Rio de Janeiro, sexta-feira, 24 de novembro de 2017 - 17h59min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos
Maracanã 3 de dezembro de 1966


O Jornal do Brasil valoriza a vitória banguense, enaltecendo a beleza dos gols do líder do Campeonato.

Foi no início de dezembro de 1966 que o Bangu assumiu isoladamente a liderança do Campeonato Carioca, que acabaria por ganhar. No sábado, o time venceu o Vasco por 3 x 0, e no domingo, viu o Flamengo perder um pontinho fundamental para o Botafogo, no empate em 1 x 1.

O clássico contra o Vasco levou apenas 11.515 pessoas ao Maracanã, às 18 horas. Com os vascaínos fazendo péssima campanha no Campeonato, as arquibancadas ficaram com a torcida alvirrubra.

Antes do jogo, Ubirajara recebeu uma estatueta de bronze das mãos do ex-goleiro Barbosa. Era uma homenagem aos 15 anos de dedicação exclusiva ao Bangu. O presidente Euzébio de Andrade, à beira do gramado, não gostou da festa: “O Bangu está com a liderança em jogo e um jogador emocionado é um perigo...” – resmungou.

Mas o time de Moça Bonita não perderia aquele jogo nem se quisesse. Logo aos 4 minutos, Aladim fez 1 x 0, numa jogada belíssima.

“A jogada nasceu dos pés de Paulo Borges, numa arrancada que começou no meio de campo. O ponteiro bateu Silas, Oldair e Ananias e deu a bola para Ladeira, na entrada da pequena área, este serviu a Cabralzinho, que fingiu chutar em gol e deu para o extrema- esquerda mandar às redes de Édson” – descreveu o jornal Última Hora.

Até o final do 1º tempo, o domínio do Bangu foi amplo, com Cabralzinho perdendo boas chances e consagrando o goleiro Édson Borracha, do Vasco.

Ressalte-se que Ubirajara também não ficou atrás, salvando o empate com a ponta dos dedos, em um lance em que Célio tentou encobri-lo.

No 2º tempo, o time de Alfredo González decidiu o jogo. Aos 18 minutos, a bola foi rolada de pé em pé pelo ataque banguense até que sobrou para Cabralzinho, na altura da marca do pênalti, bater de primeira e ampliar o placar: 2 x 0.

O terceiro gol não demorou a sair. Jaime chutou de fora da área, um tiro fortíssimo que foi parar no ângulo esquerdo do goleiro Édson: 3 x 0.

Com a vitória concretizada, o Bangu ainda perdeu um jogador importante. O lateral-esquerdo Ari Clemente deu um pontapé em Paulo Mata, aos 29 minutos, e foi expulso de campo.

Daí em diante, o Bangu recuou o time. Aladim saiu do ataque e foi ajudar a defesa. O Vasco foi à frente, mas perdeu gols incríveis. Paulo Mata, por exemplo, cabeceou, sem goleiro, por sobre a meta. Não era dia sequer de marcar um gol de honra...

Fato curioso. Foi naquele dia que passaram a existir “maqueiros” no Maracanã. Antes, jogadores contundidos eram atendidos pelo médico e massagista dentro do gramado, atrasando o andamento do jogo. Os padioleiros, naquele dia, tiveram pouco trabalho, retirando apenas o banguense Ladeira, que estreou o serviço no futebol carioca.


Ubirajara, o homenageado da tarde, se esforça para evitar um gol do Vasco.
Campeonato Carioca 1966
     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83