Rio de Janeiro, terça-feira, 26 de setembro de 2017 - 04h11min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Livros » Nós é que somos banguenses
 
Apresentação Agradecimentos  Prefácio

 
PREFÁCIO

Posso dizer sem exagero que conheço Carlos Molinari desde garoto, ainda que jamais nos tenhamos visto pessoalmente. Mesmo por carta, telefone e, depois, e-mail, logo percebi estar tratando com uma pessoa diferente das outras, e diferente para melhor. Eu, já editor de "Placar", à época uma revista mensal e temática, que vivia das reminiscências do futebol. Ele, já o banguense apaixonado pelo clube e por sua história, e que assim permanece até hoje.

Passaram-se alguns anos e eu lancei o "Almanaque do Timão", livro com todas as fichas técnicas de jogos e biografias de atletas do Corinthians, minha paixão de infância. A partir daí, comecei a fazer uma série de amizades por e-mail, que por si já teriam compensado todo o trabalho. No caso de Molinari, tratava-se de uma amizade antiga e retomada.

Seguiram-se entre nós várias correspondências com trocas de informações. Resultados de jogos do Bangu contra Ponte Preta, Mogi Mirim ou Ferroviária de Araraquara. Detalhes de uma derrota para o Vasco por 4 a 3, em 21 de outubro de 1944. O nome completo do Israel, que jogou nos anos 80. Para a maioria dos mortais, tudo isso pode parecer irrelevante e descabido. Mas jamais para quem coloca a paixão pela história do futebol acima, até, daquela que nutre por seu clube (e que, tenha você certeza, é sempre enorme). Por isso, identifiquei-me imediatamente com o drama daquele rapaz. "Meu Deus", pensei. "Se eu, para coletar dados sobre o Corinthians, um clube desde sempre badaladíssimo pela mídia, penei para cachorro, que dirá o Carlos em relação ao Bangu? Aliás muito mais esquecido nos dias de hoje que em décadas passadas". Então, ajudá-lo no que pudesse nessa empreitada passou a ser, para mim, uma questão de honra.

Hoje, muito mais por seus méritos que pelo pouco que eu e outros eventuais abnegados possamos ter contribuído, Carlos Molinari realiza um sonho, que é seu e de uma enorme legião de alvirrubros e fãs do futebol. Os 100 anos do Bangu estão aqui, e isso nenhuma má administração, nenhuma omissão da mídia, nenhum preconceito em relação ao clube pode rasgar. Graças a Carlos Molinari, mais do que nunca, o Bangu tem também a sua história, suas glórias, enchendo seus fãs de alegria. Devidamente documentadas.

Celso Unzelte
autor do "Livro de Ouro do Futebol" e "Almanaque do Timão".

          
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83