Rio de Janeiro, sexta-feira, 24 de novembro de 2017 - 18h13min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos

21/04/1985 - BANGU 1 x 0 LEÔNICO (BA)

FICHA TÉCNICA
Competição:
Taça de Ouro - Grupo D - Returno
Local:
Estádio Proletário Guilherme da Silveira Filho
Renda:
Cr$ 10.825.000,00
Público:
2.165 pagantes
Árbitro:
Dalmo Bozzano, da Federação Catarinense
Gilmar, Márcio, Jair, Cardoso e Baby; Delaci, Lulinha e Pingo; Marinho, Nando (Pedrinho Gaúcho) e Ado
Técnico: Moisés
Ferreira; Biluca, Monteiro, Luís carlos e Ricardo; Toti, Washington e Dendê; Osni, Beijoca e Adalto (Douglas)
Bangu 1 x 0: Marinho, aos 42min do 2º tempo
Biluca, Monteiro, Luís Carlos, Dendê e Beijoca (Leônico); Lulinha (Bangu)

. . . . . . . . . . . . . . .

Moça Bonita em festa: Marinho faz gol de cabeça e Bangu conquista o segundo turno
Fonte: Jornal O Dia

Com o gol de Marinho, de cabeça, aos 42m do segundo tempo, o Bangu venceu, ontem à tarde, em Moça Bonita, o Leônico e assegurou a invejável condição de ser o clube carioca mais eficiente na atual Taça de Ouro, vencendo o Grupo D. A vitória representou ao time de Castor de Andrade a conquista do segundo turno da primeira fase e, como fora também o vencedor do primeiro turno, o Bangu garantiu sua presença na Taça de Ouro de 86 entre o Grupo A ou B - desde que o regulamento seja mantido -, além da classificação para a segunda fase, este ano. Depois do jogo, os torcedores bangüenses festejaram com muita empolgação, como se o time acabasse de sagrar-se campeão brasileiro. A festa tomou o rumo das ruas do subúrbio e se estendeu até quase a madrugada.

Marinho na cabeça: Bangu campeão do returno
Fonte: Jornal O Dia - Tino Marcos

A torcida do Bangu soube suportar com paciência os 87 minutos de sofrimento, sem gol. Foi Marinho acertar uma cabeçada, quando faltavam 3 minutos para o final, para um verdadeiro carnaval tomar conta do estádio de Moça Bonita e que se prolongou pelas ruas de Bangu. Afinal, a vitória sobre o Leônico por 1 a 0 fez com que o time carioca terminasse a primeira fase da Taça de Ouro como o campeão do Grupo D, vencedor dos dois turnos disputados, e com a vaga garantida nos principais Grupos (A ou B) da próxima Taça de Ouro.

O Bangu não chegou a empolgar os poucos mais de 2 mil torcedores no estádio. O resultado, porém, foi mais do que justo, pois o Leônico pouco fez, enquanto o Bangu perdeu inúmeras chances. Como aos 18m e 21m, de Ado e Marinho, em que o goleiro Ferreira fez grandes defesas. O único chute a gol do time baiano na primeira fase surgiu dos pés do veterano Beijoca, que, visivelmente esgotado, ainda conseguiu acertar um forte chute, quase sem ângulo. Gilmar fez boa defesa.

No segundo tempo, as chances continuaram aparecendo para o Bangu, que desperdiçava todas. A entrada de Pedrinho Gaúcho no lugar do novato Nando deu mais agressividade ao time, mas as conclusões eram mal feitas. O empate não chegava a desagradar a torcida, que passou ao delírio quando Marinho decidiu o jogo e não se conteve no pedido a Evaristo: "É Seleção, é Seleção"!

Castor respeita, mas não teme os novos rivais
Fonte: Jornal O Dia - Zildo Dantas

Quando o árbitro apitou o fim do jogo, a pequena, mas entusiamada, torcida do Bangu começou um carnaval, comemorando o feito de sua equipe. O Bangu venceu o turno, o returno e somou, também o maior número de pontos do Grupo D, classificando-se entre os 20 dos Grupos A/B no próximo ano. Essa emoção se transformou em algo incontrolável porque a vitória contra o Leônico veio em cima da hora, quando o empate parecia consumado tirando o título do Bangu.

Castor de Andrade transformou-se, com isso, no homem mais festejado do vestiário bangüense. Sua calma foi mantida, enquanto o sorriso deixava transparecer toda a sua felicidade:

- O Bangu ganhou o primeiro turno na bolinha. O ssegundo, porém, foi no campo, para uma chave que não é fraca, ela é tão forte para nós como para os demias clubes. Se teremos Vasco e Internacional pela frente, eles terão o Bangu, um time que está jogando certinho e vai cumprir a sua missão nesta taça, tenho certeza disso.

Castor, como você viu hoje o time do Bangu, jogando sem quatro titulares?

- No primeiro tempo, mal. No segundo, muito bem. No intervalo, Moisés conversou com eles, fez uma modificação tática, voltamos e após a pressão surgiu o gol que nos deu a vitória na partida.

Nenhum contundido e o prêmio dos jogadores será de Cr$ 500 mil, para cada.


Atuações:

GILMAR - A rigor, apenas uma defesa. No mais, muita tranqüilidade e eficiência na reposição de bolas. Bom
MÁRCIO - Bom na defesa e nas triangulações com Marinho. Bom
JAIR - Como seu companheiro, precisou jogar muito pouco. Razoável
CARDOSO - Sem muito trabalho com Beijoca, poderia ter ido mais à frente. Razoável
BABY - Cuidou mais de marcar o perigoso Osni e sofreu um bocado. Razoável
DELACI - Jogou como um típico cabeça-de-área. Discreto, mas eficiente na marcação. Bom
LULINHA - Mostrou disposição e habilidade o tempo todo. Ótimo
PINGO - Armou diversas jogadas de perigo, mas falhou muito nas conclusões. Bom
MARINHO - Só o belo gol que marcou merecia boa cotação. Mas o ponta, que jogou de centroavante no segundo tempo, mostrou por que é considerado um dos melhores do país. Excelente
NANDO - Confuso, tímido. Fraco. PEDRINHO GAÚCHO - entrou em seu lugar e deu nova vida ao time. Bom
ADO - Esteve incansável. De seus pés, surgiu o lance do gol. Ótimo

ARBITRAGEM - O seis cartões amarelos e um vermelho com que o árbitro Dalmo Bozzano puniu os jogadores não foram suficientes para controlar a violência, principalmente por parte do Leônico, que ficou com cinco dos seis cartões e teve ainda Beijoca expulso. Mesmo assim, Bozzano acompanhou de perto todos os lances e anulou corretamente um gol de Marinho, que recebera um passe de mão de Lulinha.


O GOL - Bangu 1 a 0, gol de marinho, aos 42 minutos do segundo tempo
Ado faz jogada pela esquerda e é derrubado por Monteiro. O próprio Ado ajeita a bola e bate a falta, centrando para a área. Marinho, deslocado da ponta-direita para o comando do ataque, sobe sem marcação e escolhe o canto direita de Ferreira para cabecear certeiro, sem defesa para o goleiro.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83