Rio de Janeiro, sábado, 21 de outubro de 2017 - 19h13min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos
Moça Bonita 29 de abril de 1990


Fernando Cruz tenta desarmar Bismarck durante a partida em que o Bangu literalmente jogou pelo Botafogo.

Era a última rodada do 2º Turno do Campeonato Carioca. O Fluminense, mesmo perdendo para o América, garantira o título da Taça Rio. O Vasco, campeão do 1º Turno, era o dono da Taça Guanabara e já tinha vaga assegurada na decisão. Mas, pelo regulamento da época, um terceiro clube – o Botafogo – poderia ambicionar participar da fase final do Carioca.

É que mesmo sem ganhar nenhum dos turnos, o Botafogo somava 32 pontos e era o líder de pontos na classificação geral do Campeonato. A situação, no entanto, era complicada para os alvinegros. Apesar de ter vencido o Flamengo, no sábado, por 2 a 0, era preciso torcer para que o Vasco, com 31 pontos, não vencesse o Bangu no domingo.

Ao Bangu, alijado de qualquer pretensão, o Campeonato já tinha terminado. Na classificação geral era o 6º colocado com 20 pontos em 21 jogos e não havia sequer a possibilidade de ultrapassar o América, 5º lugar com 25 pontos. Mas seria através dos esforços dos banguenses que a final do Carioca seria definida: ou Vasco x Fluminense ou uma decisão tripla com Vasco, Fluminense e Botafogo.

O jogo decisivo para vascaínos e botafoguenses aconteceu em Moça Bonita, com a presença de 7 mil pessoas.

Pelas arquibancadas, falava-se que o Botafogo tinha oferecido 100 dólares para cada jogador do Bangu, em caso de vitória. Coisa que nenhum banguense ousou confirmar.

O Vasco, repleto de craques, como Bebeto, Bismarck, William era o favorito, até porque era também o atual campeão brasileiro. O Bangu, do técnico Paulo Lumumba, vinha de duas derrotas consecutivas, para o América de Três Rios e para o Flamengo.

O 1º tempo foi disputado em “banho-maria”, ninguém ousou muito e o empate em 0 a 0 era o resultado justo para tamanho desinteresse.

Como num passe de mágica, tudo mudou para o 2º tempo, pelo menos do lado alvirrubro. As emoções começaram a surgir logo aos 3 minutos. O baixinho Gilson recebeu livre na área, ajeitou e chutou forte. O travessão salvou o goleiro vascaíno Acácio de levar o gol.

A torcida nas sociais de Moça Bonita – composta por banguenses e botafoguenses – recebia uma injeção de ânimo.

Aos 15 minutos, enfim, o gol. Gilson tocou para Julinho, que driblou Cássio e cruzou para Cláudio José completar: Bangu 1 a 0.

Em desvantagem, o Vasco finalmente acordou. Tentou ir ao ataque e se esqueceu da defesa. Era a chance que o Bangu precisava. Sales cobrou uma falta direta para Cláudio José. O atacante aproveitou uma saída em falso do goleiro Acácio e, com a bola nos pés, só empurrou para as redes: Bangu 2 a 0! A torcida do Botafogo comemorava como se fosse um gol legitimamente alvinegro.

Mas, o Vasco era um timaço e reagiu dois minutos após sofrer o gol. Aos 27, Bebeto recebeu lançamento na área, driblou o zagueiro Eduardo e chutou forte no canto esquerdo do goleiro Wagner, diminuindo a vantagem.

Foram mais 18 minutos de bola rolando. O Vasco desperdiçou duas boas chances e o Bangu soube garantir a vitória que, se serviu para manter o clube em 6º lugar na classificação geral, foi muito mais proveitosa para o Botafogo, que derrotou o Vasco por 32 a 31 na soma geral dos pontos e se classificou para a decisão, mantendo vivo o sonho do bi.

O artilheiro da tarde, Cláudio José, declarou que estava satisfeito, pois mostrou ao ex-clube o “seu verdadeiro valor”. O camisa 9 do Bangu tinha jogado pelo Vasco entre 1984 e 1985 e não conseguiu se firmar em São Januário.


Macula briga pela bola com William e leva vantagem.

Campeonato Carioca 1990
     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83