Rio de Janeiro, terça-feira, 21 de novembro de 2017 - 04h28min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos
Maracanã 20 de janeiro de 1952


O clima tenso do primeiro jogo continuou na segunda partida da grande decisão do Campeonato de 1951. Na foto, uma confusão em torno do goleiro Castilho, do Fluminense, e do atacante Joel, do Bangu.

Depois da verdadeira “tourada” que se tornou o primeiro jogo da decisão do Campeonato Carioca de 1951, o técnico Ondino Viera encontrou muitas dificuldades para treinar o Bangu para a finalíssima do dia 20 de janeiro contra o Flu.

Manteve todos os jogadores em regime de concentração na Vila Hípica e, sem poder contar com Mendonça, Rafanelli (seriamente contundidos), Mirim (suspenso), Pinguela, Menezes e Vermelho (entregues ao departamento médico), o treinador uruguaio teria que fazer “mágica” para conseguir, ao menos, colocar onze atletas em campo.

Durante a semana, dirigentes dos dois clubes ainda fizeram um pacto de lealdade, para que a segunda partida não reprisasse a “carnificina” do domingo anterior. Zizinho, no entanto, era realista: “Acho que o tal acordo foi feito muito tarde, quando nosso time estava todo quebrado”.

Ante a perspectiva de o título máximo ser decidido sem a necessidade de uma terceira partida, mais de 78 mil pessoas foram ao Maracanã ver o que sobrou do Bangu contra o Fluminense, beneficiado ainda pelo Tribunal de Justiça que anistiou Telê, que tinha sido expulso junto com Mirim no jogo anterior. Para piorar, o árbitro seria o mesmo Mário Vianna, conivente com a violência na primeira partida.

Enfim, Ondino Viera encontrou “peças de reposição” para o Bangu. Na zaga, Djalma seria mantido na posição de Mendonça, Rafanelli seria substituído por Salvador – que tinha jogado apenas partidas com o time misto durante o Torneio Municipal de 1951. No lugar de Mirim, entrou Irani. No ataque, era a vez de relançar Joel e colocar Décio Esteves na vaga de Vermelho.

Zezé Moreira teve uma semana mais tranquila, trocou apenas dois: Joel por Lino e Carlyle por Róbson, ambos no ataque.

Este segundo encontro foi disputado em um clima disciplinar bem melhor que a partida anterior. O Bangu começou dominando o jogo e mantendo o Fluminense em seu próprio campo. Os tricolores se defendiam bem e os banguenses chutavam muito mal. Pouco a pouco, o Fluminense equilibrou as ações e conseguiu seu primeiro gol. Uma falta próxima à área, um lançamento e uma cabeçada de Telê para as redes do goleiro Oswaldo Topete, aos 18 minutos. Telê jogou todo o Campeonato como ponta-direita. Na decisão, entrou como centroavante no lugar de Carlyle, surpreendendo o sistema de marcação do Bangu.

Precisando ao menos empatar para forçar um terceiro jogo, o time vai ao ataque. Nívio é quem mais incomoda o goleiro Castilho, que faz uma defesa espetacular. O 1º tempo se esgota rapidamente.

No 2º tempo, o Flu começa melhor e Telê, sozinho, acerta a trave do goleiro Oswaldo Topete. Seria um alento de sorte para o Bangu? Mas a trave também era amiga de Castilho. Poucos minutos depois, Joel conclui forte, com o goleiro do Fluminense já batido, mas teve que ouvir o som da bola batendo na madeira.

Aos 30 minutos veio o tiro de misericórdia. Uma jogada do aspirante Róbson encontrou Telê bem colocado e o “Fio de Esperança” decidiu a partida marcando seu segundo gol. Estava selada a sorte do campeonato. O Fluminense era o novo campeão carioca.

Faltando quinze minutos, o jogo descamba para a violência. Pinheiro atinge Zizinho, Joel entra duro em Castilho e, no último minuto, Nívio acerta um pontapé em Lino e é expulso de campo pelo árbitro. Um final melancólico para o Bangu, que lutou demasiadamente para ser campeão e acabou não se conformando com o vice.


O Bangu tentou de tudo. Mas em momento algum, em 180 minutos, a bola quis entrar no arco de Castilho.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83