Rio de Janeiro, sexta-feira, 26 de maio de 2017 - 23h23min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Livros » Nós é que somos banguenses
 
Apresentação Agradecimentos  Prefácio

 
PREFÁCIO

Posso dizer sem exagero que conheço Carlos Molinari desde garoto, ainda que jamais nos tenhamos visto pessoalmente. Mesmo por carta, telefone e, depois, e-mail, logo percebi estar tratando com uma pessoa diferente das outras, e diferente para melhor. Eu, já editor de "Placar", à época uma revista mensal e temática, que vivia das reminiscências do futebol. Ele, já o banguense apaixonado pelo clube e por sua história, e que assim permanece até hoje.

Passaram-se alguns anos e eu lancei o "Almanaque do Timão", livro com todas as fichas técnicas de jogos e biografias de atletas do Corinthians, minha paixão de infância. A partir daí, comecei a fazer uma série de amizades por e-mail, que por si já teriam compensado todo o trabalho. No caso de Molinari, tratava-se de uma amizade antiga e retomada.

Seguiram-se entre nós várias correspondências com trocas de informações. Resultados de jogos do Bangu contra Ponte Preta, Mogi Mirim ou Ferroviária de Araraquara. Detalhes de uma derrota para o Vasco por 4 a 3, em 21 de outubro de 1944. O nome completo do Israel, que jogou nos anos 80. Para a maioria dos mortais, tudo isso pode parecer irrelevante e descabido. Mas jamais para quem coloca a paixão pela história do futebol acima, até, daquela que nutre por seu clube (e que, tenha você certeza, é sempre enorme). Por isso, identifiquei-me imediatamente com o drama daquele rapaz. "Meu Deus", pensei. "Se eu, para coletar dados sobre o Corinthians, um clube desde sempre badaladíssimo pela mídia, penei para cachorro, que dirá o Carlos em relação ao Bangu? Aliás muito mais esquecido nos dias de hoje que em décadas passadas". Então, ajudá-lo no que pudesse nessa empreitada passou a ser, para mim, uma questão de honra.

Hoje, muito mais por seus méritos que pelo pouco que eu e outros eventuais abnegados possamos ter contribuído, Carlos Molinari realiza um sonho, que é seu e de uma enorme legião de alvirrubros e fãs do futebol. Os 100 anos do Bangu estão aqui, e isso nenhuma má administração, nenhuma omissão da mídia, nenhum preconceito em relação ao clube pode rasgar. Graças a Carlos Molinari, mais do que nunca, o Bangu tem também a sua história, suas glórias, enchendo seus fãs de alegria. Devidamente documentadas.

Celso Unzelte
autor do "Livro de Ouro do Futebol" e "Almanaque do Timão".

          
Livros
 
Estatísticas 2017
 
Jogos 13
Vitórias 3
Empates 3
Derrotas 7
Gols Pró 12
Gols Contra 23
Saldo de Gols -11
Aproveitamento 31%
Artilheiros 2017
 
Loco Abreu 3
Raphael Augusto 3
Leandro Chaves 1
João Guilherme 1
Guilherme 1
Carlinhos 1
Anderson Penna 1
Hygor Guimarães 1