Rio de Janeiro, terça-feira, 21 de novembro de 2017 - 04h29min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos
Maracanã 13 de janeiro de 1952


Rafanelli, Mário Vianna e Píndaro. O triplo aperto de mão antes do jogo escondia o que realmente iria ocorrer.

Mais de 60 mil pessoas foram ao Maracanã naquela tarde de domingo de 1952. Começaria a ser decidido o Campeonato Carioca de 1951 entre Bangu e Fluminense. O Bangu querendo recuperar um título que não via há 18 anos e, coincidentemente, enfrentando o mesmo rival da final de 1933.

Muitos dos banguenses que estavam no Maracanã em 1952, tinham estado também nas Laranjeiras em 1933 e esperavam que a vitória pendesse para o lado dos “Mulatinhos Rosados”, agora re-apelidados de “Milionários de Moça Bonita”.

O jogo, do qual se esperava muito, rendeu pouco. O cronista Luiz Mendes, escrevendo para a revista Esporte Ilustrado, sintetizou o que foi o encontro:

“Foi um espetáculo deprimente, verdadeiramente horrível, sem técnica, sem brilho, sem coisa nenhuma que pudesse ser considerado como futebol. Era a violência a se misturar com passes errados, com as bolas a esmo, com deslealdade. Nunca se viu dois times jogarem assim, tão mal, a ponto de não se compreender como equipes que chegaram tão alto, podiam rastejar tanto dentro de uma peleja”.

Logo aos 6 minutos de partida, o atacante Didi entra duro no zagueiro Mendonça, do Bangu. Falta gravíssima. O banguense fica estendido no gramado. A lesão era séria. Na época, não eram permitidas substituições. Mendonça sai de maca e o médico Hilton Gosling constata logo: fratura na perna.

Diante de tal quadro, o que fez o árbitro Mário Vianna? Nada. Na época não existiam os cartões amarelo e vermelho, mas já se fazia uso das expulsões de campo. Pois, enquanto todo o estádio ouvia o estalar da perna de Mendonça, Mário Vianna fazia “ouvidos de mercador” e mantinha Didi em campo e deixava o Bangu com um jogador a menos.

Como o lance foi próximo à linha lateral, o técnico banguense Ondino Viera observou atentamente a entrada criminosa:

“Não pode haver dúvida, o foul de Didi foi proposital. Isso não é coisa que se faça com um colega de profissão. Agora Mendonça poderá ficar inutilizado para a prática do futebol. O que no campo se faz, no campo se paga”.


O zagueiro Mendonça, já com a perna gessada, na enfermaria do Maracanã.

E foi nesse clima de revanchismo que o jogo continuou. Para formar a parelha de zaga com Rafanelli, Ondino recuou o ponta-direita Djalma, acabando com uma ótima jogada de ataque do Bangu, mas refazendo seu sistema defensivo.

O Fluminense chegou ao seu gol com Orlando “Pingo D´Ouro”, aos 26 minutos do 1º tempo. A partida era uma guerra.

Na etapa final, disposto a empatar, o Bangu esqueceu até mesmo que tinha um jogador a menos. Pena que, aos 18 minutos, num choque com Telê, o outro zagueiro banguense, o argentino Rafanelli, tenha se contundido. Não foi uma lesão tão grave quanto a que praticamente inutilizou Mendonça para o futebol. Mas, impossibilitou o banguense de continuar na partida. Ondino, desesperado, mandou o argentino continuar em campo, deslocado para a ponta-direita, aonde iria simplesmente fazer “número”. Para recompor novamente a zaga, o médio Ruy Campos foi ajudar Djalma.

Tínhamos 11 tricolores em campo e nove banguenses inteiros disputando a partida. Mesmo assim, o alvirrubro pressionou mais, atacou perigosamente e por pouco, não empatou a partida. Irritado com aquela sensação de que estava sendo prejudicado tanto pelo árbitro, quanto pela sorte, o médio Mirim deu um pontapé em Telê, que revidou. Desta vez, Mário Vianna viu e expulsou os dois brigões.

Com 8 jogadores apenas, o Bangu recuou todo para perder o primeiro jogo da decisão apenas por 1 x 0.

o Bangu, o zagueiro Rafanelli e o ponta-direita Djalma vieram do “Expresso da Vitória” do Vasco; Mirim era do Fluminense; Zizinho foi contratado a peso de ouro junto ao Flamengo; o meia Ruy Campos jogava no São Paulo; e o ponta-esquerda Nívio era o destaque do Atlético Mineiro. Todos eles formavam agora na equipe do técnico uruguaio Ondino Viera, campeão carioca pelo Fluminense em 1938, 1940 e 1941 e pelo Vasco, em 1945.

Nos próximos domingos, Bangu e Fluminense voltariam ao gramado do Maracanã para decidir em uma “melhor-de-três” qual dos dois titãs iria ganhar o Campeonato Carioca de 1951. Pela vitória na última rodada, parecia que o alvirrubro levava, ao menos, uma vantagem psicológica.


O zagueiro Rafanelli no gramado, sendo atendido por um enfermeiro, pelo massagista Pastinha e pelo Dr. Hilton Gosling. Mais uma baixa naquela “guerra”.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83