Rio de Janeiro, quarta-feira, 22 de novembro de 2017 - 20h08min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Reportagens

BANGU SE ARMA PARA REVIVER A GRANDE EQUIPE DOS ANOS 60

Não foi uma volta olímpica das mais animadas. O jogo terminara antes do tempo, em seguida a uma histórica pancadaria promovida pelo atacante Almir. Mas os jogadores do Bangu, camisas suadas, alguns exibindo hematomas causados pela descarga de socos e pontapés de parte a parte, desfilavam seu triunfo diante da surpresa torcida do Flamengo, certa da conquista de mais um título carioca naquele 18 de dezembro de 1966, afinal de posse do adversário. No placar, a marca indelével da autoridade técnica de um legítimo campeão: 3 a 0, números que seguramente seriam dilatados caso a partida completasse os 90 minutos. Um time de respeito esse que vai correndo pelo campo. Ubirajara, Fidélis, Mário Tito, Luís Alberto e Ari Clemente, Jaime e Ocimar, Paulo Borges, Ladeira, Cabralzinho e Aladim.

Na boca do túnel, um dirigente de talhe esguio, óculos escuros, roupa esporte, vibrava e chorava até sofrer um súbito desmaio, do qual se refez rapidamente e a tempo de ser abraçado por torcedores e, sobretudo, pelos jogadores, a reconhecerem no todo-poderoso Castor de Andrade o homem que lhes ofereceu condições de chegar àquele monumento inesquecível.

Janeiro de 1980. Quatorze anos depois, uma nova diretoria toma posse no clube e o destino volta a reunir o mesmo homem e o mesmo clube, para o mesmo objetivo. Reviver as glórias de um passado recente. A contratação de cinco jogadores conhecidos, Tobias, Moisés, Dé, Carlos Roberto e Caio Cambalhota é apenas o primeiro passo.

São 18h e as luzes do velho estádio proletário de Moça Bonita, hoje Guilherme da Silveira, que por lá viu passar nomes ilustres como Domingos da Guia, Zizinho, o bicampeão mundial Zózimo, Parada, Paulo Borges e outros, começam a se acender para receber os novos reforços, todos eles com contrato com o Bangu, mas confiando mais no poderio financeiro de Castor de Andrade.

E o maior exemplo disso é o de Dé. Ele tem tanta convicção em Castor, que chegou a recusar uma transferência para o Recife, só para ficar no Bangu:

- O que conta para mim é a admiração e amizade que tenho por Castor, de quem sou amigo há 10 anos. Ele me ligou e pediu para levantar o Bangu. Nesse mesmo dia o Botafogo tinha me vendido para o Sport Recife e eu ia ganhar Cr$ 1 milhão de luvas. Coloquei Castor no telefone e ele conseguiu minha liberação, acertando meu empréstimo por oito meses por Cr$ 300 mil de luvas e o mesmo salário do Botafogo. Mas não vim por dinheiro e sim por reconhecimento. Claro, se houver chance de ganhar dinheiro, melhor ainda.

E os outros? Todos demonstram a mesma satisfação em atuar pelo Bangu. Moisés chega a afirmar que não viria se não tivesse confiança no dirigente: "Afinal são 12 anos de carreira disputando títulos em grandes clubes e não iria correr o risco de atuar numa equipe chamada pequena se não houvesse chance de se formar um bom time".

Tobias, Carlos Roberto e Caio são da mesma opinião. Para eles, o importante é haver uma boa estrutura e o clube está conseguindo isso, misturando jogadores mais experientes com outros mais novos, como ex-juvenil Tita, do Botafogo, ou Luisão, o goleador e ídolo da torcida.

E para Luisão, a contratação de reforços só veio lhe facilitar a conquista de mais gols:

- Sinto que as coisas estão indo bem, e está até mais fácil de jogar. Além disso os prêmios estão aparecendo e os bons jogadores preparados no Bangu estão sendo prestigiados.

Dirigir jogadores experientes e que sabem tudo de bola não é nenhum problema para Ananias, atual treinador e antigo jogador do clube, onde fez de tudo, desde gandula, até de enfermeiro, passando pelos dentes-de-leite, infantil, juvenil, aspirante e profissional, enquanto conversa com seu auxiliar, Neco, outro que realizou praticamente toda sua carreira no clube:

- O comportamento dos jogadores está excelente e no campo procuro deixá-los à vontade sem querer inventar nada. Somos líderes da Taça de Prata em nosso grupo, e a tendência é só melhorar com o tempo, assim que conseguirmos um melhor entrosamento. Além disso, estamos esperando mais alguns reforços, como Ademir Vicente, ex-Botafogo, e vamos incomodar bastante já na Taça de Ouro.

A campanha do Bangu vem animando os dirigentes que não esperavam resultados tão bons, no pouco tempo de treinamento que o time teve. Nas últimas partidas chegou a golear o Serrano por 4 a 1, e o Noreste por 2 a 0 com a seguinte equipe: Tobias, Rodrigues (ex-São Cristóvão), Moisés, Ademir e Cacau; Carlos Roberto, Tita e Paulo Roberto; Luisão, Caio e Dé.

O vice-presidente Rui Esteves explica que o trabalho da atual diretoria começou em janeiro quando tomou posse já em cima da disputa da Taça de Prata, e teve pouco tempo para formar a equipe. Assim, contratou sete reforços mais experientes e manteve os que se destacaram na temporada passada.

Para Rui, a tranquilidade existente em todo clube hoje é devido a dois fatores: o grande quadro social, composto de 16 mil sócios, e o apoio de Castor. A folha de pagamento chega a Cr$ 1 milhão por mês, e mesmo sabendo que a média de renda do clube tem sido de Cr$ 100 mil na Taça de Prata, não se preocupa:

- Já sabíamos que iríamos perder dinheiro no começo, mas pretendemos recuperar tudo com a disputa da Taça de Ouro e o Campeonato Carioca. O Bangu está com 16 mil sócios, o patrimônio aumentou, a sede foi comprada à Fábrica Bangu de Tecidos e o próximo passo será a compra do estádio. A área onde estamos situados só tende a crescer e existem poucas opções de lazer. Assim seremos sempre a melhor opção.

- A faixa de salário de nossos jogadores está dividida em dois grupos - quem explica é o diretor de futebol Antônio Fernandes Filho. Para os jogaodres mais conhecidos: Cr$ 50 mil; para os menos conhecidos, Cr$ 25 mil. Embora reclamando das despesas, para ele o maior problema foi organizar o departamento de futebol, "muito abandonado pela diretoria anterior", e explica:

- Reformulamos todo o estádio, a concentração, organizamos um Departamento Médico, contratamos roupeiro e estamos tratando de criar toda uma estrutura como a dos grandes clubes, pois só assim voltaremos a atrair a torcida aos campos de futebol.

E a grande preocupação de todos é exatamente esta. Como reagirá a torcida? Se depender dos dirigentes, ela pode voltar tranquila, pois o objetivo do clube na sua primeira etapa é ser o melhor dos pequenos e incomodar os cinco grandes. Depois é disputar o título em pé de igualdade com eles. E quem conhece Castor de Andrade sabe que ele costuma cumprir suas promessas. Exatamente como em 1966.


Repórter: Marcos Penido.
Fonte: Jornal do Brasil, 23 de março de 1980.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83