Rio de Janeiro, terça-feira, 21 de novembro de 2017 - 04h31min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos
Conselheiro Galvão 24 de agosto de 1947


Uma grande vitória alcançada por um time pouco confiável. Da esquerda para a direita, fila de cima: Sula, Bilulu, Rossari, Marmorato, Maurício e Januário. Agachados: Sonô, Calixto, Moacir Bueno, Menezes e Ubirajara.

Em 1947, o Bangu tinha um técnico muito popular: José Ferreira Lemos, apelidado de “Juca da Praia”. Tinha sido árbitro por muito tempo, e foi considerado o juiz nº 1 da Federação Metropolitana. Mas, como treinador, Juca deixava a desejar, apesar de toda a sua “malandragem”.

O time também não ajudava. Era bastante fraco. A tabela do Campeonato Carioca também não favorecia. Nas três primeiras rodadas, jogos contra Botafogo, Vasco e Fluminense. Resultado: três goleadas.

Assim, a chance de uma recuperação viria na quarta rodada, contra o Madureira, em Conselheiro Galvão. O Madureira também não pontuara – perdera para o Fluminense e para o América. Por isso, o encontro era visto pelos dois times como a chance de pontuar pela primeira vez.

Logo aos 6 minutos, o atacante Calixto, recebendo um passe de Moacir Bueno, abriu a contagem para os banguenses.

O Madureira se abateu e passou a ser dominado. Aos 16 minutos, outro gol do Bangu. Desta vez, foi Menezes quem balançou as redes, conferindo um escanteio cobrado por Sonô. Com 2 a 0 no placar a situação parecia cômoda para o time de Juca.

Mas o Madureira tinha um jogador de muito talento, jovem ainda, que sabia colocar seus companheiros na cara do gol. Chamava-se Didi e os grandes clubes estavam de olho no seu futebol primoroso.

Foi Didi quem deu o passe para Durval diminuir para 2 a 1, aos 32 minutos. E foi o mesmo Didi quem tocou para Cilinho, aos 41, empatar a partida, colocando por terra a boa vantagem dos banguenses.

No intervalo, Juca colocou ordem na casa e o Bangu voltou melhor. Foi o suficiente para Moacir Bueno, aos 6 minutos, em jogada individual, chutar forte e vencer o goleiro Milton pela terceira vez.

As emoções estavam longe de cessar. Aos 25 minutos, surgiu o gol de empate do Madureira, novamente com Cilinho: 3 a 3.

Foi terrível aguentar a pressão do Madureira pelo quarto gol. Para nossa sorte, os atacantes desperdiçaram boas chances, falhando nos arremates.

Acuado, o Bangu conseguiu, aos 34 minutos, fazer uma boa jogada. Moacir Bueno voltou a servir o atacante Calixto que, enfim, fez o quarto gol dos banguenses: 4 a 3.

Ainda faltavam 11 minutos para o término. Naquela tarde cheia de gols, nenhum dos mil pagantes poderia dizer se a contagem estava encerrada. Mas, o tempo passou e o Bangu soube segurar a vantagem mínima e garantir a primeira vitória no Campeonato Carioca de 1947.

Campeonato Carioca 1947
     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83