Rio de Janeiro, terça-feira, 26 de setembro de 2017 - 04h23min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informa��o » Por onde anda?
MARCO ANTÔNIO, ex-jogador do Bangu
27/06/2010
 

Campeão mundial em Bangu

Marco Antônio Feliciano, ex-lateral-esquerdo, hoje com 59 anos, é um tricampeão mundial que jogou no Bangu. Na Copa de 70, Marco Antônio jogou contra a Romênia e o Peru. Em 1981, ele foi contratado por Castor de Andrade para vestir a camisa alvirrubra quando estava com 30 anos e no auge da forma.

Antes do Bangu, Marco Antônio jogava pelo Vasco, mas nem ele mesmo sabe por qual valor foi vendido. Fato curioso é que o lateral-esquedo lembra de cor as escalações do Bangu de 1981, 1982 e 1983. Recitou todas, uma a uma, deixando qualquer torcedor surpreso, ainda mais se levarmos em conta que ele atuou em vários clubes.

Em 1983, deixou Moça Bonita para atuar pelo Botafogo e registrou em sua passagem 106 jogos, com 48 vitórias, 34 empates, 24 derrotas e 7 gols marcados. Além dos números, o tempo fez com que Marco Antônio concretizasse uma boa amizade com Marinho, Mococa, Tecão e Renê.

A partida mais marcante que disputou foi contra o Botafogo de Ribeirão Preto pelo Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão de 1983. O empate em 1 a 1, em Moça Bonita, impediu o Bangu de subir para a Primeira Divisão:

"O Bangu errou em ter ido com tudo pra cima desde o início. Podia ter cadenciado e matado o jogo na boa. O Bangu tinha tudo para ir muito mais longe naquele ano. Lembro do meu gol de falta que foi importante, mas não deu para sair com a vitória. A torcida empurrou, pressionou e até foguete jogou pra cima dos caras do Botafogo..."

O tricampeão do mundo citou os três técnicos que teve: Décio Esteves, Jorge Vieira e João Francisco e esclareceu um dos episódios mais polêmicos de sua passagem: os tiros que Castor deu para o alto para fazê-lo treinar.

"É verdade. Eu dormia no treino. Isso aconteceu porque tinha acabado de ficar viúvo. Estava deprimido, triste, cansado, sem dormir. O "homem" pegou a arma e largou o dedo mesmo, não foi pra cima não!"

Na época, Marco Antônio morava em Ipanema e tinha, pode-se dizer, uma vida "nababesca" no Rio: "Tudo o que eu pedia o 'homem' me dava. Nunca me faltou nada". E para ilustrar tamanha época de fartura no Bangu, ele lembrou essa história:

"Quando cheguei ao clube com o Renê o Castor nos levou pra dar uma volta de Mercedes pelo bairro. Eu estava triste na época e ele me perguntou a razão. Haviam roubado o meu carro e ele me mandou passar na concessionária dele para pegar um. Acabou que algumas semanas depois acharam o meu carro em Ponta Porã e eu acabei ficando com dois".

Outro ponto que não há como deixar de citar são os polpudos bichos do Dr. Castor... nessa hora, Marco Antônio abre um largo sorriso:

"Pouca gente sabe, mas depois do tiro e sabendo da minha tristeza, o Castor me deu algo como se fosse hoje uns 5 mil reais. Eu sempre recebia em dinheiro, nunca em cheque. Mas tinha uma lógica: jogo do bicho não aceita cheque, não tem conta em banco".

E o Bangu de hoje? Como será que o tricampeão analise a situação do clube?

"Espero que surjam pessoas interessadas em apoiar o clube, patrocinando, principalmente pelo potencial e o nome que tem."

Palavras do único tricampeão do mundo a jogar pelo Bangu.

Carlos Molinari e Fabio Menezes
     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83