Rio de Janeiro, quarta-feira, 22 de outubro de 2014 - 13h22min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos
» 1ª Página » Informação » Livros » Nós é que somos banguenses
 
Apresentação Agradecimentos  Prefácio

 
1961 
 
O Bangu colocou em campo um time jovem. Em pé: Joel, Ubirajara, Zózimo, Romeu, Ananias e Nilton dos Santos. Agachados: Zé Maria, Bianchini, Ademir da Guia, Valter e Vermelho.

Depois da conquista do Torneio Internacional de Nova York, o prestígio do Bangu era imenso, principalmente na Europa e nos Estados Unidos. Era hora de colher os frutos do título e aproveitar os convites que chegavam na sede da Avenida Cônego Vasconcelos.

Foi em 1961 que o Bangu mais disputou partidas internacionais (no total foram 27) e fez a sua maior excursão. Foram cem dias (de 14 de março a 18 de junho) no exterior, entre a Europa (Portugal, Espanha, Alemanha Ocidental, Iugoslávia, Áustria, Inglaterra, Escócia, Dinamarca, Suécia e Noruega) e a América do Norte (Estados Unidos e Canadá), que renderam aos cofres do clube a quantia de 10 milhões de cruzeiros.

Quem não compreendeu muito bem o momento que o Bangu vivia foi a Revista dos Esportes, que publicou uma matéria sob o título: "O presidente do Bangu só pensa em viajar". Maurício César Buscácio, que havia sido reeleito no início do ano, não merecia ser criticado por isso, afinal era um mérito muito grande para o Bangu ser uma atração nos outros países. Muitos diriam que o presidente, durante todo o seu mandato, só errou uma única vez nas suas decisões.

Esse erro foi a venda, em agosto de 1961, do jovem Ademir da Guia para o Palmeiras. A quantia paga pelo clube paulista foi de 4 milhões de cruzeiros, valor que, segundo a imprensa, não valia nem uma perna do grande jogador. De fato, comparando com outros atletas do elenco, como o zagueiro Joel (que tinha o passe estipulado em 10 milhões de cruzeiros), Ademir foi vendido barato e de forma precipitada demais.

Integrantes da tradicional Ala-Alvirrubra não perdoaram a negociação feita por Buscácio e colocaram na porta da sede social um caixão com velas ao redor, simbolizando a morte do presidente. Imediatamente, foi decretada a extinção do grupo carnavalesco, que era mantido pelo próprio Bangu.

No início do ano, o Bangu fez uma excursão aos estados do Nordeste, realizando doze jogos, e sagrando-se campeão do Torneio Quadrangular do Recife, onde participaram também o Sport, o Santa Cruz e o Náutico. Foi o último título do treinador Zizinho, que após a conquista pediu um preço alto demais para renovar e em seu lugar a diretoria contratou Durval Knippel, o Yustrich.

Em terras estrangeiras, Yustrich também conseguiu conquistar um título: o Torneio Quadrangular de Viena, com a participação do F.K. Austria, A.K. Wien e do Estrela Vermelha de Belgrado, da Iugoslávia.

Além dos dois jogos que deram o título ao Bangu na Áustria, destacou-se também o jogo realizado no dia do nosso aniversário, em 17 de abril, contra o Kilmarnock, vice-campeão do Torneio de Nova York em 1960, que conseguiram uma revanche e nos venceram por 1 a 0.

O Kilmarnock voltaria a ser o nosso adversário, agora nos Estados Unidos, na segunda edição do Torneio Internacional de Nova York, onde o Bangu entrava como favorito.

O Torneio de Nova York de 1961 teria 16 equipes, quatro a mais que no ano anterior, divididas em dois grupos de 8 times cada. Apenas o vencedor de cada grupo estaria classificado. O Bangu estreou no dia 20 de maio contra o Dínamo da Romênia e não saiu do 0 a 0. Quatro dias mais tarde o resultado foi pior, perdemos para o Karlsruhe, da Alemanha Ocidental por 3 a 2 e, com apenas dois jogos, as chances de classificação pareciam ter ido embora. No dia 28 de maio, o Bangu se levantou e goleou o Besitkas, da Turquia, por 6 a 1. Mas, no dia 4 de junho, enfrentando o time local do New York Americans, quem levou a pior foi o Bangu, que perdeu por 4 a 2, e ficou sem chances no torneio.

Conseguimos vencer o líder do grupo, o Everton, da Inglaterra, por 2 a 0, em partida violentíssima, na qual Darci Faria sofreu fratura na perna. Apesar de vencermos o Montreal Concordia do Canadá por 1 a 0, e o Kilmarnock, da Escócia, por 5 a 0, o Bangu ficou "apenas" em segundo lugar no Grupo A, a três pontos do Everton. Como o regulamento previa que somente o campeão da chave passaria para a outra fase, o sonho do bicampeonato mundial foi desfeito.

No Grupo B, o Dukla Prague, da Tchecoslováquia, foi o vencedor, e os tchecos também tiveram a honra de serem os novos campeões ao baterem os ingleses do Everton na finalíssima. Ao Bangu, restou o consolo de ter o melhor jogador do Torneio: Válter Lino dos Santos ficou o título. Ademir da Guia foi o nosso artilheiro em Nova York com cinco gols nas cinco partidas que disputou.

Depois da perda do bicampeonato mundial, o comando de Yustrich não durou muito. Quando o time perdeu para o Olaria por 3 a 0 pelo Campeonato Carioca, a diretoria resolveu substituí-lo interinamente pelo jogador Décio Esteves e após duas partidas, pelo técnico Francisco de Souza Ferreira, o Gradim.

O novo treinador conseguiu levar o Bangu ao quarto lugar geral no Campeonato Carioca, ficando apenas dois pontos atrás dos vice-campeões Flamengo e Vasco. Somamos 28 pontos, enquanto nossos rivais chegavam a 30. O Botafogo foi o campeão disparado com 42 pontos no total. O artilheiro banguense foi Durval, recém saído dos juvenis, que marcou seis gols em nove jogos.

Importante ressaltar neste ano de 1961 o êxito dos esportes amadores no Bangu. O basquete masculino sagrou-se campeão invicto do campeonato da Zona Rural, com uma equipe formada por: Waltinho Lima, Jorge Sobrinho, Délio Santiago, José Troccoli, João Dabdab, Ivan de Oliveira, Carlos Severino - o famoso Espiga, Walter dos Santos, Édson Dias e Vantuir Brasil.

A natação também conseguiu uma grande vitória: a difícil prova de travessia entre a restinga de Marambaia à baía de Sepetiba, um longo percurso de 7.300 metros, no dia 19 de fevereiro, terminou nas mãos dos atletas do Bangu.

Os fortões do halterofilismo foram vice-campeões carioca na categoria exercícios básicos, ficaram em primeiro lugar na categoria melhor físico e venceram o certame de levantamento de peso.

As equipes de pólo-aquático e futebol de salão também venceram torneios durante o ano. Uma prova de que o investimento correto nos esportes amadores pode gerar uma grande recompensa.

          
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.022
Vitórias 1.684
Empates 955
Derrotas 1.383
Gols Pró 7.103
Gols Contra 6.139
Saldo de Gols 964
Artilheiros
 
Ladislau 226
Moacir Bueno 189
Nívio 147
Menezes 134
Zizinho 125
Luís Carlos 110
Paulo Borges 108
Décio Esteves 97
Arturzinho 91
Marinho 80