Rio de Janeiro, quinta-feira, 21 de setembro de 2017 - 11h06min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos
Moça Bonita 17 de janeiro de 1982


Vágner tenta o cabeceio na pequena área, em mais um lance de pressão banguense. O ponta-esquerda Marcelo – com a camisa 11, observa de perto o lance.

A tradicional revista Placar, antes do Campeonato Brasileiro de 1982, colocava o Bangu como uma “zebra”, enquanto o Cruzeiro aparecia como uma equipe que “pode surpreender”.

Mas na mesma edição 608, de 15 de janeiro, nos prognósticos dos jogos da Loteria Esportiva, a situação favorecia aos banguenses na estreia do Campeonato:

“O Bangu dispensou alguns jogadores, como o goleiro Tobias, o meia Ademir Vicente e o avante Dé. Mas contratou o ponta-de-lança Vágner, ex-América/MG e ainda procura se reforçar. No Cruzeiro a situação não podia estar pior. O técnico Didi, inconformado com a briga dos cartolas, pediu demissão. Orlando Fantoni pode voltar, mas não terá nenhum reforço. Aqui está a maior surpresa do teste. Caindo aos pedaços, o Cruzeiro não suportará o entusiasmo dos pupilos de Castor de Andrade. Assim também quer a nossa zebrinha”.

E foi isso mesmo que aconteceu em Moça Bonita, no dia 17 de janeiro de 1982, deu zebra. Ou melhor, deu Bangu!

Mais de 6 mil torcedores foram ao estádio ver a estreia do alvirrubro no Campeonato Brasileiro. E, depois de um primeiro tempo sem gols, o Bangu acordou e marcou três gols nos 45 minutos finais.

Após o intervalo, o Bangu se lançou imediatamente à frente e, em um minuto, conseguiu marcar. Numa jogada pessoal, Lira ficou livre à frente de Luís Antônio, mas demorou a chutar e foi perseguido pelo goleiro até junto à linha de fundo. Ali, conseguiu driblá-lo e cruzou à meia altura. A bola foi rebatida pela defesa e caiu na altura da marca do pênalti para Rubens Feijão emendar com o gol vazio: 1 a 0.

O segundo gol não demorou e aconteceu aos 8 minutos, quando Tecão escorou de cabeça, sem qualquer marcação, um córner cobrado por Pedrinho.

O terceiro gol poderia ter saído aos 22 minutos se o juiz Oscar Scolfaro não interpretasse de forma equivocada a cobrança de um pênalti de Rubens Feijão. Para o árbitro, com a tradicional e hoje comum “paradinha”, o gol não valeria. Mandou voltar. No “repeteco”, Feijão acabou isolando a bola.      

O lance fez o Bangu se motivar ainda mais e em três minutos voltou a marcar, na jogada mais bonita da partida. Rubens Feijão fez um lançamento longo a Vagner pela esquerda, nas costas dos zagueiros. O centroavante partiu livre e da intermediária encobriu a Luís Antônio, que saiu da área ao seu encontro. A bola foi morrer dentro do gol e a torcida banguense aplaudiu a jogada demoradamente.


Bola na área do Bangu e é Mococa – o camisa 5 – quem se esforça para livrar o perigo.

Campeonato Brasileiro 1982 (Grupo E)
     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83