Rio de Janeiro, terça-feira, 26 de setembro de 2017 - 04h18min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informa��o » Por onde anda?
PINHEIRO, ex-treinador do Bangu
13/06/2010
 

"Futebol é título e quem ganha título é feliz"

O autor da frase acima é o ex-técnico João Batista Carlos Pinheiro, ou simplesmente Pinheiro, atualmente com 78 anos, e que pode se gabar de ter sido campeão pelo Bangu em 1987. Mais ainda, Pinheiro pode dizer que foi o responsável pela última volta olímpica do Bangu no Maracanã, com a conquista da Taça Rio. 

Hoje, Pinheiro mora na Tijuca e é dono de uma pizzaria no Recreio dos Bandeirantes. O vitorioso treinador explicou como chegou até Moça Bonita. Antes do Bangu, Pinheiro tinha feito boas campanhas comandando o Goytacaz em 1985 e o América em 1986. Depois que o alvirrubro fez má campanha da Taça Guanabara de 1987, Pinheiro foi sondado por Castor de Andrade para treinar o time na Taça Rio.

"Eu estava trabalhando na Arábia e vim ao Brasil, acabei me encontrando com o Castor de Andrade na praia. Saí da Arábia, acreditando no Castor. Ele disse que cobriria o meu ordenado e disse que eu teria tudo o que precisasse. Mas eu respondi que desejava apenas ter condições de trabalho, escalar o time que desejasse, sem interferências, e acabou que foi a minha mulher quem conversou com o Castor sobre as bases. Desde entao, ele passou a me tratar como se eu fosse da familia dele".

Em 1987, foram apenas 15 jogos, com 12 vitórias e três empates. Pinheiro saiu invicto e voltou para a Arábia Saudita, deixando o Bangu "sem pai, nem mãe" para as finais do Campeonato, quando perdeu para Vasco e Flamengo, ficando em terceiro lugar.

"Meu momento mais marcante foi a montagem do grupo. Fiz o ajuste de algumas peças, reposicionei alguns jogadores. Dei uma arrumada na casa. Não fazia preleção no vestiario antes de jogo, todo mundo já sabia o que fazer, era tudo levado na conversa, mas a diferenca é que durante a semana a gente trabalhava muito sério, mesmo com a descontração habitual do Bangu"

Claro que o trabalho de Pinheiro foi facilitado pela quantidade de craques que o clube tinha na época: Marinho, Paulinho Criciúma, Oliveira, Mauro Galvão e Toby.  

"Era um time muito bom, de jogadores experientes. Minha contribuição foi apenas um ajuste, um reposicionamento. Procurava extrair aquilo que cada um tinha de melhor" - confessa humildemente.

Pinheiro considera a vitória sobre o Vasco por 1 a 0, no Maracanã, com gol de letra de Nando, como o melhor momento daquele grupo. Depois, ainda voltou ao clube em 1989, mas naufragou completamente durante o Campeonato Carioca, sendo substituído por Didi.

No total, Pinheiro comandou o time em 29 partidas, com 15 vitórias, 8 empates e 6 derrotas.

Carlos Molinari e Fabio Menezes
     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83