Rio de Janeiro, segunda-feira, 11 de dezembro de 2017 - 22h24min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Crônicas


HONRA AO MÉRITO

Caro leitor, caríssima leitora, escrevo estas linhas antes do jogo entre Santos e São Paulo. Não sei se a equipe que terminou a primeira fase do torneio como líder passou ou não pelo meu time. De qualquer modo, deixo cá minha opinião.

É mais justo, dizem uns. Transforma todas as partidas em decisões, dizem outros.
Concordo com uns e outros. Por mais que se diga que o charme do futebol é sua imprevisibilidade, fica uma sensação esquisita quando uma equipe que demonstrou menos méritos ao longo da competição ergue a taça em lugar daquela que obteve mais pontos.

Não será uma simples crônica que fará mudar a opinião dos adeptos das fórmulas caça-níqueis, mas, só para apimentar a discussão, lembrarei aqui algumas ocasiões em que o time de melhor campanha no Brasileiro acabou sendo castigado pelos quadrangulares, pelos hexagonais, pelos octogonais, pelas cobranças de pênaltis e por outras formas de decisão que dão margem a questionamentos.

A primeira vez que isso ocorreu foi em 1974, quando o genial Cruzeiro de Nelinho, Piazza, Zé Carlos, Dirceu Lopes e Palhinha perdeu para o apenas eficiente Vasco de Moisés, Alfinete, Jorginho Carvoeiro e, ufa!, Roberto Dinamite. O time mineiro ponteou durante todo o torneio, mas aí, por uma razão que me custa entender, a decisão foi jogada no Maracanã, onde o Vasco venceu por 2 a 1.

Em 1977, o Atlético-MG chegou à última rodada com oito pontos a mais do que o São Paulo. No Mineirão, o esforçado time paulista segurou o 0 a 0 bravamente e aí, graças a são Valdir Perez, levou o título nos pênaltis.
Já em 1981 o feitiço virou contra o feiticeiro, e o São Paulo foi castigado. O time de Serginho e Zé Sérgio fez dois pontos a mais do que o Grêmio de Baltazar. Mas, no segundo jogo, no Morumbi, o clube paulista foi derrotado por 1 a 0. Gol de quem? De Baltazar.

Até o meu Santos, acreditem, teria sido campeão pelo sistema de pontos corridos em 1983. Com um time experiente e pragmático, o Peixe terminou o torneio um ponto à frente do Flamengo de Zico. Pena que, na decisão, o time perdeu a cabeça e o jogo (3 a 0).

1985 marcou uma das maiores injustiças da história do Brasileiro. O Bangu, que terminou como vice-campeão, chegou à final contra o Coritiba tendo feito 16 pontos a mais que o adversário. Dezesseis! Mas, mais uma vez, os pênaltis se encarregaram de punir o melhor desempenho.

No ano seguinte, a vítima foi o Guarani, que tinha Marco Antônio Boiadeiro, Evair e João Paulo. O beneficiado, outra vez, foi o São Paulo. Os seis pontos à frente não serviram para nada e, na final, o Bugre não teve forças para segurar uma vantagem de 3 a 2 no Brinco de Ouro. Cedendo o empate, acabou derrotado nos pênaltis.

Em 1992, foi a vez de o Botafogo lamentar a fórmula de disputa. Mesmo com seus dois pontos a mais, o time de Márcio Santos, Carlos Alberto Dias e Valdeir não conseguiu superar o Flamengo de Júnior na decisão. Resultado: teve que se contentar com o vice.

Não se trata de questionar os títulos de Vasco, São Paulo, Grêmio, Flamengo e Coritiba, conquistados de acordo com as regras estabelecidas à época. Aqui só realço um detalhe: o fato de que, em 31 edições do Nacional, sete ficaram com o gostinho amargo, senão da injustiça, da dúvida. Qual a solução para isso?

Os pontos corridos.

Texto: José Roberto Torero (Colunista da Folha)
Fonte: Folha de São Paulo, 29/11/2002.
     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83