Rio de Janeiro, terça-feira, 21 de novembro de 2017 - 04h32min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos
Pacaembu 16 de fevereiro de 1952


O Bangu numa tarde inspiradíssima. Fila de cima: Mirim, Alaíne, Pinguela, Djalma, Oswaldo Topete e Guálter. Agachados: Menezes, Moacir Bueno, Zizinho, Décio Esteves e Nívio.

A manchete do Jornal dos Sports não deixava dúvidas: “Proeza espetacular do Bangu em São Paulo”! O matutino A Manhã foi mais cruel: “Esmagado o Palmeiras no Pacaembu por 4 a 1”.

Realmente, o alvirrubro carioca tinha feito uma partida irrepreensível na paulicéia diante do grande time do Palmeiras que, em 1951, conquistara a Copa Rio, título equivalente a um Mundial Interclubes da época. Porém, no Torneio Rio-São Paulo de 1952, o Verdão não vinha se encontrando (acumulava três derrotas em quatro jogos), enquanto o Bangu pulava para a liderança isolada da competição.

Os paulistanos deixaram nas bilheterias do Pacaembu, naquela tarde de sábado, mais de 293 mil cruzeiros de renda. Foram para assistir a recuperação alviverde após as derrotas para a Portuguesa e para o Santos.

Na primeira meia hora de luta, o jogo esteve parelho. Os banguenses estudando o adversário e o Palmeiras testando o goleiro Oswaldo Topete.

Tudo mudou aos 34 minutos do 1º tempo. O ponta-esquerda Nívio foi à linha de fundo e cruzou bem fechado. O goleiro Inocêncio, ao tentar evitar que a bola fosse direto para o arco, acabou falhando e permitiu que o Bangu abrisse a contagem nesse chute quase sem ângulo do camisa 11.

A partir daí, nada mais deu certo para o Palmeiras. Aos 38 minutos, novamente Inocêncio falhou, dando rebote. Zizinho, na altura da marca penal, matou no peito, se livrou da marcação de Juvenal e chutou com categoria, ampliando para 2 a 0.

O Bangu tinha maior volume de jogo. A cada nova saída do Palmeiras, a bola era recuperada pelos cariocas e os ataques se sucediam. Aos 41 minutos, Moacir Bueno chegou a driblar o goleiro Inocêncio e chutou para a meta. Em cima da linha, no entanto, o zagueiro Juvenal espalma a bola com as mãos. Pênalti claro que o árbitro Harry Hartless não deixou passar.

Djalma foi para a cobrança e chutou rasteiro, no canto, fazendo o terceiro gol banguense. 

No 2º tempo o Palmeiras voltou com três substituições e conseguiu marcar um gol aos 17 minutos, com Rodrigues, aproveitando uma cobrança de escanteio.

Aos 25 minutos, Zizinho pede para sair. O craque tinha torcido o pé num buraco do gramado. Até então, o Mestre Ziza tinha sido o grande nome do time.

“Zizinho operava sempre livre, excessivamente livre. De passes seus nasceram os dois primeiros tentos e outros teriam surgido, se o famoso meia da Seleção Nacional não tivesse preferido exibir-se, em números pessoais, ao invés de forçar a situação, aproveitando a folga que lhe davam” – analisou a Folha de São Paulo.

Mesmo sem ele, o Bangu alcançou o quarto gol aos 38 minutos. Menezes deu ótimo passe para Moacir Bueno completar para as redes. Estava concretizada a goleada que abalou a todos no Pacaembu.

“A facilidade com que conquistou a vitória e a falta de capacidade de reagir do Palmeiras, foram uma verdadeira surpresa para os esportistas em geral” – contou o Estado de São Paulo.

A frase

Achei o quadro do Palmeiras completamente diferente daquele famoso Palmeiras da Copa Rio”.

Pinguela,
meio-campo do Bangu.

Torneio Rio-São Paulo 1952
     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83