Rio de Janeiro, sexta-feira, 24 de novembro de 2017 - 18h01min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos

16/10/1966 - BANGU 0 x 0 VASCO

FICHA TÉCNICA
Competição:
Campeonato Carioca
Local:
Maracanã (RJ)
Público:
32.466
Árbitro:
Eunápio de Queirós
Ubirajara, Fidélis, Mário Tito, Luís Alberto e Ari Clemente; Jaime e Jair; Paulo Borges, Norberto, Cabralzinho e Aladim.
Técnico: Alfredo González.
Édson, Oldair, Brito, Fontana e Mendez; Maranhão e Salomão; Nado, Madureira, Célio e Danilo.
Técnico: Zezé Moreira.

. . . . . . . . . . . . . . .

Bangu quase perdeu a partida que parecia sua
Fo
nte: Última Hora

O Bangu conservou a liderança invicta e absoluta do Campeonato Carioca ao empatar com o Vasco por 0 x 0, ontem, no Maracanã, numa partida muito corrida e disputada, que terminou logo após um lance em que Nado chutou às redes, mas o juiz Eunápio de Queirós apitou a falta de Madureira em Ari Clemente, sob os protestos dos jogadores e da torcida do Vasco, que queriam a validação do gol.

O Vasco esteve melhor nos primeiros dez minutos, mas o Bangu foi aos poucos tomando as rédeas da partida e andou muito perto da vitória nos 30 minutos finais do primeiro tempo, quando exibiu um futebol de primeiríssima qualidade. No segundo tempo, o Vasco veio com outra disposição e conseguiu equilibrar o jogo, chegando a dominar o adversário em algumas fases.


Volúpia do Vasco

A partida foi iniciada sob um ritmo de impressionante velocidade, com vantagem para o Vasco, que começou com volúpia, perdeu logo duas oportunidades, numa cabeçada de Célio e numa falha de Nado ao tentar concluir passe de Madureira da direita.

Aos 7 minutos, Nado fez a sua melhor jogada da partida ao passar muito bem por Ari Clemente e Luís Alberto para centrar da linha de fundo. Mário Tito, com grande esforço, conseguiu salvar a córner, antes de Madureira marcar.

Por volta dos 15 minutos, Mendez e Fontana haviam sofrido duas faltas violentas e a torcida do Vasco começou a gritar em coro: “Baixa o pau”, passando a marcar Jaime com o tradicional “é esse”, toda vez que ele pegava na bola.

O Bangu passou a dominar o meio-campo aproveitando a falta de entendimento entre Maranhão e Salomão, e pressionou seriamente, com jogadas rápidas, sempre de primeira, à base de supervelocidade, principalmente entre Cabralzinho, Paulo Borges e Jaime.

Aos 39 minutos, Aladim recebeu na intermediária do Vasco pela esquerda, adiantou um pouco a bola e chutou violentamente, chocando-se a bola com o ângulo esquerdo de Édson, que não acreditou no arremesso e quase foi surpreendido.

O lance mais bonito da partida ocorreu aos 41 minutos, quando Cabralzinho dominou pela meia-esquerda e lançou pelo alto na medida para Paulo Borges. O ponta-direita, de costas para a meta, cabeceou para trás, nos pés de Cabralzinho, que entrou como um foguete e fulminou para o gol de primeira. Édson ainda tocou com a mão na bola, que chocou-se com o travessão.


Equilíbrio no final

No segundo tempo, a defesa do Vasco resolveu atender integralmente o pedido de sua torcida, formulado aos 15 minutos e intimidou completamente o ataque do Bangu, que, nos primeiros 15 minutos, só chutou bolas de fora da área, duas de Jair e uma de Norberto.

Salomão fez um ótimo lançamento para Madureira, aos 16 minutos, mas o atacante chutou fraco da marca do pênalti para as mãos de Ubirajara. O Vasco pressionou no ataque durante uns 10 minutos seguidos, mas sem muita objetividade, porque Nado caía para o meio embolando o jogo no miolo e os armadores custavam a soltar a bola.
Contudo, os contra-ataques do Bangu continuavam perigosos e Norberto perdeu ótima chance aos 30 minutos, chutando à direita de Édson, depois do cruzamento perfeito de Aladim, da esquerda.

O Vasco voltou a pressionar nos últimos 10 minutos, tendo Célio furado espetacularmente dentro da pequena área aos 38 minutos, numa ótima chance para marcar, após um passe na medida de Danilo pela ponta-esquerda.
Finalmente, quando o jogo atingia o 44º minuto, Célio penetrou perigosamente pela esquerda e centrou para a entrada da pequena área. Ubirajara saiu e defendeu, mas largou a bola para a marca do pênalti, pois chocou o rosto com a cabeça de Ari Clemente, que estava à sua frente. O juiz Eunápio de Queirós, bem colocado no lance, acusou empurrão de Madureira em Ari Clemente, apitando em cima, mas Nado concluiu para as redes. A torcida do Vasco comemorou o gol e passou a chamar o juiz de “ladrão”, quando verificou que a jogada não tinha sido válida, observando-se também violentas discussões entre os jogadores em campo.


Ari: houve o empurrão

O empate contra o Vasco foi recebido com tranqüilidade pelos banguenses, que nem mesmo admitiam discutir a validade do gol de Nado no último minuto, pois alegavam que a partida já estava paralisada com o apito do juiz que marcou “o empurrão escandaloso de Madureira, jogando Ari Clemente contra Ubirajara”, mas reclamavam da violência dos vascaínos, principalmente o técnico González.

“O Vasco abusou da pancada” – disse o treinador, “e desse jeito fica muito difícil ganhar. Acho que o jogo tem de ser duro, principalmente por parte dos jogadores da defesa, mas não concordo com a deslealdade. O Vasco entrou para empatar o jogo de hoje e conseguiu o seu objetivo, mas teve de apelar para a violência, principalmente no segundo tempo”.


Euzébio tranqüilo

O presidente Euzébio de Andrade estava satisfeito com o resultado e elogiou a atuação do Vasco, que reagiu no segundo tempo e esteve à pique de ganhar o jogo, principalmente pela disposição de luta dos seus jogadores.
“Mas acho que o empate foi um prêmio justo para as duas equipes” – afirmou.

O vice-presidente Castor de Andrade confessava não ter visto o lance que provocou tantas discussões, no fim do jogo, mas, depois de conversar com Ari Clemente e Ubirajara, ficou convencido de que o juiz não podia mesmo dar um gol conquistado naquelas condições.


Bira explica

O goleiro Ubirajara explicava que ficou completamente tonto no lance do fim do jogo, perdendo inteiramente a noção das coisas. No entanto, antes de receber a pancada, viu bem Ari Clemente ser empurrado por Madureira para cima dele.

“O lançamento veio da esquerda e eu saí do gol com Ari me protegendo, de costas para mim. Madureira vinha na corrida e empurrou violentamente o Ari para trás, quando eu já tinha a bola nas mãos. Choquei a parte lateral do rosto contra a cabeça do Ari e daí em diante não vi mais nada, pois fiquei tonto com a pancada”.


Ari confirma

Ari Clemente dava a mesma versão de Ubirajara para o lance. Disse que estava à frente de Ubirajara quando recebeu o empurrão de Madureira que o fez chocar-se com Ubirajara.

“Estão falando em gol anulado” – afirmou, “mas não houve gol, pois o juiz estava em cima e apitou na hora da falta do Madureira. O pior é que quase perdi a cabeça quando vi o Madureira gritando, comemorando a vitória. Fiquei revoltado com a sua atitude, pois qualquer um, menos ele, poderia ficar satisfeito com a bola nas redes”.


Três machucados

Além de Ubirajara, que sofreu uma pancada no rosto, Paulo Borges também saiu mancando e se queixava no vestiário, dizendo que “acho que desta vez me apanharam por um mês”.

“Eu já estava machucado” – disse o ponta-direita, “mas agora me deram uma pregada segura”.

Ari Clemente, que também sofreu uma entrada violenta, apresentava escoriações na canela, porém acreditava que vai dar para jogar a próxima partida. O médico Arnaldo Santiago disse que, em princípio, o problema mais grave parecia ser a contusão de Paulo Borges.

“Contudo” – explicou, “só depois da revisão médica de amanhã é que poderei dizer alguma coisa a respeito de sua presença contra o Botafogo”.


Preliminar (Aspirantes): Vasco 2 x 0 Bangu.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83