naquela tarde de 22 de dezembro. Às vésperas do Natal, já no primeiro tempo, presentearia a torcida alvinegra com a vantagem de 3 a 0. No segundo tempo, prosseguiu massacrando o adversário, chegando ao placar de 6 a 2, com cinco gols de Paulo Valentim e um de Garrincha, que deu um show inesquecível. João Saldanha era o técnico da equipe. Posteriormente, ele diria: "Não costumo me emocionar com o futebol, mas nesse dia o Botafogo me tirou do sério."


O único Supersupercampeão da história
Para muitos, o Carioca de 1958 foi o mais emocionante e equilibrado de todos os tempos. No clima da vitória no Mundial da Suécia (o campeonato teve início apenas duas semanas depois da conquista de Pelé, Garrincha & Cia.), Flamengo, Vasco e Botafogo somaram o mesmo número de pontos nos dois turnos disputados. Assim, as três equipes foram para o desempate jogando entre si. No chamado Supercampeonato, cada uma venceu um jogo e, com isso, foram para a disputa do chamado Supersupercampeonato. O Botafogo, o favorito, tinha Nilton Santos, Didi, Garrincha e Quarentinha; o Flamengo Dequinha, Moacir, Dida e Babá; e o Vasco, que não ficava atrás em matéria de craques, exibia, entre outros, Bellini, Orlando Peçanha, Sabará e Pinga. Na primeira partida, o Vasco derrotou esse poderoso Botafogo por 2 a 1, com dois gols de Pinga. Depois, um empate de 1 a 1 com o Flamengo, com um gol de Roberto Pinto, foi suficiente para garantir o título histórico. Coincidentemente, só em 70, quando o Brasil garantiu o Tri, o Vasco voltou a ser campeão.


O maior ídolo Rubro
Edu é o maior símbolo da história do América. Ele defendeu o clube de 1962 até 1974 e é até hoje o seu maior artilheiro com 212 gols. Para muitos, foi tão bom quanto o irmão Zico. Com apenas 1,64 de altura, enfrentava os zagueiros adversários com destemor, pois muitas vezes era vítima da violência. Mas nada o detinha. Era um atacante de muita habilidade, que se caracterizava pelos dribles curtos, passes precisos e chutes bem colocados. Depois de deixar o América jogou no Vasco, Flamengo (onde, inclusive, jogou com Zico), Bahia, Colorado e Joinville. Em 1969, foi o maior artilheiro do Brasil e para muita gente merecia uma vaga na Seleção de 70.


O Risadinha fez a Moça sorrir
A simpatia de Paulo Borges lhe rendeu o carinhoso apelido de 'Risadinha'. Ponta-direita típico, fez sucesso no Bangu, onde jogou de 1962 a 1967, com um futebol incisivo, de muitos dribles e jogadas de linha de fundo. Participou do histórico time de 1966, campeão carioca em cima do Flamengo — com um gol de Paulo Borges, a equipe de Moça Bonita venceu por 3 a 0. Foi vendido para o Corinthians em 1968 por uma quantia recorde, pois era considerado, naquele momento, o maior ponta-direita da América do Sul. Nesse mesmo ano, foi o principal responsável pelo fim de um jejum de 10 anos sem vitórias do Timão sobre o Santos.
O MELHOR DO BANGU: Ubirajara, Fidélis, Mário Tito, Zózimo, Médio, Moacir Bueno, Zizinho, Mendonça, Paulo Borges, Cabralzinho e Aladim.


Um romântico campeão
Imaginem um campeonato em que o São Cristóvão vence o Flamengo por 5 a 0 e 5 a 1, o Botafogo por 6 a 3 e o Fluminense por 4 a 2. Parece algo impossível? Hoje em dia com certeza, mas em 1926, nos tempos românticos do futebol, isso aconteceu. Esse foi o único título do São Cristovão em toda a sua história, num ano em que ocorreram mudanças na regra de jogo que prevalecem até os tempos atuais: começou a valer o gol olímpico e, para que fosse caracterizado o impedimento, passou a ser necessário que apenas dois, em vez de três jogadores, estivessem entre quem recebe a bola e a linha de fundo do adversário. Naquele momento de transformações, o São Cristovão montou um time aguerrido, que priorizou a preparação física e, assim, passou por cima dos favoritos.


Texto: Roberto Sander.
Fonte: Coluna publicada no Jornal dos Sports, em 04/09/2005.
     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83