Rio de Janeiro, terça-feira, 26 de setembro de 2017 - 04h20min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informa��o » Por onde anda?
ARTURZINHO, ex-jogador do Bangu
25/08/08
 

O Rei Artur de Moça Bonita

Durante a partida Brasiliense 2 x 3 Bahia, em Taguatinga, Distrito Federal, tive o privilégio de conversar com um craque, um desses gênios eternos da história do Bangu Atlético Clube: ninguém menos que Artur dos Santos Lima, ou Arturzinho, ou ainda Rei Artur, autor de 90 gols em 251 jogos (96v, 86e, 69d) pelo time de Moça Bonita – oitavo artilheiro em todos os tempos.

Arturzinho chamou a atenção do Patrono Castor de Andrade em 1982, depois que o Bangu enfrentou duas vezes o Operário/MS. O baixinho era o craque do time deles, e a partir de julho daquele ano, Arturzinho passou a fazer parte do plantel alvirrubro. Seu melhor momento, no entanto, só viria em 1983: “A melhor partida que fiz pelo Bangu? Ah, essa é fácil, foi aquele 6 a 2 sobre o Flamengo, em que fiz quatro gols” – revela o ex-jogador, atualmente com 52 anos, que conseguiu recentemente rever os seus gols através do site www.bangu.net.

O Rei Artur, apelido que ganhou após sua brilhante participação no Campeonato Carioca de 1983, saiu do clube em 1984 – indo jogar no Vasco e também não estava presente na campanha do vice brasileiro de 1985 – na época, vestia o uniforme do Corinthians. Mas retornou no segundo semestre daquele ano para disputar um novo Campeonato Carioca. Provavelmente, se o José Roberto Wright não fosse desonesto e marcasse o pênalti no minuto final, seria Arturzinho quem iria cobrá-lo. “Perdemos a final de forma roubada pro Flu. Você já viu o lance do pênalti no Cláudio Adão?” – pergunta indignado.

Para um jogador que viveu os maravilhosos momentos da década de 80, é fácil rememorar a história. “O Bangu não ganhou os títulos porque, além de ser sempre roubado, não era um time de massa. Nós ficamos quatro anos sem perder para o Vasco (de 1983 a 1987), você sabe o que é isso? Ganhávamos sempre do Botafogo e do América, fazíamos jogo duro com o Flamengo e só ficávamos em desvantagem para o Fluminense. Não é mole não” – conta orgulhoso o atual técnico do Bahia, time que disputa a Série-B do Campeonato Brasileiro.

Arturzinho considera que seus melhores amigos em Moça Bonita foram os craques Mário e Marinho e lembra até hoje de sua última partida pelo clube. Depois de sair em 1991, ele tentou voltar em 1995, atuou apenas uma vez, contra o Goaituba/GO, e acabou expulso de campo. “Eu fui pra ajudar e terminei expulso. Daí eu não quis mais saber daquilo não. Já estava em fim de carreira”.

E o Bangu de hoje, Arturzinho? O treinador, que inclusive esteve cotado antes da contratação de Antônio Carlos Roy, é cruel: “É lamentável o time do Bangu. Não tem possibilidade de nada. Bem diferente da equipe que nós montamos. Acabou o profissionalismo. Querem jogador só para vender”.

Carlos Molinari
Pesquisador da história do Bangu Atlético Clube.
     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83