Rio de Janeiro, quinta-feira, 21 de setembro de 2017 - 10h53min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos

31/07/1985 - BANGU 1 x 1 CORITIBA (PR)

FICHA TÉCNICA
Competição:
Taça de Ouro - Final
Local:
Maracanã
Renda:
Cr$ 848.064.000,00
Público:
91.527 pagantes
Árbitro:
Romualdo Arppi Filho, auxiliado por Osvaldo Campos e Joel Caires
Gilmar, Márcio, Jair, Oliveira e Baby; Israel, Lulinha (Gílson) e Mário; Marinho, João Cláudio (Pingo) e Ado
Técnico: Moisés
 
Rafael, André, Gomes, Heraldo e Dida; Almir (Vavá), Marildo (Marco Aurélio) e Tóbi; Lela, Índio e Édson
Técnico: Ênio Andrade
Bangu 0 x 1: Índio, aos 25min do 1º tempo
Bangu 1 x 1: Lulinha, aos 35min do 1º tempo
Bangu 5 x 6 (pênaltis): Gílson, Pingo, Baby, Mário e Marinho marcaram para o Bangu. Índio, Marco Aurélio, Edson, Lela, Vavá e Gomes marcaram para o Coritiba
Dida, Gomes e Rafael (Coritiba); Mário (Bangu)
Clique na imagem para vê-la ampliada
     
 
Melhores momentos 1º tempo (Rede Globo)
Melhores momentos 2º tempo (Rede Globo)
Melhores momentos Prorrogação (Rede Globo)
Pênaltis (Rede Globo)
Gol, o grande momento do futebol (Band)

. . . . . . . . . . . . . . .

Bangu pressiona 120 minutos e deixa escapar título
Fonte: Jornal do Brasil (Jorge Perri)

Está escrito na história da Taça de Ouro: o Coritiba é o campeão brasileiro de 1985. Derrotou o Bangu por 6 a 5 na decisão por pênaltis, ontem à noite, no Maracanã, depois de um tempo regulamentar e uma prorrogação que terminaram empatados em 1 a 1. Mas no jogo de futebol, na bola corrida, durante os 120 minutos da partida, quem esteve sempre melhor foi o Bangu, o grande injustiçado da noite.

Foi, acima de tudo, o time que mais procurou o gol, enquanto o Coritiba passou o segundo tempo e toda a prorrogação fazendo cera. Depois dos 5 a 5 na primeira série de pênaltis, Ado desperdiçou, cobrando para fora, e Gomes fez o gol que deu o título ao Coritiba.


Bangu melhor
Fonte: Jornal do Brasil

Foi um jogo muito bom em seu tempo regulamentar: o Bangu revelando-se um time mais técnico, de mais toque de bola; o Coritiba, um time mais de força física e bem distribuído em campo. Logo aos 3 minutos, Mário perdeu um gol feito, quando o excelente golerio Rafael salvou nos seus pés. O Coritiba abriu o marcador, aos 27 minutos, cobrando uma falta que Toby sofreu. Índio chutou com violência, sem defesa.

O Bangu empatou 10 minutos depois. Rafael fez grande defesa a córner e, na cobrança, a bola sobrou para Lulinha que enfiou o pé: a bola desviou num zagueiro e enganou o goleiro. O 1 a 1 do primeiro tempo foi justo. No segundo, o Coritiba procurou segurar mais o jogo e o Bangu cresceu, passando a dominar e a buscar mais o gol.

O técnico Moisés atendeu o pedido da torcida e colocou Pingo no lugar de João Cláudio. O Bangu melhorou mais ainda e aos 30 minutos veio o lance discutido: Lulinha passou a Marinho, que livrou-se de Rafael e fez o gol chutando entre as pernas do zagueiro. O bandeirinha Osvaldo Campos correu para o meio do campo, mas Romualdo Arpi Filho anulou o gol.

Na prorrogação, o jogo caiu, sobretudo porque o Coritiba queria visivelmente levar a decisão para os pênaltis e retardava o jogo como podia: o goleiro Rafael levou cartão amarelo por fazer cera. Além de tudo, o time estava cansado. O Bangu dominou completamente, Marinho fez três jogadas excelentes e só não marcou por falta de sorte.

Na série de cinco pênaltis para cada lado, todos os jogadores marcaram: para o Bangu, Gílson, Pingo, Baby, Mário e Marinho; para o Coritiba, Índio, Marco Aurélio, Édson, Lela e Vavá. Finalmente, na segunda série, Ado bateu mal para o Bangu e colocou para fora. O zagueiro Gomes cobrou para o Coritiba e fez o gol da vitória e do Campeonato.


E está mantida a tradição do 33

Fonte: Jornal do Brasil

O Bangu foi campeão carioca em 33 e 66. Será que esta cruel tradição que o persegue, de conquistar títulos importantes de 33 em 33 anos, vai continuar? Ontem, pelo menos, os deuses do futebol, se é que eles existem, estiveram ao lado desta tradição. Se estiver escrito assim, tudo bem, parabéns ao Coritiba campeão, que jogou um futebol frio, defensivo e calculista, e parabéns ainda mais efusivos ao Bangu, que soube atrair ao Maracanã, oficialmente, 91 mil pessoas, mas que o visual do estádio, quase todo lotado, mostrava ser muito mais.

E seus jogadores souberam responder com um jogo de intensa disputa e competição, onde não faltaram lances de rara beleza criativa do início ao fim. Como explicar os gols perdidos? Como explicar a bola de Marinho, que rolou de ponta a ponta sobre a linha do gol, até fugir manhosamente para desespero da torcida banguense? Torcida banguense? Ontem, todo o Rio era Bangu, a impor ao carioca tricolor, flamenguista, vascaíno ou alvinegro a sua cor vermelha e branca. Espetáculo por espetáculo, quem, torcedor de outro time, foi ao Maracanã, não saiu frustado de todo. E junto ao mar de bandeiras brancas e vermelhas, soube juntar o seu grito solidário, empunhando as bandeiras de seus clubes e fazendo soar bem alto seus cantos e sambas.

Fogos coloridos, banda carnavalesca de um lado, baterias da Mocidade Independente (escola de Bangu) estrategicamente colocadas no estádio e, coroando tudo isso, uma lua cheia sobre o estádio (pelo menos no início do jogo). Uma noite carioca e tropical (temperatura ambiente 24°) a cobrir um jogo eletrizante e que, em momento algum, deixou o Maracanã sequer parar para pensar. Então, parabéns uma vez mais ao Bangu, o time que fascinou o carioca.

Ado pede perdão
Fonte: Jornal do Brasil

- Me vendam, me vendam, por favor. Eu não posso mais enfrentar a torcida do Bangu. Estou arrasado, o destino não pode ser tão cruel assim comigo. Como posso voltar a encarar as crianças de Bangu, sendo o culpado pela derrota?

O desabafo desesperado no vestiário do Bangu, logo após a derrota, nos pênaltis, para o Coritiba, foi de Ado, o mais aplicado batedor de penalidades, de uma hora para outra transformado em protagonista principal de uma cena dramática. Mesmo sendo consolado por todos os companheiros, não parava de lastimar.

- E a minha família. Minha mãe, meu pai, a todos eu peço perdão, sei que eles vão me consolar quando eu chegar em casa, mas, na minha carreira, vai ficar para sempre esta marca. Nunca mais vai me abondonar. É terrível, não posso acreditar que esteja sendo protagonista desta tragédia.

De tão comovente a cena, Mário, também aos prantos, abraçou-se a Ado tentando consolá-lo:

- Ado, vamos em frente, a nossa jornada ainda não terminou. O Bangu vai voltar a ser novamente grande no Campeonato Estadual. E nem este juiz poderá nos prejudicar desta vez. Foi ele e não você quem perdeu o jogo.


A decepção de Marinho
Fonte: Jornal do Brasil

Todos choraram. Ado estava inconsolável. No seu desespero, falou até em parar de jogar futebol. Mário também sentiu muito a derrota nos pênaltis. De todos, o mais controlado era Marinho, justamente a grande estrela da equipe e que teve a chance de decidir o jogo, no gol anulado por Romualdo Arpi Filho:

- O gol foi legal. Tenho certeza. Eu vim de trás. O bandeirinha também achou, tanto que correu com a bandeira arriada. Até o Rafael pensou que a jogada estivesse correta. Saiu em cima de mim com decisão. Só o juiz viu o impedimento - lamentou Marinho.

Apesar do abatimento, Marinho fez questão de elogiar a equipe:

- O Bangu mostrou que tem um time para ser campeão. Foi o melhor de todos. O Coritiba jogou pensando apenas no empate, para decidir nos pênaltis. O Gilmar não teve o menor trabalho.

Para Marinho, a decisão por pênaltis não representa a melhor solução:

- Sempre acontece isso. O time melhor chega nos pênaltis desanimado, porque lutou para vencer no tempo normal. O outro, não. Já estava preparado para este tipo de decisão. E acaba vencendo.

Mesmo sem esconder o abatimento, o técnico Moisés, do Bangu, era a pessoa mais forte, depois da derrota, no vestiário. Sua preocupação era pensar no futuro, falar do Campeonato Estadual que começa no fim do mês e expressar sua certeza de que o time do Bangu será melhor ainda nesta próxima competição.

Moisés lembrou que sua equipe ainda é jovem e por isso acredita que os jogadores, daqui a uns quatro dias, já estarão recuperados do trauma que foi a derrota de ontem nos pênaltis. Sua atenção se voltava mais para o ponta-esquerda Ado, que perdeu o pênalti e estava completamente transtornado, dizendo inclusive que pretende abandonar o futebol. Moisés fez questão de abraçá-lo no vestiário, dando-lhe total apoio. Disse que Ado tem apenas 22 anos e que alegrias e decepções fazem parte da vida.

Quanto ao jogo em si, Moisés achou que o time esteve muito bem, procurou o gol insistentemente.

- Meu consolo - disse ele - é que o jogo foi transmitido pela televisão para o Brasil inteiro e todos viram o espetáculo. Acho que ninguém tem dúvida da superioridade do Bangu na decisão. Gilmar quase não fez defesas, enquanto o Bangu teve várias oportunidades de gol. Além disso, o goleiro deles, Rafael, foi um dos melhores jogadores em campo.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83