Rio de Janeiro, sexta-feira, 17 de novembro de 2017 - 15h29min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informa��o » Por onde anda?
DÉ, ex-jogador e treinador do Bangu
03/05/2010
 

Todo mundo conhece o Dé. E depois deste campeonato estadual, todo mundo sabe que ele anda pelos lados da Rua Bariri, treinando o Olaria. O que pouca gente sabe é que o nome completo dele é Domingos Elias Alves Pedra,  nascido no dia 16 de abril de 1948 (véspera do aniversário do Bangu) e pior, torcedor convicto do América.

Dé foi atacante de muito sucesso no Bangu dos anos 60 (entre 1967 e 1970) e depois regressou em 1980, ficando até 1981. Com isso, Dé totalizou 127 jogos, com 43 vitórias, 33 empates e 51 derrotas, marcou 34 gols e foi expulso duas vezes de campo.

Chegou ao Bangu após uma preliminar dos profissionais em 1966, quando fez três gols pelo Olaria num empate em 4 x 4. Em dezembro daquele mesmo ano foi contratado e se apresentou em Moça Bonita no dia 4 de janeiro de 1967. Diz que "teve sorte", afinal Cabralzinho logo seria trocado por Mário Tilico, do Fluminense, e Ladeira , com a imagem desgastada no clube, "por ter corrido do pau na final contra o Flamengo". Com isso, no dia 21 de julho de 1967, estreava entre os profissionais, pelas mãos do técnico Martim Francisco.

A partida inicial, contra o Fluminense, foi marcada por muita sorte do Bangu e de Dé. "Com 17 anos estreei contra o Fluminense e fiz gol no jogo em que Nelson Rodrigues criou a expressão do 'Sobrenatural de Almeida', pois tomamos uma pressão com sete bolas na trave, mas o Bangu saiu vencedor". De fato, o Bangu ganhou por 2 x 0, mas o Fluminense "só" colocou quatro bolas na trave.

Dé ficou no Bangu até 1970, quando o clube sofreu imensa pressão para vendê-lo. Sem recursos financeiros, com o caixa em baixa, apesar de ser considerado "patrimônio do clube", a diretoria não teve outra solução a não ser vendê-lo para o Vasco. Mas ele regressaria em 1980, quando o Bangu montou uma equipe de veteranos sob a chancela de Castor de Andrade. O retorno, no entanto, não rendeu grandes atuações e, ao final de 1981, ele deixou Moça Bonita.

Voltou em 1988 e em 1992 para dirigir o time de profissionais, sem qualquer sucesso.

Dois grandes momentos do atacante ocorreram em gols antológicos, quase folclóricos. O gol do gelo, em que atirou uma pedra de gelo na bola, que estava sob a posse do zagueiro Reyes, do Flamengo, e partiu sozinho para fazer o gol; e o gol da areia, quando numa cobrança de falta para a área, esperou o momento que o goleiro Andrada, do Vasco, saiu para fazer a defesa e atirou um punhado de terra no rosto do argentino. A bola entrou direto.

Carlos Molinari
Pesquisador da história do Bangu Atlético Clube.
     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83