Rio de Janeiro, sábado, 21 de outubro de 2017 - 19h11min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Crônicas


O PRIMEIRO... E O MAIS...

O primeiro presidente do nosso Clube foi William French, um inglês clássico que fumava cachimbo e falava pouco, quase taciturno que nunca se familiarizou com a língua da nova pátria, ao contrário do seu conterrâneo Guilherme Procter que se esqueceu, por completo, da língua materna: falando apenas a portuguesa.

Naquele longínquo 1904, em que a vida era muito mais difícil do que hoje, qualquer cidadão de ânimo fraco baquearia na direção de empreendimentos, por menores que fossem, que exigissem pertinácia e convicção para levá-los à frente e engrandecê-los. Só mesmo um inglês da têmpera do velho French seria capaz de enfrentar as borrascas que desabariam sobre o nosso Bangu quando despontava para a vida longa e gloriosa.

Os ingleses que foram os seus fundadores, dirigiram-no até 1914, com proficiência e honestidade nunca postas em dúvida. Foi fase pioneira e dos maiores sacrifícios. Tirava-se água de pedra... Mas...

O primeiro brasileiro que quebraria a dinastia dos ingleses, e isso em 1915, foi Noel de Carvalho, vindo do Estado do Rio, ou melhor, de Rezende. Era escritor, poeta e orador de indiscutíveis méritos aliando tudo isso as virtude e qualidades de um homem dos esportes, sobretudo.

O seu período administrativo distinguiu-se pela força moral e elevadas atitudes postas a serviço do Bangu e do desporto, tendo como prioridade a defesa do jogador preto, que os clubes tentavam de todos meios e modos afastar das lutas gramado a dentro, porque de seus quadros sociais, já os pretos tinham sido banidos há muito tempo ou neles nunca tiveram ingresso. A defesa constante que fêz do homem preto, jogador de futebol reavivou nele o abolicionista íntegro e pugnas, expontâneo e intransigente defensor da raça negra, na qual via gente tão boa e tão útil quanto a gente da raça branca, faltando-lhe somente a instrução adequada, que lhe negavam, para tornar-se um válido social. Entretanto...

O mais moço dos Presidentes do Bangu foi o Ministro Ary de Azevedo Franco. Era de Paracambi, no Estado do Rio.

Aos vinte e um anos foi guindado ao posto máximo, na direção do Clube. A dizer bem, era tão jovem que, às vezes, sentia vergonha de comandar as Assembléias Gerais, delegando poderes a outros mais antigos para as dirigir. E essa era a sua principal característica: uma encantadora modéstia.

Mais tarde, quando já Ministro do Supremo Tribunal Federal, não evitava, ou antes, falar ou cumprimentar, ao encontrar-se nas ruas, ou em outra qualquer parte até no recinto do Supremo, as pessoas que conhecera na sua juventude, toda ela vivida em Bangu. Deu ao nosso Clube prestígio e respeito. Mas...

O primeiro carioca, e presidente de mandato mais longo, foi o Dr. Guilherme da Silveira Filho, nosso Patrono. Até hoje é o homem decisivo na vida do Clube. A sua jornada, na Presidência, não sofreu solução de continuidade, praticamente. Está hoje em 1973, como se estivéssemos em 1937, enfrentando galhardamente as dificuldades que o Clube atravessa, sem queixas e sem azedumes. É o nosso bastião... Entretanto...

O primeiro banguense, isto é, o primeiro homem nascido em Bangu, a ocupar a presidência do Clube foi o Dr. José Vital, que deixou o posto recentemente por término de mandato. Custou a vir mas veio bem...

O Bangu, que foi fundado à 17 de Abril de 1904, só viria a ter um presidente filho de suas terras em 9 de novembro de 1971, ou seja, 67 anos depois.

Foi o homem providencial. Quando o Bangu, mergulhado numa das suas maiores crises, maior mesmo que as de 1907 e 1917, procurou-o para gerir os seus destinos, José Vital nem pestanejou. Estava em jogo o Clube do seu coração. Viver ou morrer era o dilema de fogo a ser enfrentado. E José Vital fez a opção:
 
- Viver, sim... Enquanto houver um banguense da minha estirpe o Bangu não morrerá...
 
E desandou a trabalhar, pois sem o trabalho nada se constroe. Ele e, agora, a sua famosa equipe e alma à luta que lhe exigia a presidência do Bangu. Não parou enquanto não viu debelada a terrível crise que chamaremos, daqui para diante, a de 1917.

E, apesar de sua atividade de médico muito solicitado, entregou-se de corpo.
 
Abrindo-se um curioso parênteses: SETE é um número fatal para o Bangu.
 
Ele aparece três vezes marcando situações anormais na nossa vida. Em 1907, a célebre questão dos ingleses que chegou a provocar a sua desfiliação da Liga Metropolitana. Salvou-se o inesquecível Andrew Procter, a quem o Bangu trabalhando o resto da sua vida não, não vai pagar, em amor e dedicação, o que lhe deve.

Em 1917, foi a ajuda da Fábrica que não o deixou sossobrar, dando-lhe a admirável administração de Firmino de Carvalho. E em 1971, que está quente ainda, foi José Vital quem o tirou de um rebaixamento inexplicável. Em todo estes anos, porém, o número SETE não deixou de marcar a sua indesejável presença. E, por outro lado, o Bangu foi campeão em 1911 e 1914, na segunda divisão e campeão em 1933 e 1966, já na era profissionalista, e em nenhum dos anos citados aparece o número SETE. Influência negativa do número SETE ou simples coincidência?

Agora, entretanto,a crise de 1971 está vencida. José Vital, cujo nome significa o que dá e conserva vida, se encarregou de colocar tudo em seus lugares. E o fez com a sabedoria a grandeza d'alma que Deus lhe deu.

Texto: Paschoal José Granado.
     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83