Rio de Janeiro, sábado, 23 de setembro de 2017 - 06h13min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Reportagens

AGORA É COM O FLU

Para ser tri, o Fluminense terá de ganhar do Bangu, que eliminou o Flamengo e só depende de um empate

Fluminense ou Bangu. Um deles nesta semana será o campeão carioca da atual temporada. Para o Fluminense a decisão representa muito mais que um simples título, já que corre atrás de seu primeiro tricampeonato da era Maracanã. Para o Bangu, representa a alegria de ser mais uma vez o campeão carioca, título que vem perseguindo desde 1966, há 19 anos, portanto. Com essa expectativa, os tricolores iniciaram a semana em agitados preparativos. Enquanto nas Laranjeiras o técnico Nelsinho e o preparador físico Lúcio Novelli tentavam dar força física e tática aos jogadores, nas salas do Maracanã a torcida começava a armazenar pó-de-arroz em centenas de saquinhos plásticos. Eles são atirados no ar no instante em que o time entra em campo carregando uma enorme bandeira verde, branca e vermelha. Além disso, dezenas de rolos de papel e bandeirinhas brancas, que serão distribuídas a diversos setores da torcida, estavam sendo providenciadas. Além, é óbvio, dos fogos de artifício que a torcida consegue passar escondido, pois seu uso é proibido no estádio. “Faremos uma festa de gala”, diziam os chefes de torcidas. Quer dizer, isso se o Bangu deixar que a festa prossiga durante e depois do jogo.

Nelsinho, um atento observador no Maracanã, domingo, quando o Bangu deu um grande passo para o título ao vencer o Flamengo, com méritos, por 2 x 1, optou pelo equilíbrio em suas declarações. Afinal, o Bangu não é apenas um time bem-armado sob a liderança de Moisés. Tem também o craque Marinho, que desequilibrou contra o Flamengo, marcando de cabeça o primeiro gol, aos 17 minutos do segundo tempo, após uma falha de Leandro: perdeu uma bola para Márcio, que cruzou para o ponta-direita cabecear no canto. E tem, ainda, o goleiro Gilmar, uma barreira na frente das pretensões dos rubro-negros, que já planejavam a comemoração do título.

Por sua vez, Nelsinho, que no intervalo do jogo de domingo cantou a vitória do Bangu no segundo tempo, ao ver “o Flamengo cansar e o Bangu se acalmando ao botar a bola no chão”, preferiu não arriscar um palpite. Criticou os contra-ataques do Fluminense no Fla-Flu da quarta-feira da semana passada, apontando a má atuação individual de Tato e Romerito, elogiou a segurança do quarto-zagueiro banguense, o professor de português Oliveira, considerou arriscada a escalação de Perivaldo, há nove meses sem jogar, e, no final, quando já saía do Maracanã, revelou: “Para nós, na decisão com o Bangu, é vencer ou vencer”, um lema utilizado desde a gestão do ex-presidente Francisco Horta, bicampeão em 1975 e 76.

Trocando em miúdos, o técnico tricolor quis dizer que o Fluminense vai à luta, partindo para cima do Bangu, para tentar o gol, “com as devidas cautelas”, já que o empate dá o título ao time de Moça Bonita. Taticamente, ele agiu como o técnico Moisés, mais tarde, no vestiário vitorioso do Bangu: não mencionou o pulo do gato. “O Fluminense é um perigo à frente de nossas pretensões”, dizia Moisés em meio a um sorriso que demonstrava a confiança no grupo de jogadores do Bangu. E completava: “Eles jogaram meio sem ritmo no Fla-Flu da semana passada. Por isso, eu disse às rádios e jornais que o Fluminense era o mais fraco entre os três finalistas. Mas, com os dias que tiveram para se recompor... o Fluminense, pela bagagem que carrega, já diz tudo. Não é à toa que é o bicampeão carioca e foi o campeão brasileiro do ano passado. É um dos melhores times do Brasil. Só posso dizer que vai ser uma decisão maravilhosa. Mas acredito na categoria do Bangu”.

Ao comentar a possibilidade de ser campeão com um empate, nem vacilou: “Vamos nos prevalecer dessa vantagem”. E riu, como se dissesse “não viram como acabamos de despachar o Flamengo?” Todos viram, é claro. Um Bangu arrumadíssimo na defesa, atuando com um bloqueio tão bem-feito que chegou a levar a galera do Flamengo (93.433 pagantes e renda de 1.737.930.000 cruzeiros) à loucura. Claro que o time rubro-negro teve várias oportunidades de gol, instantes em que o goleiro Gilmar fez defesas seguras e importantes, como num chute de Chiquinho, ainda no primeiro tempo. Mas o que aumentou a confiança de Moisés foi a colocação correta e a frieza de sua defesa nos momentos de maior pressão do Flamengo.

Se nas cadeiras especiais e cabines de rádio o técnico Zagalo e o jogador Zico se dividiam, como, aliás, grande parte dos torcedores, entre o sorteio dos grupos da Copa do Mundo, no México, e o jogo (Zagalo considerou o sorteio bom para a Seleção Brasileira, mas disse que o Brasil não tem de ter medo de ninguém, enquanto Zico até preferia um grupo mais forte do que, a princípio, para ser este formado por Espanha, Argélia e Irlanda do Norte), os jogadores do Bangu preferiam falar mesmo é da decisão com o Fluminense. Arturzinho, ainda eufórico com o gol, o segundo do Bangu, um cruzamento de Ado, que escorou de pé direito, aos 21 minutos do segundo tempo, fazendo 2 x 0 (Bebeto descontaria mais tarde para 2 x 1, o marcador final), desabafava: “Que critiquem a mim e a Marinho, como fizeram outro dia. Somos tarimbados e sabemos dar a volta por cima. Mostramos, ele, eu e todos os companheiros, que também sabemos disputar uma decisão”.

Parecia repetir as palavras do patrono Castor de Andrade, o dono do time, ao deixar uma cabine de rádio, formando uma figa com os dedos da mão esquerda: “Meu time mostrou que não é formado por covardes”.

Fonte: Revista Placar, nº 813, 20/12/1985.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83