Rio de Janeiro, terça-feira, 21 de novembro de 2017 - 04h28min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos
Moça Bonita 21 de fevereiro de 1981


O grandalhão Alcino parte para o ataque e marca o segundo gol banguense naquela tarde de sábado.

Castor de Andrade estava empolgado. E não era para menos. O Bangu tinha feito 3 a 0 no Joinville, em Moça Bonita, pela nona e última rodada da primeira fase do Campeonato Brasileiro de 1981. A goleada eliminou os catarinenses e classificou o alvirrubro em quarto lugar no Grupo A, atrás de Vasco, Ponte Preta e Colorado (PR).

Com quatro vitórias, três empates e duas derrotas, 11 pontos, 18 gols marcados em nove jogos, o Bangu estava na segunda fase do Campeonato, onde cairia num grupo com Santos, Botafogo e Mixto (MT).

Melhor que isso, a crônica esportiva não cansava de enaltecer os craques alvirrubros, como o lateral-direito Júlio César, os zagueiros Moisés e Fernando, o lateral-esquerdo Marco Antônio, o volante Carlos Roberto, o ponta-direita Mirandinha e o centroavante Alcino.

O Patrono Castor de Andrade, com o xerifão Moisés ao fundo: Carnaval frustrado em 1981.

A partida contra o Joinville, realizada uma semana antes do início do Carnaval, foi disputada em clima de festa, principalmente nas arquibancadas. A charanga do Castor, que tradicionalmente entrava atrasada nos jogos, tocando o samba-enredo da Mocidade para 1981, “Abram alas pra folia”, deu sorte. Assim que subiu as sociais, o Bangu fez um gol, com Mirandinha, aos 14 minutos.

A torcida, que ultrapassou a casa de 2.000 pessoas, gritava “olé” e pedia “mais um”. O grandalhão Alcino, então, retribuiu o apoio, fazendo 2 a 0, aos 39 minutos.

No final, aos 44 do 2º tempo, Luisinho das Arábias ampliou para 3 a 0, quando todos nas sociais estavam dançando entre confetes e serpentinas, numa prévia do baile do “Vermelho e Branco”, que ocorreria à noite no salão nobre.

Quando terminou o jogo foi aquela carreata, com bandeiras desfilando pelas ruas do bairro. O banguense orgulhoso de seu clube, do sucesso do alvirrubro, que pela primeira vez passava da fase inicial do Campeonato Brasileiro.

Castor, empolgado, reuniu os jogadores e disse que, se alguém quisesse passar o Carnaval fora do Rio, ele pagaria a passagem. Logo começaram os pedidos: Marco Antônio pretendia ir a Santos, Tobias a São Paulo, Luisão a Minas. Castor ia anotando os pedidos e concordando com a cabeça. Até que Moisés falou:

- Eu também queria passar o Carnaval fora, “seu” Castor.

- Pois é só dizer onde.

- É em Paris, “seu” Castor.

A entrevista acabou ali e ninguém foi de graça a lugar nenhum...

Moisés teve que se consolar com o “Bloco das Piranhas”, de Madureira, onde desfilou mais uma vez travestido de mulher, com peruca e cílios postiços, no sábado seguinte.

Mas quem sambou mesmo foi o Joinville, eliminado da Taça de Ouro...

Campeonato Brasileiro 1981 - Grupo A
     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83