Rio de Janeiro, segunda-feira, 26 de junho de 2017 - 04h05min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos
Caio Martins 2 de maio de 1948
Os mineiros fazem a festa em Niterói

Time do Bangu na temporada de 1948. Em pé: Orlando, Domingos da Guia, Sula, Nogueira, Eduardo e Pinguela. Agachados: Amaral, Moacir Bueno, Joel Rezende, Moacir de Paula e Zezinho.

Depois de anos fazendo apenas figuração nas disputas em que participava, o Bangu mudou muito para o ano de 1948. Graças ao presidente Guilherme da Silveira, o time foi reforçado para aquela temporada. O motivo era simples: o novo estádio Proletário tinha sido inaugurado, os gastos com a obra terminaram, com isso, finalmente, sobrava dinheiro para investir no futebol profissional.

A equipe foi substancialmente alterada em poucos meses. Do time que encerrou o Campeonato Carioca, em dezembro de 1947, poucos tiveram seus contratos renovados para o ano seguinte.

Curiosa foi a forma como Guilherme da Silveira começou esta renovação. Contratou o jovem técnico Ayrton Moreira, 30 anos – irmão mais novo de Aymoré e Zezé – que estava no Metalusina, de Barão de Cocais (MG) e deixou que o treinador ditasse as contratações. Conhecedor dos jogadores que disputavam o Campeonato Mineiro, Ayrton trouxe, de uma vez, uma leva de atletas dos times das “Alterosas”.

O goleiro Orlando era do Atlético Mineiro; os meias Madeira e Eduardo vieram do Villa Nova; o folclórico meia Pinguela e os atacantes Joel e Moacir de Paula eram do Metalusina; o ponteiro Zezinho chegou do Siderúrgica.

Mas a atração máxima do Bangu-48 não era nenhum desses mineiros. A “repatriação” de Domingos da Guia, aos 36 anos, vindo do Corinthians, foi a grande sensação. O veterano zagueiro, que começou a carreira no próprio clube, em 1929, voltava a vestir a camisa alvirrubra, depois de ter feito fama internacional.

Domingos tinha conseguido passe livre do Corinthians e veio para o Bangu ganhando Cr$ 40.000 de luvas mais um salário mensal de Cr$ 1.700 – nada mal para quem estava disposto só a encerrar a carreira.

Depois de alguns amistosos de pré-temporada, o primeiro desafio do time de Ayrton Moreira seria o Torneio Municipal. Extinto do calendário, esta competição vinha antes do Campeonato Carioca e era chamada de “turno neutro”, já que os times jogavam sempre em um estádio que não lhes pertencia. Assim, o Bangu fez sua estréia contra o Bonsucesso, na Rua Bariri.

Na segunda rodada, seria a vez de ir até Niterói, enfrentar o Botafogo no estádio Caio Martins. Numa época pré-ponte, poucos banguenses se aventuraram a ir tão longe ver o jogo. Mesmo assim, segundo as crônicas dos jornais, um bom público foi prestigiar o confronto, a maioria de torcedores botafoguenses – esperançosos em ver uma vitória do vice-campeão carioca sobre a equipe suburbana.

Havia ainda o duelo dos técnicos irmãos: Ayrton, pelo Bangu e Zezé Moreira, pelo Botafogo.

Em campo, o que se viu foi um Bangu forte, partindo para o ataque e um Botafogo acuado, como se não acreditasse na revitalização do time de Moça Bonita. Durante toda a década de 40, o alvirrubro tinha servido de sparring para os grandes do Rio; em 1948 a moleza acabara.

Dois gols de Joel no 1º tempo deram uma boa vantagem para o Bangu. No vestiário, durante o intervalo, o técnico Ayrton Moreira tomava uma decisão corajosa. Não iria segurar o placar. Ao contrário, iria continuar no ataque, buscando encurralar ainda mais o time de seu irmão.

A tática funcionou perfeitamente. O Botafogo não esboçou reação nos 45 minutos finais e ainda levou três gols, de Amaral, Moacir Bueno e Zezinho. Quando Mário Vianna apitou o fim de jogo, era a consagração: 5 a 0!

Fato curioso ocorreu após o jogo, quando Ayrton Moreira recebeu os cumprimentos de Zezé Moreira e os dois saíram de campo conversando amigavelmente, como que se esquecendo do placar do jogo:

- Esse teu time vai dar trabalho no Carioca, hein? – argumentou Zezé.

- Pode até ser, mas acho que o Botafogo é que tem time para ser campeão – palpitou Ayrton, sem saber que no final de 1948, o Botafogo riria por último e conquistaria o título carioca.

Em relação ao Torneio Municipal de 1948, o Bangu assumia a vice-liderança, dois pontos atrás do Flamengo, enquanto o Botafogo ia para a oitava colocação após a goleada de Caio Martins.

Torneio Municipal 1948
     
Livros
 
Estatísticas 2017
 
Jogos 18
Vitórias 4
Empates 5
Derrotas 9
Gols Pró 16
Gols Contra 30
Saldo de Gols -14
Aproveitamento 31%
Artilheiros 2017
 
Loco Abreu 3
Raphael Augusto 3
Rogerinho 2
Leandro Chaves 1
João Guilherme 1
Guilherme 1
Carlinhos 1
Anderson Penna 1
Hygor Guimarães 1
Daniel Bueno 1
Marlon 1