Rio de Janeiro, sábado, 21 de outubro de 2017 - 19h15min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos
Florianópolis 24 de fevereiro de 1957
Festival de gols no encontro de velhos amigos

Foi uma tarde de festa e arquibancadas lotadas no estádio Adolfo Konder, em Florianópolis. Tudo porque o Avaí iria receber o invicto Bangu de Zizinho, que fazia uma vitoriosa excursão pelo Sul do país.

Nívio, Teixeirinha e Zizinho: estrelas do amistoso.

O alvirrubro tinha vencido sucessivamente o Atlético Paranaense (2 a 0), o Coritiba (3 a 2), a Seleção Catarinense (4 a 1) e o Olímpico de Blumenau (5 a 0). Para evitar uma nova vitória dos cariocas, o Avaí se reforçou com elementos de outros times somente para aquele amistoso. A principal estrela seria o ponta-esquerda Teixeirinha, veterano de 33 anos, e que já tinha atuado pelo próprio Bangu, em 1951.

Antes de entrar em campo, antigos companheiros de Teixeirinha, como Nívio e Zizinho, fizeram questão de bater uma foto com o “maior craque de Santa Catarina”.

Com a bola rolando, o Avaí começou melhor e Rodrigues fez 1 a 0, logo aos 6 minutos. O Bangu empataria com Nívio, exímio cobrador de faltas, aos 20.

No 2º tempo, logo aos 5 minutos, o ponta-direita Calazans colocou o Bangu em vantagem e o técnico Eduardo Pellegrini, oito minutos depois, resolveu sacar Zizinho e colocar Ubaldo em seu lugar. As arquibancadas vaiaram a alteração, afinal estavam ali para ver o Mestre Ziza jogar.

Entretanto, foi o reserva Ubaldo Miranda quem anotou o terceiro gol banguense, aos 30 minutos, com um tiro indefensável para o goleiro Tatu. Nada estava decidido. Três minutos depois, Nilson conseguiu diminuir para 3 a 2 e os catarinenses se animaram.

Empurrado pela torcida, eis que o Avaí empatou o jogo aos 44 minutos do 2º tempo: numa confusão na área banguense, apareceu justamente o pé de Teixeirinha para chutar a bola para as redes, “sob estrondosa manifestação da assistência”.

Dada a nova saída, logo o juiz apitou o fim do “grande prélio, que satisfez plenamente ao público presente”. Naquela época, o respeito entre os jogadores era tão grande que, Teixeirinha se encaminhou para o vestiário do Bangu onde abraçou o amigo Zizinho demoradamente. As duas grandes estrelas sabiam que tinham proporcionado o melhor espetáculo futebolístico já visto na capital.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83