Rio de Janeiro, terça-feira, 21 de novembro de 2017 - 04h30min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos
Aflitos 12 de janeiro de 1961
Desbancando o campeão pernambucano

O Bangu desembarcou em Recife numa tarde quente de segunda-feira cercado de expectativas dos pernambucanos. O time do técnico Zizinho participaria de um verdadeiro desafio contra os três “grandes” do estado.

Um Torneio Quadrangular colocaria o Bangu diante de Náutico, Santa Cruz e Sport. Credenciado pelo título do Torneio de Nova York no ano anterior, os cariocas foram uma verdadeira atração.

A estreia, marcada para quinta-feira à noite, previa uma rodada dupla no estádio dos Aflitos: na preliminar o Sport Recife goleou o Santa Cruz por 4 a 0. No jogo de fundo, às 21h50, o Náutico – atual campeão pernambucano e treinado pelo ex-comandante banguense Gentil Cardoso – enfrentaria o alvirrubro carioca.

Para alegria dos milhares de torcedores, foi o Náutico que abriu a contagem logo aos 7 minutos, com um gol de Geraldo, aproveitando que o Bangu ainda estava perdido em campo.

O 1º tempo foi realmente desastroso para a equipe de Moça Bonita, que ainda viu o zagueiro Ananias brigar com o centroavante China, sendo ambos expulsos pelo árbitro. Dessa forma Zizinho teve que agir, tirou o atacante Zé Maria e colocou o beque reserva Mário Tito.

Para a etapa final, precisando, pelo menos, buscar o empate, o treinador substituiu um atacante por outro: saiu Luís Carlos entrou Bianchini. Foi uma decisão acertada.

Bianchini conseguiu, logo aos 4 minutos, empatar a partida. Porém, quem passou a chamar a atenção foi o jovem Ademir da Guia, que comandou a virada dos cariocas:

“Ademir da Guia crescia de produção, estava em todos os setores em que era necessária sua presença, impulsionava o ataque e dominava o serviço de meio campo” – relatou o Diário de Pernambuco, impressionado com o futebol daquele garoto de apenas 18 anos.

Aos 25 minutos, o ponta-esquerda Vermelho conseguiu o gol da virada, aproveitando-se de uma falha do zagueiro Sidney.

Era agora o Náutico que precisava ir à frente, tentar o empate. Porém, a noite era do outro “alvirrubro”. Aos 40 minutos, Bianchini arriscou e contou com a falha do goleiro Valdemar para ampliar o placar: 3 a 1.

Satisfeito com a atuação do atacante, Zizinho resolveu substituí-lo por Paulo César para que pudesse sair sob os aplausos do público pernambucano. Jogando apenas 40 minutos, Bianchini tinha mudado a história do jogo.


Torneio Quadrangular de Recife 1961
     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83