Fundado em 17 de abril de 1904
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos

12/09/1926 - BANGU 0 x 2 SÃO CRITÓVÃO

FICHA TÉCNICA
Competição:
Campeonato Carioca
Local:
Rua Ferrer
Árbitro:
José Ramos de Freitas
Mattos, Luiz Antônio e Áureo; César, Arno e Zé Maria; Christolino, Ladislau, Fausto, Bahiano e Plínio.
Paulino, Povoas e Zé Luiz; Júlio, Henrique e Alberto; Oswaldo, Octávio, Vicente, Arthur e Theóphilo.
No 1º tempo: Vicente. No 2º tempo: Arthur.

. . . . . . . . . . . . . . .

Foi linda a partida entre estes dois clubes, levada a efeito anteontem no campo do Bangu.

Ótima técnica, perfeito equilíbrio, máxima lealdade e ótima atuação do juiz foram os elementos que concorreram para que o jogo fosse um dos melhores do presente campeonato.

Venceu o São Cristóvão, como poderia ter vencido o Bangu. A chance foi-lhe mais propícia e isto é tudo.

Num prélio desta ordem, onde o assistente se extasia ante uma técnica impecável, não é justo salientar nomes. Todos os elementos em campo agiram otimamente.

A partida foi arbitrada com grande felicidade e competência pelo sr. José Ramos de Freitas, do S. C. Brasil.

Para a partida principal as equipes apresentaram-se constituídas da seguinte
forma:

Bangu - Mattos, Luiz Antônio e Áureo; César, Arno e Zé Maria; Christolino, Ladislau, Fausto, Bahiano e Plínio.

São Cristóvão - Paulino, Povoas e Zé Luiz; Júlio, Henrique e Alberto; Oswaldo, Octávio, Vicente, Arthur e Theóphilo.

Iniciado que foi, logo se notou no prélio o equilíbrio patente de forças.
Ambos os quadros se empregavam com cautela, a fim de conseguir a abertura do score.

Durante o primeiro tempo, o clube local atacou mais vezes, obrigando a defesa sãocristovense a desenvolver o máximo da sua atividade no sentido de não ser vazada a sua cidadela.

Nos últimos minutos, entretanto, os visitantes começaram a desenvolver uma técnica apreciável, o que lhes valeu a conquista, por Vicente, de um passe de Arthur, do primeiro ponto.

Os banguenses quiseram reagir, mas poucos minutos faltavam para o término da primeira fase, que se esgotou com o score de 1 x 0 favorável ao São Cristóvão.

O segundo tempo caracterizou-se por um revezamento de ataques, em que cada um dos contendores pretendia chamar a si o domínio da pugna.

Para maior beleza desta, não foi isto conseguido por nenhum, equilibrando-se a contenda até o seu termo.

Já no final, faltando apenas um minuto para ser dada a luta por terminada, Arthur conseguiu burlar a vigilância dos full-backs contrários e marcar o segundo gol para as suas cores, findando-se a bela peleja com o score de 2 x 0 favorável ao clube da rua Figueira de Melo.

Faltando treze minutos para expirar o tempo regulamentar, Octávio foi substituído por Doca.

Como o juiz Ramos de Freitas apreciou o jogo Bangu x São Cristóvão "Deu-me o Bangu A. Club mais uma vez, motivo para elogiá-lo com abundância de sinceridade. Partida jogada com extremo interesse em que de um lado estava o empenho moral de vencer para evitar a voz da maledicência e de outro, a vontade de conseguir a glória do supremo título. Nem por um momento, em fases as mais acesas e empolgantes, os componentes dos quadros que se defrontaram, lançaram mão dos recursos contrários à disciplina, à lealdade para conquistar o resultado material almejado.

Derrotados os amadores do tradicional Bangu, que se esforçaram tenazmente para conseguir a vitória, dando exemplo concreto de que não se entregaram ao adversário, aliás mantiveram ainda assim, espelho de disciplina, uma conduta honrosa e digna do nome de seu grêmio.

Não foi diferente a conduta dos vencedores, que se mostraram dignos, em sentimentos nobres, do adversário.

Relato nestas impressões dois gestos que nobilizam seus autores: um de Luiz Antônio, o veterano sportman, modelo perfeito de correção e sinceridade, que tendo recebido um foul de seu colega Octávio de Almeida, não trepidou um momento em aceitar as escusas deste, abrançando-o e apertando-lhe a mão.
Outro o do consagrado Guilherme Pastor, que ao terminar a competição, entrou em campo, acompanhado de outro diretor, diante da multidão, quase sempre injusta, abraçou-me demoradamente.

Dizem, srs. Membros da Comissão Executiva, que existe pedras e que há pedradas no campo do Bangu A. Club, eu, no entanto, só vi flores e flores sem espinhos".

Ramos de Freitas - juiz oficial.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83