Rio de Janeiro, quinta-feira, 21 de setembro de 2017 - 11h03min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos
Santiago 14 de janeiro de 1950
Invictos no Chile


Lance confuso no Estádio Nacional de Santiago, onde o Bangu conseguiu amarrar a Seleção Chilena.

Depois de empatar com a Universidad Católica em 3 a 3, ganhar o Colo Colo por 2 a 1 e vencer a “revanche” contra a mesma Universidad Católica por 3 a 0, o Bangu teve pela frente o seu maior desafio no Estádio Nacional de Santiago naquele verão de 1950: iria enfrentar a Seleção Chilena, que se aprimorava para a disputa da Copa do Mundo, que se realizada no Brasil.

O orgulho do futebol deles estava arranhado, era preciso tirar a invencibilidade do Bangu no jogo de despedida. Diante de 30 mil torcedores num sábado à noite ocorreu algo inacreditável: o time de Aymoré Moreira arrancou um empate. Moacir Bueno fez 1 a 0 no 1º tempo, após receber um passe de Pinguela, fugir da falta e atirar forte para vencer Livingstone. O Chile só foi conseguir igualar na etapa final, com um gol do jovem Hormazabal, aos 15 minutos.

Por ter se destacado nas quatro partidas disputadas, o Bangu foi agraciado com uma bela taça pelo Departamento de Deportes do Chile.

Fato curioso é que, diferente do que se poderia pensar, o Bangu não ficou hospedado em Santiago. A delegação se alojou numa quinta, na área rural de Los Guindos, na cidadezinha de Melipilla, a 95 quilômetros da capital chilena, para ficar reclusa e em paz.

O que disseram os jornais chilenos

Os matutinos dizem que a última apresentação do Bangu, na noite de sábado, na qual ele empatou com o selecionado nacional, agradou o público, tendo havido, em geral, bom futebol de parte de ambas as equipes, destacando-se a atuação dos banguenses Luiz Borracha, Sula, Moacir Bueno, Ismael e Djalma.

La Nación assinala que o Bangu repetiu suas performances anteriores, manifestando um magnífico domínio da pelota, pertinácia, defesa e “efetividade”.

El Mercúrio dedica grande espaço a destacar a atuação do selecionado, dizendo que no 2º tempo a defesa brasileira fraquejou abertamente diante dos chilenos e “se os jogadores locais não tivessem dado provas da clássica imprecisão dos remates, o match poderia ter sido resolvido a favor dos nacionais”.

Diário Ilustrado assinala que o resultado da partida foi justo e merecido empate, embora o placar tenha favorecido os cariocas, de vez que os chilenos perderam duas magníficas oportunidades de marcar, acrescentando que o Bangu fez magnífica demonstração de futebol moderno e “deixará muitas gratas recordações e notáveis ensinamentos técnicos”.


Mirim, Pinguela, Sula, Luiz Borracha, Guálter e Rafanelli em pé. Agachados: Djalma, Menezes, Moacir Bueno, Ismael e Simões. Os onze atletas do Bangu que desafiaram a Seleção Chilena, em Santiago.



Recepção apoteótica

Segunda-feira à tarde chegaram a esta Capital os jogadores do Bangu que, depois de uma gloriosa campanha, retornaram ao Rio com um título sob todos os aspectos invejável: invictos em canchas chilenas.

Os rapazes dirigidos por Aymoré e Carlos Nascimento demonstraram, assim, uma fibra extraordinária, conseguindo mesmo em seu último compromisso contra o selecionado chileno um empate de 1 a 1.

A estação de hidros da Panair estava em festa com a chegada dos craques. Uma banda de música postada no jardim fronteiro tocava ora dobrados, ora marchas e sambas carnavalescos. Foguetes estouravam no ar e quando finalmente despontaram os jogadores, não chegavam para os abraços e para as perguntas.

O primeiro craque de quem nos aproximamos foi Djalma, um dos veteranos no Chile, pois já lá esteve duas vezes: “Fizemos uma boa campanha. Estou satisfeito com os resultados obtidos, pois todos sabem que vencer no Chile não é coisa fácil”.

Deixamos Djalma com sua família, abordamos Ismael. Ismael só tem uma queixa do Chile: “Os juízes chilenos são uma lástima. Protegem os clubes locais, prejudicando de todas as formas possíveis os visitantes”.

Finalmente, enquanto a multidão carregava em triunfo seus ídolos, conseguimos abordar Aymoré que, ao lado do presidente Silveirinha, procurava suas malas. O veterano técnico do Bangu foi lacônico: “Vencemos uma parada duríssima. Muita gente pensava que iríamos nos aventurar numa empreitada de que não nos poderíamos sair bem. No entanto, aí está o resultado. Saímos muito bem, graças a Deus!”

“E à fibra de vocês também” – ajuntou o presidente Guilherme da Silveira.

Vários caminhões acompanharam os craques até Bangu, onde tiveram eles recepção verdadeiramente apoteótica.

Fonte: Diário Carioca

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83