Fundado em 17 de abril de 1904
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Livros » O Livro dos Craques
 
Apresentação

 
LETRA B
 

BIANCHINI
Nome: Adhemar Bianchini de Carvalho
Nascimento: 28/9/1940       Falecimento: 27/10/2005
Período: 1960 a 1964
Posição: Atacante
Jogos: 153 (77 v, 38 e, 37 d)
Aproveitamento: 63%
Gols: 81
Expulsões: 1
Estreia: Bangu 3 x 2 Flamengo (29/5/1960)
Despedida:Bangu 1 x 3 Fluminense (20/12/1964)

Natural de Cordeiro, interior do Estado do Rio, Bianchini chegou ao Bangu em 1960 e logo começou a aproveitar as chances que lhe eram dadas. Como os titulares participavam do Torneio de Nova York, o time disputou as primeiras rodadas do Campeonato Carioca daquele ano com os aspirantes. Não conseguiu grande coisa, mas o camisa 9 começava a se destacar, marcando, inclusive, um gol diante do São Cristóvão.
Em 1961, ele podia se orgulhar de estar entre os titulares do time banguense e embarcar para uma excursão de cem dias ao redor do mundo. Pode parecer inacreditável, mas até o fim de sua vida, Bianchini se orgulhava de ter feito dois gols no Barcelona, em pleno Camp Nou, na derrota alvirrubra por 4 x 3.
Amargou vários jogos na reserva em 1962, mas logo atingiria a consagração em 1963, quando foi coroado artilheiro do Campeonato Carioca, com 18 gols. Note-se que na equipe comandada por Tim, Bianchini sequer era o cobrador oficial dos pênaltis. Incumbência que ficava nos pés de Parada. O Bangu, no entanto, fracassou nas rodadas derradeiras e terminou o ano em terceiro lugar.
Em 1964, o time continuou nas “cabeças” do Campeonato, mas novamente teve que se contentar com a derrota no final, sendo vice-campeão, ao perder para o Fluminense por 3 x 1, de virada. Curioso que, ao findar o 1º tempo, o Bangu vencia por 1 x 0, com um gol de Bianchini, mas entregou o título na etapa final. Depois desta desilusão, o atacante foi vendido para o Botafogo no início de 1965, numa negociação em que o América do México, que também estava interessado no atacante, acabou ficando com o botafoguense Arlindo, como espécie de compensação. Para Bianchini, a transação foi extremamente lucrativa, ganhando 10 milhões de cruzeiros de luvas e conseguindo um salário de 200 mil por mês. O craque disputou duas temporadas com a camisa alvinegra, sendo convocado para uma excursão com a Seleção Brasileira em 1965, quando fez seus três únicos jogos com a “amarelinha”, contra Argélia, Portugal e Suécia.
Depois de sair do Botafogo, foi vendido para o Vasco, onde jogou entre 1967 e 1969, sendo emprestado ao final do primeiro ano, para o Atlético Mineiro. Ao terminar seu contrato em São Januário, Bianchini foi negociado com o Flamengo, que o cedeu para Sport Recife no primeiro semestre de 1970. Regressou a Gávea, mas atuou pouco com a camisa rubro-negra. Jogou ainda pelo Red Star (França), Puebla (México), até encerrar a carreira em 1971 no São José, do interior paulista.
A fama no esporte ajudou na carreira política, conseguindo o mandato de vereador em sua cidade natal. Faleceu aos 65 anos, durante uma cirurgia no hospital de Nova Friburgo.
Marcou 81 gols pelo Bangu em apenas 153 jogos, o que lhe dá uma média superior a um gol a cada duas partidas disputadas.

Todos os gols de Bianchini pelo Bangu:
América (6), São Cristóvão (5), Fluminense (5), Botafogo (4), Madureira (4), Sergipe (3), Bonsucesso (3), Olaria (3), Vasco (3), Canto do Rio (3), Bahia (2), Barcelona-ESP (2), Flamengo (2), Sampaio Corrêa (2), Selecionado de Cochabamba-BOL (2), Selecionado do Atlântico-COL (2), Minas (2), Esportiva Guaratinguetá (2), Young Boys-SUI (2), Campo Grande (2), Banfield-ARG (2), Náutico (2), Campinense (1), Ceará (1), Sporting-POR (1), Austria Wien-AUT (1), Staevnet-DIN (1), Karlsruhe-ALE (1), Paysandu (1), Sul-América (1), Seleção da Colômbia (1), Barcelona-EQU (1), Emelec-EQU (1), Hannover-ALE (1), Alemannia Aachen-ALE (1), Selecionado de Edmonton-CAN (1), Universitário-PER (1), São Paulo (1), Portuguesa (1), Nacional-AM (1).



BABY
Nome: Valcinei Coelho Leite
Período: 1985 a 1987
Posição: Lateral-esquerdo
Jogos: 65 (31 v, 26 e, 8 d)
Gols: 1
Baby veio das categorias de base do próprio clube e explodiu no momento certo: durante o Campeonato Brasileiro da 1ª Divisão de 1985. O Bangu foi vice-campeão e Baby ganhou a Bola de Prata de Placar como o melhor lateral-esquerdo da competição. Sua carreira promissora, no entanto, terminou quando o Bangu tentou vendê-lo ao Vasco. Um exame do coração apontou uma aceleração incomum. O Fluminense também tentou contratá-lo, mas desistiu do negócio depois de exames apontarem problemas no joelho do jogador. Sem espaço em Moça Bonita – a vaga na lateral-esquerda já estava sendo ocupada por Racinha -, Baby acabou indo parar no Madureira e depois no Campo Grande.



BAHIANO
Nome: João Oliveira
Período: 1926 a 1939
Posição: Centroavante
Jogos: 63 (24 v, 8 e, 31 d)
Gols: 48
Com uma média de gols impressionante, Bahiano foi uma das sensações da equipe de 1926. O ex-atacante do Fidalgo de Madureira tinha apenas 18 anos e um exímio “faro de gol”. No ano seguinte, infelizmente, estaria vestindo a camisa do Syrio Libanez. Verdadeiro nômade, depois foi jogar no Vila Isabel, Andarahy, Retiro (MG), Madureira e Bahia. Já veterano, retornou ao clube em 1938, vindo do Olaria, para ser o artilheiro do Torneio Municipal daquele ano, com 18 gols. Viveu seu grande dia na vitória por 3 x 2 sobre o Flamengo, na Rua Ferrer, quando marcou os três gols banguenses. A artilharia máxima do Torneio mexeu com os torcedores, que organizaram um livro de ouro para arrecadar uma grana extra para Bahiano. No ano seguinte, foi a vez de Bahiano impactar os paulistas ao marcar os dois gols da vitória alvirrubra sobre o Corinthians por 2 x 1, em pleno Parque São Jorge.



BAIANO
Nome: Jorge da Silva Martins
Período: 1977 a 1978
Posição: Volante
Jogos: 35 (13 v, 5 e, 17 d)
Gols: -
Ex-jogador do América (RJ), o volante Baiano disputou apenas as temporadas de 1977 e 1978 pelo Bangu. Depois foi jogar no Brasília (DF).



BAIANO
Nome: Paulo César Paula Rodrigues
Período: 1995 a 1996
Posição: Zagueiro
Jogos: 26 (7 v, 8 e, 11 d)
Gols: -
Zagueiro de poucos recursos técnicos, Baiano jogou duas temporadas pelo Bangu.



BAIANO
Nome: -
Período: 1999
Posição: Volante
Jogos: 3 (2 e, 1 d)
Gols: -
Formado no clube e morando no alojamento do próprio estádio de Moça Bonita, o jovem volante Baiano jogou apenas três partidas pelo Campeonato Brasileiro da 3ª Divisão, em 1999, no lugar do titular Douglas Silva.



BAIANO
Nome: Janderson Rodrigues Bahia
Período: 2008 a 2011
Posição: Lateral-esquerdo
Jogos: 33 (18 v, 8 e, 7 d)
Gols: 4
O bom lateral-esquerdo Baiano veio junto com o técnico Antônio Carlos Roy para a disputa do Campeonato Carioca da 2ª Divisão em 2008. Foi campeão e depois foi jogar no Madureira. Regressou ao Bangu no segundo semestre de 2011 para participar da Copa Rio.



BAIANO
Nome: Rafael Andrade Gonçalves
Período: 2009
Posição: Meio-campo
Jogos: 1 (1 v)
Gols: -
Baiano jogou apenas uma vez entre os profissionais, substituindo o titular Rodrigo Calmon numa vitória sobre o Aperibeense (2 x 0), em Moça Bonita.



BALEIRO
Nome: Amaro da Arimathéa Manhães Batista
Nascimento: 21/5/1916       Falecimento: ??/??/????       
Período: 1940 a 1944
Posição: Atacante
Jogos: 114 (27 v, 16 e, 71 d)
Aproveitamento: 30%
Gols: 46
Expulsões: -
Estreia: Bangu 2 x 3 São Cristóvão (19/5/1940)
Despedida:Bangu 4 x 5 Bonsucesso (29/10/1944)

Baleiro fazia jus ao apelido que ganhou. Antes de ser jogador de futebol profissional, era vendedor de balas em um cinema. Descoberto pelo Andaraí, Baleiro estava no Madureira quando o Bangu o contratou para a temporada de 1940. Artilheiro nato, logo na estreia, marcou um gol sobre o São Cristóvão.
Aliás, seu forte era mesmo marcar gol sobre o São Cristóvão. Naquele mesmo ano, atuando no estadinho da Figueira de Melo, ele marcou os três gols da vitória banguense por 3 x 2, curiosamente todos no primeiro tempo da partida.
Em 1941, no entanto, foi para o América, mas voltou em 1942, ficando no clube até 1944, ganhando o título do Torneio da Imprensa de 1943.
Mantendo a fama de goleador, na sua última partida, contra o Bonsucesso, anotou outros dois gols. Em 1945 foi vendido ao São Cristóvão, encerrando a carreira no clube “cadete”.
Segundo a revista O Globo Sportivo, que avaliou o craque, Baleiro caracterizava-se “pela rapidez, pela malícia, pelo profundo conhecimento do Association. Sabendo ser virtuoso quando o placar dá margem para tal”.
Depois que parou com o futebol, virou motorista do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio.



BARATA
Nome: João Vilela
Período: 1938
Posição: Meio-campo
Jogos: 2 (1 v, 1 d)
Gols: -
Barata jogou apenas duas partidas pelo Torneio Municipal de 1938.



BARBATANA
Nome: João Lacerda Filho
Período: 1951 a 1953
Posição: Meio-campo
Jogos: 28 (12 v, 6 e, 10 d)
Gols: -
Vindo do Metalusina (MG), Barbatana jogou pelo Bangu no início dos anos 50 e depois foi para o Atlético Mineiro. Atuou também no América Mineiro e foi um famoso técnico de futebol, obtendo boas passagens no comando do “Galo”.



BARBIROTO
Nome: Antônio Barbeirotti Júnior
Período: 1988 a 1989
Posição: Goleiro
Jogos: 3 (2 e, 1 d)
Gols sofridos: 6
Barbiroto tinha feito fama como goleiro reserva do São Paulo em meados dos anos 80. Quando chegou ao Bangu, no entanto, estava no Joinville. Durante todo o Campeonato Brasileiro da 1ª Divisão de 1988 ficou na reserva do gigante Palmieri. Sua carreira em Moça Bonita terminou quando falhou em dois gols numa partida contra o Flamengo, no Maracanã, em que o Bangu perdeu por 4 x 2, pelo Campeonato Carioca de 1989. Daí, foi jogar no Bragantino.



BARCELLOS
Nome: José Barcellos
Período: 1927
Posição: Atacante
Jogos: 21 (6 v, 3 e, 12 d)
Gols: 19
Barcellos disputou apenas o Campeonato Carioca de 1927 pelo Bangu, antes de ir jogar no Andaraí. Mas conseguiu superar o artilheiro Ladislau em número de gols naquele ano, sagrando-se vice-artilheiro, atrás apenas de Nilo, do Botafogo.



BARCELLOS
Nome: -
Período: 1936
Posição: Meio-campo
Jogos: 1 (1 d)
Gols: -
Jogou apenas uma vez: na derrota para o Madureira por 3 x 1, pelo Campeonato Carioca de 1936.



BARRILLOTTI
Nome: Antônio Barrillotti
Período: 1935
Posição: Centroavante
Jogos: 4 (1 v, 2 e, 1 d)
Gols: 3
Vindo da Associação Atlética São Bento (SP) para jogar no Bangu, Antônio Barrillotti fez apenas quatro partidas. No entanto, marcou três gols. Depois voltou para São Paulo para atuar no Palestra Itália.



BASTINHO
Nome: -
Período: 1963
Posição: Atacante
Jogos: 2 (1 e, 1 d)
Gols: -
Atacante dos juvenis, Bastinho, vindo do time amador de Pedro Leopoldo (MG), jogou apenas o Torneio Início de 1963 pela equipe principal do Bangu.


BATALHA
Nome: José Lodi Batalha
Período: 1929
Posição: Goleiro
Jogos: 1 (1d)
Gols sofridos: 4
Ex-goleiro do Flamengo, Batalha participou de apenas um amistoso com a camisa do Bangu. Sofreu quatro gols e desistiu de defender o clube em 1929.



BATATA
Nome: Anderson Albuquerque de Souza
Período: 2008
Posição: Meio-campo
Jogos: 1 (1 d)
Gols: -
Batata jogou apenas uma vez: substituindo o meia Gleison na derrota para o Aperibeense por 1 a 0 pelo Campeonato Carioca da 2ª Divisão em 2008. Como a carreira não decolou nos gramados, virou atleta de futebol society.



BAUER
Nome: Aderbal Teixeira da Cunha Filho
Período: 1970 a 1972
Posição: Lateral-esquerdo
Jogos: 66 (20 v, 19 e, 27 d)
Gols: -
Vindo do Fluminense, Bauer foi o dono da lateral-esquerda do Bangu entre 1970 e 1972.



BELACOSA
Nome: Waldemar Belacosa Marigati
Período: 1950
Posição: Zagueiro
Jogos: 2 (1 e, 1 d)
Gols: -
Belacosa veio do Corinthians, mas teve apenas duas chances de atuar entre os titulares do Bangu em 1950. Jogou também no Botafogo e no Juventus (SP).



BELISÁRIO
Nome: Nelson da Conceição Belisário
Nascimento: 28/1/1956      
Período: 1975 a 1979
Posição: Lateral-esquerdo
Jogos: 144 (44 v, 47 e, 53 d)
Aproveitamento: 46%
Gols: 3
Expulsões: 1
Estreia: Bangu 0 x 1 Madureira (26/7/1975)
Despedida:Bangu 1 x 0 Portuguesa (3/11/1979)

Revelado pelo próprio clube, o baixinho Belisário foi promovido aos profissionais em 1975 e logo, fez com que Hamílton, o antigo titular da lateral-esquerda, fosse transformado em ponta-esquerda.
Versátil, atuava também como lateral-direito, quando requisitado. Foi campeão do Torneio Hilton Gosling, em 1977, disputado somente entre as equipes pequenas do Rio de Janeiro. Na decisão por pênaltis contra o Madureira, Belisário deixou o seu gol.
Começou a perder espaço a partir de 1979, com a rápida ascensão do jovem Cacau na lateral-esquerda. Quando Castor de Andrade reassumiu o comando do clube, em 1980, Belisário ainda continuou no elenco, mas ao término do Campeonato Brasileiro (onde não jogou nenhuma vez), acabou dispensado, indo, assim, para o Colatina (ES). No entanto, nas cinco temporadas anteriores, mesmo com o Bangu vivendo um período de “vacas magras”, ele conseguiu relativo sucesso.



BELMIRO
Nome: Belmiro Vieira Fernandes
Período: 1926
Posição: Meio-campo
Jogos: 10 (7 v, 2 e, 1 d)
Gols: -
Vindo do Celeste A. C. (RJ), Belmiro foi reserva de César Jorge no Campeonato Carioca de 1926. Como não vingou na Rua Ferrer, foi jogar no Sport Club Iguassu. Faleceu precocemente em 1937.



BENEDICTO
Nome: Benedicto Dantas
Período: 1915 a 1921
Posição: Atacante
Jogos: 41 (19 v, 4 e, 18 d)
Gols: 15
Benedicto tem um lugar único na história do Bangu. Em janeiro de 1917 ele se tornou o primeiro jogador banguense a ser convocado para a Seleção Brasileira. Um dos destaques do time no Campeonato Carioca de 1916, Benedicto jogou apenas uma vez pela Seleção: no empate de 0 x 0 com o Dublin, time uruguaio que excursionava pelo Rio. Em 1918, foi jogar no América (RJ). Em abril de 1921, sofreu um grave acidente de trem na Serra do Mar. A composição se estapifou nas montanhas, Benedicto conseguiu sobreviver, mas faleceu em dezembro daquele ano, ainda em consequência do terrível acontecimento. Tinha apenas 23 anos.



BENEDICTO ROCHA
Nome: Benedicto Rocha
Período: 1908
Posição: Ponta-esquerda
Jogos: 3 (1 v, 2 d)
Gols: 1
Em 1908, nos primórdios do futebol, Benedicto Rocha estreou jogando duas partidas no mesmo dia. Primeiro, atuou na preliminar de 2os times e marcou um gol sobre o Botafogo. Como o titular faltou, Benedicto voltou a campo para jogar por mais 80 minutos na partida de 1os times. Curiosamente, voltou a marcar um gol, agora sobre o elenco principal do Botafogo. Coincidentemente, os dois jogos terminaram com a vitória do alvinegro por 5 a 2. Logo, Benedicto viu suas chances entre os titulares do Bangu se escassearem e passou a atuar apenas no 2º time.



BENÍCIO
Nome: -
Período: 1969
Posição: Goleiro
Jogos: 4 (1 v, 3 d)
Gols sofridos: 8
Vindo do Madureira, Benício era a terceira opção no gol do Bangu, atrás de Zamboni e Devito. Ao menos, conseguiu fazer quatro partidas pelo Campeonato Carioca de 1969.



BENTO
Nome: Bento Paulo de Oliveira
Período: 1945
Posição: Goleiro
Jogos: 2 (1 v, 1 d)
Gols sofridos: 10
Vindo do Rio Branco (ES), a desastrosa carreira de Bento pelo Bangu terminou logo no segundo jogo. Também pudera, levou oito gols do Botafogo na derrota por 8 x 1 pelo Torneio Municipal de 1945 e jamais voltou a defender o arco banguense.


BERNARDO
Nome: Bernardo Langoni de Oliveira Matos
Período: 2013 a 2014
Posição: Atacante
Jogos: 8 (1 v, 2 e, 5 d)
Gols: 1
Destaque dos juniores, o atacante Bernardo foi lançado precocemente entre os profissionais num momento de crise. Chegou a marcar um gol diante do Boavista, mas ainda é muito jovem para ser a solução do ataque banguense.



BERTINHO
Nome: -
Período: 1976
Posição: Meio-campo
Jogos: 5 (2 e, 3 d)
Gols: -
Bertinho participou como titular de algumas partidas do Torneio Valdir Benevento, em 1976, sem agradar.



BETO
Nome: Carlos Alberto de Macedo Ramalho
Nascimento: 6/2/1937
Período: 1957 a 1965
Posição: Ponta-esquerda
Jogos: 241 (146 v, 54 e, 41 d)
Aproveitamento: 71%
Gols: 74
Expulsões: -
Estreia: Bangu 2 x 1 Três Pontas (29/6/1957)
Despedida:Bangu 0 x 0 América (7/9/1965)

Beto e seu irmão Luís Carlos foram preparados nas categorias de base do Bangu dos anos 50 para explodirem como craques nos profissionais. Beto, menos cotado do que o mano mais velho, no entanto, teria uma imensa responsabilidade: substituir o craque Nívio na ponta-esquerda a partir de 1958.
Se esta era sua missão, pode-se dizer que ele a executou com êxito. Em 1959, sob o comando de Tim, ajudou o Bangu a ser vice-campeão carioca. E em 1960, durante o torneio de Nova York, Beto era o titular absoluto da camisa 11 na maior conquista internacional do clube.
Durante uma excursão ao Canadá, em 1963, anotou cinco gols na goleada alvirrubra sobre a seleção de Edmonton por 9 x 1, o que é um recorde individual até hoje. 
Porém, tantos anos vestindo o vermelho e branco não foram suficientes para que ele mantivesse a posição num duelo particular contra Mateus durante o Campeonato Carioca de 1963.
Em 1964, Beto foi parar no Fluminense, mas teve pouquíssimas chances de atuar entre os titulares devido a uma contusão e regressou ao Bangu em 1965. Depois de uma carreira de muito sucesso, no entanto, parecia não haver mais espaço para ele em Moça Bonita. Antes de parar definitivamente, ainda jogou na Esportiva Guaratinguetá e no Bonsucesso.
Era melhor mudar de vida. Foi estudar e formou-se em Direito.



BETO
Nome: Carlos Alberto Rodrigues
Período: 1969
Posição: Lateral-esquerdo
Jogos: 5 (1 v, 1 e, 3 d)
Gols: -
Vindo para o Bangu por empréstimo, Beto conseguiu jogar somente enquanto o lateral-esquerdo titular, Pedrinho, esteve contundido durante a Taça Guanabara de 1969. Depois, voltou para a Portuguesa da Ilha do Governador.



BETO
Nome: José Roberto Martins da Silva
Período: 1999 a 2010
Posição: Meio-campo
Jogos: 68 (31 v, 14 e, 23 d)
Gols: -
Expulsões: 1
O meia Beto era uma das promessas da categoria de Juniores do Bangu. De origem humilde, morava nos alojamentos do próprio estádio de Moça Bonita e antes mesmo de ter um contrato como jogador profissional, já disputava partidas pelo time de cima. O tempo, porém, mostrou que Beto era apenas raçudo, esforçado, mas não seria nenhum craque. Saiu do clube em 2003, e retornou em 2008 para ser o capitão do time que ganhou o Campeonato Carioca da 2ª Divisão. Reapareceu outra vez em Moça Bonita durante a Copa Rio de 2010. Atuou também pelo Resende.



BIANOR
Nome: José Fabiano Silva dos Santos
Período: 1998
Posição: Meio-campo
Jogos: 2 (2 d)
Gols: -
Jogou apenas duas partidas pelo Campeonato Carioca de 1998, não agradou e jamais teve outras chances. Atuou também no Santa Cruz (PE) e no ASA (AL).



BIBI
Nome: Ubirajara de Oliveira
Período: 1956
Posição: Zagueiro
Jogos: 2 (2 d)
Gols: -
Zagueiro vindo do Bonsucesso, Bibi atuou apenas duas vezes pelo Campeonato Carioca de 1956. Perdeu ambas.



BICAS
Nome: Paulo Silva
Período: 1968 a 1973
Posição: Lateral-direito
Jogos: 17 (4 v, 6 e, 7 d)
Gols: -
Bicas era o terceiro reserva da lateral-direita banguense quando começou: atrás de Fidélis e Cabrita. Conforme os titulares foram saindo, assumiu a posição, mas jamais conseguiu agradar.



BIEL
Nome: Gabriel Lupo Filho
Período: 1973
Posição: Ponta-direita
Jogos: 17 (3 v, 5 e, 9 d)
Gols: 1
O ponta-direita Biel jogou algumas partidas durante a temporada de 1973, muitas vezes entrando no decorrer dos jogos.



BIGUÁ
Nome: Euclides de Almeida
Período: 1943 a 1945
Posição: Meio-campo
Jogos: 10 (3 v, 3 e, 4 d)
Gols: -
Apesar de atuar na mesma posição, ter o mesmo apelido e jogar na mesma época, o Biguá do Bangu não era o mesmo que o famoso Biguá do Flamengo. Sua carreira foi bem menos curta, apenas sete jogos em três temporadas.



BILULU
Nome: Adolpho Pires de Almeida
Período: 1944 a 1947
Posição: Zagueiro
Jogos: 98 (28 v, 7 e, 63 d)
Gols: -
Expulsões: 3
Vindo do Fluminense, o zagueiro Bilulu passou quatro temporadas no Bangu. Numa delas, em 1946, com a saída do treinador Plácido Monsores (que foi para o Madureira), Bilulu assumiu o comando da equipe até o final do ano. Curiosamente não deixou de entrar em campo e desempenhar suas funções na zaga.



BIMBA
Nome: Vânder Bezerra de Vasconcelos
Período: 1988 a 1994
Posição: Lateral-direito
Jogos: 77 (22 v, 37 e, 18 d)
Gols: 2
Expulsões: 2
Cria das categorias de base do clube, Bimba foi promovido aos profissionais pelo técnico Zagalo em 1988. No ano seguinte, no entanto, foi parar no Bonsucesso. Em 1992, atuava pelo Campo Grande quando, enfim, foi recontratado pelo Bangu, ficando em Moça Bonita até o final da temporada de 1994. Atuou também pelo Rubro (RJ), Atlético Sorocaba (SP) e Ponte Preta.



BIRA
Nome: -
Período: 1996
Posição: Atacante
Jogos: 1 (1 v)
Gols: -
Entrou em campo apenas uma vez: substituindo o atacante Wallace, na vitória por 3 x 2 sobre o Olaria pela Taça Cidade Maravilhosa 1996.



BITUCA
Nome: Benedito Silva Gomes
Período: 1936 a 1941
Posição: Ponta-esquerda
Jogos: 86 (30 v, 8 e, 48 d)
Gols: 17
Versátil, Bituca – que veio da Portuguesa (RJ) - conseguia atuar tanto na ponta-esquerda quanto na ala direita. Assim, conseguiu disputar seis temporadas completas pelo Bangu.



BIZU
Nome: Cláudio Tavares Gonçalves
Período: 1982
Posição: Centroavante
Jogos: 8 (1 v, 4 e, 3 d)
Gols: 2
Quando ainda estava começando sua carreira, Bizu foi contratado junto ao Blumenau para jogar o Campeonato Carioca de 1982 pelo Bangu. O atacante fez apenas dois gols em oito jogos. Bizu só iria se destacar mesmo com outra camisa alvirrubra: a do Náutico, no final dos anos 80. Atuou também no CSA, Palmeiras, Sport e Ceará.



BOB
Nome: Rodolpho Schvandt
Período: 1943
Posição: Ponta-esquerda
Jogos: 1 (1 e)
Gols: -
Disputou apenas uma partida de 20 minutos contra o Vasco (0 x 0), válida pelo Torneio Início de 1943.



BOBY
Nome: -
Período: 1946
Posição: Goleiro
Jogos: 1 (1 d)
Gols sofridos: 7
A carreira do goleiro Boby, vindo dos Juvenis, acabou no seu primeiro jogo. Logo de cara, levou uma goleada do Flamengo por 7 x 1 e nunca mais jogou.



BOLACHA
Nome: Carlos Roberto Gonçalves Dias
Período: 1968
Posição: Atacante
Jogos: 8 (4 v, 2 e, 2 d)
Gols: -
Reserva de Dé, Bolacha veio do São José (SP) e jogou algumas partidas pelo Campeonato Carioca de 1968, sem no entanto marcar gols.



BORÇATO
Nome: Jorge Henrique Pereira Borçato
Período: 1995 a 2000
Posição: Volante
Jogos: 46 (10 v, 23 e, 13 d)
Gols: -
Expulsões: 2
O volante Borçato, violento e barbudo, veio do Náutico, trazido pelo empresário Pedrinho Vicençote para disputar o Campeonato Carioca de 1995. Depois, passou por Madureira e Vasco e voltou a Moça Bonita no ano de 2000, quando teve que aceitar ficar no banco de reservas.



BOTELHO
Nome: Sérgio Botelho de Deus
Período: 1980 a 1981
Posição: Ponta-direita
Jogos: 8 (2 v, 1 e, 5 d)
Gols: -
Emprestado pelo Volta Redonda, Botelho nunca conseguiu desempenhar em Moça Bonita o bom futebol mostrado no time da Cidade do Aço. Acabou sendo devolvido ao Voltaço, onde manteve intacta sua fama de artilheiro.



BRAGA
Nome: Luiz Braga
Período: 1937
Posição: Atacante
Jogos: 13 (1v, 4 e, 8 d)
Gols: 2
Braga disputou apenas o Campeonato Carioca de 1937, sem conseguir agradar.



BRANCO
Nome: -
Período: 1993
Posição: Meio-campo
Jogos: 14 (6 v, 5 e, 3 d)
Gols: -
O meia Branco jogou durante o segundo semestre de 1993, participando de três competições diferentes.


BRÁS
Nome: Paulo Roberto Brás da Silva
Período: 2003
Posição: Goleiro
Jogos: 13 (5 v, 3 e, 5 d)
Gols sofridos: 16
O goleiro Brás foi contratado junto ao Americano para o Campeonato Carioca de 2003. Teve um desempenho apenas mediano.


BRASIL
Nome: Geminiano da Costa Carneiro
Período: 1927
Posição: Goleiro
Jogos: 3 (3 d)
Gols sofridos: 15
Vindo do Vila Isabel, o goleiro Geminiano, apelidado de “Brasil”, era reserva de Floriano e chegou a atuar em três partidas da temporada de 1927 (contra Ypiranga de Niterói, América e Flamengo). Em cada uma delas, levou cinco gols e jamais teve outras chances no time titular, indo jogar no Engenho de Dentro (RJ). O apelido “Brasil” derivava do fato de Geminiano trabalhar na Estrada de Ferro Central do Brasil.


BRAZ
Nome: Silvio Braz
Período: 1945
Posição: Meio-campo
Jogos: 11 (4 v, 7 d)
Gols: -
Vindo do São Cristóvão, o meia Braz disputou algumas partidas pelo Campeonato Carioca de 1945. Depois, foi jogar no time amador do Sampaio (RJ).


BRILHANTE
Nome: Alfredo Brilhante da Costa
Período: 1923
Posição: Meio-campo
Jogos: 16 (5 v, 4 e, 7 d)
Gols: -
Brilhante foi a grande revelação do Bangu no Campeonato Carioca de 1923. Destacou-se tanto que, no ano seguinte, já estava defendendo as cores do Vasco da Gama. Pelo time da Cruz-de-Malta viveu a melhor fase de sua carreira, inclusive, participando da Copa do Mundo de 1930 no Uruguai. Faleceu em 1980, aos 76 anos.


BRILHANTE
Nome: Altair Brilhante da Costa
Período: 1935 a 1936
Posição: Meio-campo
Jogos: 29 (9 v, 8 e, 12 d)
Gols: 1
O irmão mais novo de Brilhante, Altair, também atuou pelo Bangu como meia, já no regime profissionalista, e participou do Campeonato Carioca de 1935. Marcou um gol diante do Olaria. Em 1936, foi jogar no Deodoro.


BRITO
Nome: Anatólio José de Brito
Período: 1940 a 1947
Posição: Meio-campo
Jogos: 45 (12 v, 2 e, 31 d)
Gols: 2
Brito teve sua primeira chance num amistoso em 1940, quando ainda era jogador dos juvenis. No entanto, só foi efetivado como titular dos profissionais em 1945, permanecendo no elenco até 1947.


BRUNO BERA
Nome: Bruno Demétrio da Silva
Período: 2017
Posição: Volante
Jogos: 5 (1 v, 4 d)
Gols: -
Volante de poucos recursos, Bruno Bera veio do Novo Horizonte (GO) e não conseguiu sequer espaço no fraquíssimo time que o Bangu armou para o Campeonato Carioca de 2017.


BRUNO CARVALHO
Nome: Bruno Carvalho Guimarães
Período: 2011 a 2013
Posição: Atacante
Jogos: 24 (7 v, 5 e, 12 d)
Gols: 7
Trazido do Mesquita, Bruno Carvalho teve suas chances na Copa Rio de 2011 e no Campeonato Carioca de 2012, mas não conseguiu provar que era um grande artilheiro. Recuperou sua fama do outro lado do mundo, fazendo boas atuações pela BTV Cup de 2013, no Vietnã, onde o Bangu ficou em terceiro lugar e ele anotou três gols durante a campanha.


BRUNO GARCIA
Nome: Bruno Garcia Guimarães
Período: 2007
Posição: Goleiro
Jogos: 5 (4 v, 1 e)
Gols sofridos: 2
O goleiro Bruno Garcia, emprestado pelo Madureira, era o reserva de Jéferson durante a Copa Rio de 2007. Atuou também pelo CFZ (RJ), Macaé, Portuguesa (RJ), Democrata-GV (MG), Sendas (RJ), Friburguense e Goytacaz.


BRUNO LAZARONI
Nome: Bruno Amorim Lazaroni
Período: 2000 a 2004
Posição: Atacante
Jogos: 60 (15 v, 18 e, 27 d)
Gols: 5
Filho de Sebastião Lazaroni, técnico da Seleção Brasileira na Copa de 1990, Bruno veio para o Bangu através de empresários. Atuava como atacante, porém, raramente marcava gols. Com o passar do tempo foi recuando e passou a jogar como volante, onde se firmou melhor. Chegou a ser negociado com o Vasco ao término do Campeonato Carioca de 2002, mas voltou ao clube em 2004 para participar da campanha que rebaixou o Bangu para a 2ª Divisão do Carioca. Depois disso, foi jogar no futebol suíço. Atuou também no Atlético Sorocaba, União Barbarense, Portuguesa (SP), América (RJ) e no futebol português.


BRUNO LUIZ
Nome: Bruno Luiz de Almeida Rodrigues
Período: 2008 a 2017
Posição: Atacante
Jogos: 99 (46 v, 19 e, 34 d)
Gols: 38
Expulsões: 1
Bruno Luiz apareceu em Moça Bonita pouco antes do início do Campeonato Carioca de 2008, trazido pelo técnico Antônio Carlos Roy. Era a solução para o ataque alvirrubro. Goleador nato, Bruno Luiz marcou 11 vezes naquela competição e foi fundamental para que o Bangu conquistasse o título. Continuou no clube em 2009 e foi o artilheiro do time novamente na 1ª Divisão, desta vez com 8 gols. O clube, infelizmente, não conseguiu mantê-lo e ele foi jogar no Macaé. Regressou no segundo semestre de 2011 para continuar a balançar as redes dos adversários. Em 2014, tentou outro retorno, continuando no elenco até o término do Campeonato Carioca de 2015. Depois, foi vestir a camisa do ABC (RN). Na última vez que esteve no clube, em 2017, não rendeu bem, fez apenas dois gols e saiu sem deixar saudades, indo para o Bonsucesso.


BRUNO MEDEIROS
Nome: Bruno Ferreira de Medeiros
Período: 2013
Posição: Volante
Jogos: 6 (3 v, 2 e, 1 d)
Gols: -
Vindo das categorias de base do Botafogo por empréstimo, o volante Bruno Medeiros teve poucas chances de atuar durante a Copa Rio de 2013.


BRUNO MIRANDA
Nome: Bruno de Oliveira Miranda
Período: 2015 a 2016
Posição: Goleiro
Jogos: 6 (2 v, 4 d)
Gols sofridos: 11
O jovem goleiro reserva Bruno Miranda estreou numa partida oficial diante do Botafogo, quando o titular Márcio foi expulso. Inseguro e nervoso, levou logo três gols. Na partida seguinte, contra o Nova Iguaçu, continuou levando gols. Menos mal que o Bangu acabou vencendo por 3 a 2.


BRUNO PAZ
Nome: Bruno Paz dos Santos
Período: 2007
Posição: Lateral-direito
Jogos: 8 (4 v, 2 e, 2 d)
Gols: 1
Versátil, Bruno Paz jogava tanto na lateral-direita quanto no meio-campo. No entanto, teve pouquíssimas chances como titular no Bangu de 2007.


BRUNO SANTOS
Nome: Bruno dos Santos Félix
Período: 2006
Posição: Atacante
Jogos: 24 (9 v, 9 e, 6 d)
Gols: 2
Bruno Santos participou tanto da trágica campanha no Campeonato Carioca da 2ª Divisão de 2006, quanto no título do Torneio Seletivo. Mesmo assim, tem uma péssima média de gols para quem joga no ataque (um gol a cada 12 jogos). Atuou também no Miguel Couto.


BRUNO SANTOS
Nome: Bruno Luiz dos Santos
Período: 2010 a 2014
Posição: Lateral-esquerdo
Jogos: 69 (24 v, 19 e, 26 d)
Gols: 4
Expulsões: 1
O lateral Bruno Santos veio do CFZ (RJ) por empréstimo para a disputa do Campeonato Carioca de 2010. Chegou até a marcar um gol diante do Duque de Caxias, mas acabou perdendo a titularidade para Fabiano e voltou para o CFZ. Atuou também por Boavista e América (RJ), antes de regressar ao Bangu em 2012.


BRUNO SILVA
Nome: Bruno Antônio da Silva
Período: 2012
Posição: Zagueiro
Jogos: 7 (2 v, 3 e, 2 d)
Gols: -
Vindo do Rio Claro (SP), o zagueiro Bruno Silva compôs a delegação banguense que foi à Europa em 2012. Sequer voltou com os demais jogadores, foi logo negociado com o futebol húngaro e ficou por lá.


BRUNO SUZANO
Nome: Bruno Machado Suzano
Período: 1999 a 2011
Posição: Atacante
Jogos: 56 (17 v, 13 e, 26 d)
Gols: 6
Expulsões: 1
Bruno Suzano estreou nos profissionais em 1999 pelas mãos do técnico Alfredo Sampaio. Continuou no clube até a o final da temporada de 2002, mas jamais conseguiu se firmar no time titular. Voltou em 2005 para a disputa do Campeonato Carioca da 2ª Divisão e regressou ainda outra vez em 2010, sempre permanecendo no banco de reservas e entrando esporadicamente em campo. Jogou em diversos outros clubes do Rio de Janeiro: Mesquita, Angra dos Reis, Resende, Campo Grande e América.


BRUNO XAVIER
Nome: Bruno de Moura Valladares Porto
Período: 2006
Posição: Lateral-esquerdo
Jogos: 5 (2 v, 2 e, 1 d)
Gols: -
Emprestado pelo Madureira para a disputa do Campeonato Carioca da 2ª Divisão de 2006, o lateral Bruno Xavier pouco atuou pelo Bangu, voltando logo para o seu clube de origem. Depois, foi negociado com o futebol português. Regressou ao Brasil para jogar pelo Sergipe.



BUZA
Nome: Hemetério Fernandes de Almeida
Nascimento: ??/??/1908        Falecimento: 1/3/1943
Período: 1929 a 1936
Posição: Atacante
Jogos: 108 (49 v, 21 e, 38 d)
Aproveitamento: 55%
Gols: 26
Expulsões: -
Estreia: Bangu 2 x 4 Combinado Norte (17/3/1929)
Despedida:Bangu 2 x 4 Fluminense (5/1/1936)

Hemetério Fernandes de Almeida, chamado informalmente de “soldado Buza”, nasceu no Engenho de Dentro e dividia seu tempo entre a obrigação e o prazer. A obrigação, claro, era a sua função de soldado no Quartel de Artilharia de Campinho, em Jacarepaguá. O prazer era o futebol. Durante a década de 20, ele jogou no Mackenzie, depois no Central, participando de campeonatos menores do Rio de Janeiro.
Sua carreira começou a mudar quando foi chamado para defender o Bangu em 1929. Era a chance de se tornar conhecido, fazer o nome, só não era época de se ganhar dinheiro com o futebol: os times ainda eram amadores e não pagavam salários aos jogadores. Pagavam, no entanto, “bichos” por vitórias, além de proporcionar aos atletas algumas alegrias como as excursões interestaduais, que Buza nunca podia acompanhar por causa do trabalho no quartel. Em 1930, o Bangu foi a Salvador e a Recife, Buza, obviamente, não obteve dispensa para acompanhar a delegação banguense.
Versátil, Buza atuava tanto como ponta-direita quanto meia-esquerda. Seu bom futebol o manteve entre os titulares desde sua estreia até 1932. Uma curiosidade quase incrível é que em muitos finais de semana coincidia de ele estar de plantão no quartel e ter jogo do Bangu. Não pestanejava, fugia e ia vestir a camisa vermelha e branca. Quando voltava, já sabia: era punição na certa, muitas vezes com os rigores de uma prisão em cela comum.
Não adiantava muita coisa. Com a conivência de um sargento, torcedor fanático do Bangu, Buza conseguia fugir e aparecia na Rua Ferrer pouco antes do jogo começar.
Em 1933, com a implantação do profissionalismo no futebol, ele até poderia deixar o quartel e se dedicar exclusivamente ao clube. Mas, optou por permanecer no amadorismo e continuar no Exército. Infelizmente, já não havia vaga entre os titulares para Buza. Na ponta-direita despontava Sobral. Na meia-esquerda estava o habilidoso Plácido. Por isso, na histórica campanha do título de 1933, Buza aparece apenas em dois jogos. Na vitória sobre o Bonsucesso por 4 x 3 (marcando inclusive um gol) e no empate em 2 x 2 com o Flamengo, atuando deslocado na ponta-esquerda.
Depois, com a chegada de Orlandinho, aí que as chances de Buza cessaram de vez. Melhor para o Exército brasileiro, que ganhava um soldado mais disciplinado. Em 1934, vestiu a camisa do Bangu apenas uma vez.
Em 1935, livre das obrigações militares, Buza voltou a defender o Bangu no Campeonato Carioca daquele ano, agora como profissional. Fez sua última partida no início de 1936, perdendo para o Olaria, por 4 x 2. Depois disso, abandonou o futebol e foi trabalhar como fiscal da Viação Brasil, cuja garagem ficava na Praça Paris.     
E foi com os amigos da Viação Brasil que Buza partiu, sem saber, para sua última noitada, num domingo, 28 de fevereiro de 1943. A história é contada pela sessão policial do Jornal do Brasil:
“Na madrugada de domingo verificou-se uma cena de sangue à saída do Casino Atlântico e da qual foram protagonistas Hemetério Fernandes de Almeida, mais conhecido pela alcunha de “Buza”, gerente de uma empresa de ônibus, e o fiscal de jogo Genaro Ribeiro Gama.
Segundo o que consta do auto de prisão, Hemetério, que se achava um tanto alcoolizado, no Grill-room do aludido Casino, teria dirigido uma pilhéria à noiva do fiscal Gama, que com esta se achava numa mesa próxima, o que já havia motivado um incidente entre Hemetério e um irmão da moça em questão.
Pela madrugada, Hemetério saía do Casino quando foi interpelado pelo fiscal Gama. Estabeleceu-se entre amobs uma rápida discussão em dado momento, o fiscal Gama sacou de uma arma e alvejou “Buza”, atingindo-o no abdômen.
O criminoso foi preso em flagrante e conduzido à delegacia local, e a vítima conduzida ao Hospital Miguel Couto, onde ficou internada.
À noite, a vítima, não resistindo à gravidade das lesões recebidas, veio a falecer no hospital, sendo o corpo removido para o Necrotério do Instituto Médico Legal”.
Buza deixou três filhos – Luiz Paulo, Hélio e Neide. Os dois rapazes, coincidentemente, também foram para o Exército, onde trilharam uma carreira muito mais disciplinada que o pai.

          
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83