Rio de Janeiro, sexta-feira, 24 de novembro de 2017 - 18h10min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos

24/07/1985 - BRASIL (RS) 0 x 1 BANGU

FICHA TÉCNICA
Competição:
Taça de Ouro - Semifinal
Local:
Estádio Olímpico
Renda:
Cr$ 285.398.000,00
Público:
37.346 pagantes
Árbitro:
Luís carlos Antunes, auxiliado por Edevaldo Pereira e Joel Teixeira
 
João Luís, Nei Dias, Silva, Hélio e Jorge Batata; Doraci, Lívio e Alamir; Júnior Brasília, Bira (Márcio) e Canhotinho
Técncico: Valmir Douruz
Gilmar, Márcio, Jair, Oliveira e Baby; Israel, Lulinha e Mário; Marinho, João Cláudio e Ado (Gílson)
Técnico: Moisés
Bangu 1 x 0: Jorge Batata (contra), aos 27min do 2º tempo
Nei Dias e Lívio (Brasil); Márcio e João Cláudio (Bangu)
Clique na imagem para vê-la ampliada
       
 
Melhores momentos (Vitor Rafael)

. . . . . . . . . . . . . . .

Bangu vence e joga com vantagem no Maracanã
Fonte: Jornal O Globo

Ao derrotar o Brasil ontem à noite, no Estádio Olímpico, por 1 a 0 - gol contra de Jorge Batata - o Bangu garantiu praticamente sua presença na final da Taça de Ouro. De acordo com o regulamento, a igualdade nos resultados favorece a equipe carioca. Assim, domingo, no Maracanã, o Bangu poderá até perder pela diferença de um gol

PORTO ALEGRE - Com uma atuação espetacular do goleiro Gilmar e participação segura de seus zagueiros, o Bangu venceu o Brasil de Pelotas por 1 a O, ontem à noite, no Estádio Olímpico, dando um passo decisivo para garantir sua vaga nas finais da Taça de Ouro. O gol foi marcado por Ado, no segundo tempo, mas o juiz Luis Carlos Antunes lançou na súmula gol contra de Jorge Batata.

A vitória de 1 a 0 garantiu ao Bangu a cômoda situação de poder perder por diferença de um gol, domingo, no Maracanã. O jogo não chegou. A ser empolgante. Foi muito disputado, mas os times, em função de um estilo de marcação rigoroso, não conseguiram exibir um futebol de alto nível. O Brasil esteve sempre mais perto do gol. A atuação irretocável de Gilmar, porém, impediu que o time gaúcho chegasse a vitória.

Em pelo menos quatro defesas nos dois tempos, em cabeçadas e chutes fulminantes, Gilmar salvou sua equipe. No primeiro tempo, o Bangu levou um susto logo aos 40 segundos, num chute frontal de Lívio que Gilmar defendeu com a perna, e pareceu desorientado a maior parte dessa etapa. Só se equilibrou a partir dos 15 minutos, mas o Brasil logo retornou o domínio.

No segundo tempo, o time gaúcho pressionou e Gilmar foi aos poucos confirmando que seria a figura principal da partida. Fez defesas incríveis aos 11, 35 e 41 minutos garantindo a vitória, que surgiu num córner batido por Mário, aos 27 minutos. Ado tocou na bola de raspão, ela ainda bateu em Jorge Batata e entrou. A reação do Brasil esbarrou na exuberante atuação de Gilmar.


Atuações
Fonte: Jornal O Globo

GILMAR - Não bastasse uma série de incríveis defesas, foram seus os dois lances principais do jogo: um soco na bola, contra o próprio gol, e uma defesa de punho em chute de curta distância de Bira. Nota 10
MÁRCIO - No início, assustado, deu chutes sem direção e foi vencido algumas vezes. Depois, lutou de igual para igual com Canhotinho. Nota 7
JAIR - Salvou quase em cima da risca a bola que fora cabeceada por Bira, após o soco sem direção de Gilmar, Jogou 90 minutos com a exemplar seriedade de quem quer ser campeão. Nota 9.
OLIVEIRA - Outro que no começo estava com os nervos à flor da pele. Depois, dentro de seu feitio de muito suor e chutões, impôs respeito na área. Nota 8
BABY - Pouco apoiou o ataque. Na defesa, sem grandes lances ou jogadas que chamassem a atenção, simplesmente anulou Júnior Brasília e Nei Dias. Nota 8
ISRAEL - Contrariando seu estilo, jogou quase sempre preso à frente da linha de zaga, oferecendo positiva proteção aos companheiros. Quando procurou apoiar, fez com acerto. Nota 8
LULINHA - Num jogo muito embolado, cometeu o erro de tentar conduzir a bola no meio de campo, sempre com excesso de jogadores. Assim, perdeu muitas jogadas e atrasou seu time em outras. Nota 7
MÁRIO - Nem mesmo o excesso de jogadores no meio de campo fez com que perdesse sua visão de jogo, e sempre deu o melhor passe. Cobrou o córner com perfeição, no gol do Bangu. Nota 9.
MARINHO - Em alguns lances, errou pelo individualismo. Em outros prevaleceu exatamente pela habilidade. Nota 8
JOÃO CLÁUDIO - Valeu, mais que tudo, pelo espírito de luta com que combateu e disputou cada bola no meio de campo. Nota 7
ADO - Muito marcado, pouco pôde fazer, e afinal fez tudo: desviou a bola que o lateral Batata acabou tocando para a própria rede. Nota 8. GÍLSON - Jogou pouco. Sem nota

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83