Rio de Janeiro, sábado, 21 de outubro de 2017 - 19h13min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos
Caio Martins 2 de maio de 1948
Os mineiros fazem a festa em Niterói

Time do Bangu na temporada de 1948. Em pé: Orlando, Domingos da Guia, Sula, Nogueira, Eduardo e Pinguela. Agachados: Amaral, Moacir Bueno, Joel Rezende, Moacir de Paula e Zezinho.

Depois de anos fazendo apenas figuração nas disputas em que participava, o Bangu mudou muito para o ano de 1948. Graças ao presidente Guilherme da Silveira, o time foi reforçado para aquela temporada. O motivo era simples: o novo estádio Proletário tinha sido inaugurado, os gastos com a obra terminaram, com isso, finalmente, sobrava dinheiro para investir no futebol profissional.

A equipe foi substancialmente alterada em poucos meses. Do time que encerrou o Campeonato Carioca, em dezembro de 1947, poucos tiveram seus contratos renovados para o ano seguinte.

Curiosa foi a forma como Guilherme da Silveira começou esta renovação. Contratou o jovem técnico Ayrton Moreira, 30 anos – irmão mais novo de Aymoré e Zezé – que estava no Metalusina, de Barão de Cocais (MG) e deixou que o treinador ditasse as contratações. Conhecedor dos jogadores que disputavam o Campeonato Mineiro, Ayrton trouxe, de uma vez, uma leva de atletas dos times das “Alterosas”.

O goleiro Orlando era do Atlético Mineiro; os meias Madeira e Eduardo vieram do Villa Nova; o folclórico meia Pinguela e os atacantes Joel e Moacir de Paula eram do Metalusina; o ponteiro Zezinho chegou do Siderúrgica.

Mas a atração máxima do Bangu-48 não era nenhum desses mineiros. A “repatriação” de Domingos da Guia, aos 36 anos, vindo do Corinthians, foi a grande sensação. O veterano zagueiro, que começou a carreira no próprio clube, em 1929, voltava a vestir a camisa alvirrubra, depois de ter feito fama internacional.

Domingos tinha conseguido passe livre do Corinthians e veio para o Bangu ganhando Cr$ 40.000 de luvas mais um salário mensal de Cr$ 1.700 – nada mal para quem estava disposto só a encerrar a carreira.

Depois de alguns amistosos de pré-temporada, o primeiro desafio do time de Ayrton Moreira seria o Torneio Municipal. Extinto do calendário, esta competição vinha antes do Campeonato Carioca e era chamada de “turno neutro”, já que os times jogavam sempre em um estádio que não lhes pertencia. Assim, o Bangu fez sua estréia contra o Bonsucesso, na Rua Bariri.

Na segunda rodada, seria a vez de ir até Niterói, enfrentar o Botafogo no estádio Caio Martins. Numa época pré-ponte, poucos banguenses se aventuraram a ir tão longe ver o jogo. Mesmo assim, segundo as crônicas dos jornais, um bom público foi prestigiar o confronto, a maioria de torcedores botafoguenses – esperançosos em ver uma vitória do vice-campeão carioca sobre a equipe suburbana.

Havia ainda o duelo dos técnicos irmãos: Ayrton, pelo Bangu e Zezé Moreira, pelo Botafogo.

Em campo, o que se viu foi um Bangu forte, partindo para o ataque e um Botafogo acuado, como se não acreditasse na revitalização do time de Moça Bonita. Durante toda a década de 40, o alvirrubro tinha servido de sparring para os grandes do Rio; em 1948 a moleza acabara.

Dois gols de Joel no 1º tempo deram uma boa vantagem para o Bangu. No vestiário, durante o intervalo, o técnico Ayrton Moreira tomava uma decisão corajosa. Não iria segurar o placar. Ao contrário, iria continuar no ataque, buscando encurralar ainda mais o time de seu irmão.

A tática funcionou perfeitamente. O Botafogo não esboçou reação nos 45 minutos finais e ainda levou três gols, de Amaral, Moacir Bueno e Zezinho. Quando Mário Vianna apitou o fim de jogo, era a consagração: 5 a 0!

Fato curioso ocorreu após o jogo, quando Ayrton Moreira recebeu os cumprimentos de Zezé Moreira e os dois saíram de campo conversando amigavelmente, como que se esquecendo do placar do jogo:

- Esse teu time vai dar trabalho no Carioca, hein? – argumentou Zezé.

- Pode até ser, mas acho que o Botafogo é que tem time para ser campeão – palpitou Ayrton, sem saber que no final de 1948, o Botafogo riria por último e conquistaria o título carioca.

Em relação ao Torneio Municipal de 1948, o Bangu assumia a vice-liderança, dois pontos atrás do Flamengo, enquanto o Botafogo ia para a oitava colocação após a goleada de Caio Martins.

Torneio Municipal 1948
     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83