Rio de Janeiro, sábado, 21 de outubro de 2017 - 19h12min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos
Moça Bonita 30 de abril de 1978


O América pressiona. O goleiro Luiz Alberto não consegue cortar o cruzamento rasteiro, mas o atacante americano também chega atrasado na hora da conclusão. Sorte do Bangu que, jogando de branco, venceu por 2 a 0.

O Bangu ficou dez anos longe das grandes competições nacionais. Depois do Torneio Roberto Gomes Pedrosa de 1968, o alvirrubro viveu anos de crise e só voltou a obter vaga entre os grandes do país em 1978. O Campeonato Brasileiro daquele ano comportou nada menos do que 74 clubes – um recorde até então. Nada mais justo que o Bangu – sexto colocado no Campeonato Carioca de 1977 – ganhar uma das vagas.

A diretoria fez melhorias no estádio, restabeleceu a iluminação dos refletores, mas não teve dinheiro para trazer grandes craques. Com isso, a grande vitória seria somente a participação. Ambicionar passar de fase seria uma exigência absurda para aquele elenco.

No mês de março, o alvirrubro iniciou sua luta entre os grandes do país. Estávamos em um grupo difícil, onde o Rio de Janeiro tinha seis representantes (Bangu, América, Americano, Flamengo, Fluminense e Goytacaz), São Paulo, dois (Portuguesa e XV de Piracicaba), Amazonas, dois (Nacional e Fast) e o Pará, dois (Remo e Paysandu). Os seis melhores colocados iriam para a segunda fase. Os demais disputariam uma repescagem.

O técnico Luís Alberto Severino (ex-zagueiro campeão em 1966) percebeu logo que uma década longe de competições nacionais tinha trazido prejuízos ao Bangu. Nos sete primeiros jogos foram seis derrotas e apenas uma vitória. Isso significava o fim da linha para o treinador, que deixou o cargo após a goleada sofrida para o Flamengo por 4 a 1.

Para o seu lugar foi chamado o disciplinador Yustrich. Popularmente conhecido como “Homão”, era um técnico polêmico e tinha deixado o Cruzeiro justamente após uma briga com os dirigentes do clube mineiro.

Yustrich encontrou o Bangu em 11º lugar no seu grupo, com meros 2 pontos. Era o penúltimo colocado, à frente apenas do Nacional. Pior. Estrearia na oitava rodada enfrentando o América – 4º colocado com 8 pontos.

Nos anos 70, o América sempre montava times de respeito e o fato de jogar em Moça Bonita não traria tanta vantagem assim, já que fatalmente as duas torcidas iriam se equivaler. Quase duas mil pessoas pagaram ingresso para ver o clássico, proporcionando uma renda de 57 mil cruzeiros.

Diferentemente do que se pensava, o Bangu dominou as ações durante todo o 1º tempo, até que o centroavante Jair Pereira, pegando de primeira um passe de Luisão, fez o único gol da etapa, aos 42 minutos.

No 2º tempo, esperava-se uma reação do forte time americano, mas os rubros continuaram jogando abaixo da média, talvez sentindo a falta dos titulares Mário e Uchôa.

Eis que o ponta-direita Fernandinho, jogador de poucos gols, resolveu fazer o lance de sua vida. Sozinho, pegou a bola ainda na intermediária do Bangu e foi embora, passou como quis por Russo, driblou o goleiro País e chutou para o gol vazio, a dez minutos do fim da partida: 2 a 0. Foi eleito até mesmo o “Gol do Fantástico” – o mais bonito daquele domingo!

No final das contas, o resultado não serviu para classificar o Bangu à segunda fase, nem para eliminar o América. Pelo menos, naquele dia, os banguenses lavaram a alma dos torcedores ao contrariar todos os prognósticos.

Campeonato Brasileiro 1978 - Grupo F
     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83