Rio de Janeiro, terça-feira, 26 de setembro de 2017 - 04h22min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informa��o » Por onde anda?
JÚLIO GALVÃO, ex-goleiro do Bangu
02/08/10
 

716 minutos sem sofrer gols

Pouca gente sabe, mas Júlio César Galvão Oliveira em sua época de goleiro do Bangu, entre 1981 e 1986, conseguiu um recorde difícil de ser quebrado: ficou 716 minutos sem sofrer gols em partidas oficiais, pelo Campeonato Carioca.

O recorde começou aos 15 minutos do 2º tempo de um jogo contra o Olaria, no qual Júlio Galvão levou um gol de pênalti, batido por Toninho. Depois disso, ficou com a meta inviolada nas vitórias por 2 a 0 sobre o Madureira, 2 a 0 sobre o mesmo Olaria, 2 a 0 sobre o Serrano, 0 a 0 com o Flamengo, 0 a 0 com o Campo Grande, 3 a 0 sobre o Fluminense e 0 a 0 com o Botafogo. Só foi sofrer outro gol aos 13 minutos do 2º tempo de um jogo contra o Americano.

Mesmo com o recorde, Júlio Galvão sempre teve dificuldade para se firmar como titular da camisa 1 banguense, por isso, sempre "esquentou" banco para nomes como Tobias, Tião, Toinho e Gilmar. No total, Júlio Galvão fez apenas 39 partidas pelo Bangu, com 22 vitórias, 10 empates, 7 derrotas e apenas 29 gols sofridos.

Hoje ele trabalha no UPA da Penha e mora ali pertinho, em Bonsucesso.

Aliás, foi no Bonsucesso que ele começou a carreira e de lá saiu para o Bangu em 1981. Viveu os melhores momentos da equipe de Moça Bonita e só saiu em 1986, voltando para o próprio Bonsucesso.

Seu jogo marcante foi contra o Cruzeiro, no Mineirão, pelo Campeonato Brasileiro de 1982. O Cruzeiro venceu por 2 a 1, mas Júlio Galvão pôde se orgulhar de não levar gols de Nelinho, um exímio cobrador de faltas e chutes de longa distância.

Dos seus tempos de jogador, Júlio guarda ótimas lembranças:

"O Bangu tinha times fantásticos, incríveis, na época em que joguei. Pena não ter sido campeão, mas guardo recordações sensacionais do clube, das pessoas. Até hoje ainda tenho algum contato com o Marinho".

Carlos Molinari e Fabio Menezes
     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83