Rio de Janeiro, sexta-feira, 17 de novembro de 2017 - 15h41min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Reportagens

LIBERTADORES: BANGU APOSTA NA CATIMBA
O vice-campeão brasileiro inicia uma grande aventura e confia na malandragem de sua comissão técnica para ir à forra do Coritiba

Junto com as bolas, meiões, ataduras, uniformes, agasalhos e caneleiras, o Bangu incorporou um item insólito na bagagem para sua estréia na disputa da Libertadores da América, a partir do próximo dia 1º: 15 kg de feijão-preto e 10 kg de carne-seca, costelinha, paio, lingüiça, toucinho e temperos como alho, sal e cebola. Tudo para que os jogadores não sintam muita falta do Brasil em seu périplo pelo Equador.

E, para transformar todos esses ingredientes na brasileiríssima feijoada, que tanto delicia os banguenses, a cozinheira da Toca do Castor - concentração do clube -, dona Teresinha da Cunha Nunes, já está integrada à delegação. Nada de mais para um time que, mesmo sem torcida e tradição, já chegou ao vice-campeonato brasileiro e carioca - e, além de tudo, tem como presidente de honra e "protetor" um dos maiores banqueiros de jogo do bicho do Rio de Janeiro, Castor de Andrade. O Bangu é, realmente, uma equipe sui generis.

Tamanho sucesso o Bangu só conheceu em duas ocasiões de sua longa vida esportiva: 1933 e 1966. Foram os anos de seu únicos títulos de campeão carioca. E agora, escorado no dinheiro e na paixão de Castor, na malandragem do técnico Moisés e no talento do craque Marinho, atualmente na Seleção Brasileira, o Bangu chegou à Libertadores. E já sonha com a final do Mundial Interclubes em Tóquio.

E é na base da catimba e da esperteza que o Bangu pretende levar a cobiçada taça para casa. Afastado da disputada da Taça Guanabara (primeiro turno do Campeonato Carioca), o clube tratou de investir forte na competição. Marinho trocou a Toca do Castor pela Toca da Raposa? Tudo bem! Moisés trouxe Toby, do Coritiba; Ricardo, do Paulista de Jundiaí; Márcio Rossini, do Santos; Fajardo, do Friburguense; e Filipe, do Bonsucesso. Com esses reforços, foram gastos cerca de 2 milhões de cruzados. Não é muito para quem fatura algo em torno disso, a cada dois dias, com o jogo do bicho.

Ágil, Castor já deu também o primeiro drible no jogo do tapetão. Sua grande vitória, fora do campo, foi marcar as duas partidas com os times equatorianos, o Barcelona, de Guaiaquil, e o Deportivo, de Quito, para o Estádio de Moça Bonita, em Bangu. É de fato uma façanha, pois a Confederação Sul-Americana exige estádios com capacidade para 25.000 pessoas enquanto Moça Bonita só comporta 15.000. Para isso, Castor contou com a boa vontade do Coritiba, que também preferiu enfrentar os equatorianos em seu estádio, o Couto Pereira, cuja segurança está ameaçada por um problema na sustentação da cobertura das sociais. Uma evidente troca de gentilezas, que Castor retribuiu com a decisão de transferir o jogo entre ambos do apertado, esburacado, porém conhecido, campo de Moça Bonita para o Maracanã.

No Bangu - como aliás acontece no Coritiba -, todos estão convencidos de que essa partida será a realmente decisiva do grupo. "A sede de revanche vai nos ajudar", prevê Moisés, lembrando-se da derrota, nos pênaltis, na final da Taça de Ouro de 1985. Mas, de início, as atenções estão mesmo voltadas para os desconhecidos Barcelona e Deportivo. Assim, nesta sexta-feira, dia 18, com duas semanas de antecedência. Moisés já viaja para lá. Oficialmente, irá reservar hotéis e campos para treinamento. Na verdade, ele vai é espionar a estréia do Coritiba, contra os equatorianos e um dos jogos entre eles.

Mas o Bangu ainda tem um ás na manga, que é a sua comissão técnica. O supervisor Neco (ex-lateral-direito), o técnico Moisés (ex-zagueiro-central), o treinador de goleiros Paulo Lumumba (ex-quarto-zagueiro) e o assistente Alfinete (ex-lateral-direito) foram uma zaga de respeito, bem ao estilo do torneio: viris, trombadores e vigorosos. E com a vantagem de todos terem disputado pelo menos uma Libertadores. Neco foi o que jogou a mais remota entre os quatro - em 1962, pelo Cerro Porteño, de Assunção, ao qual estava emprestado pelo próprio Bangu. Lumumba participou pelo Fluminense em 1971; e Alfinete, pelo Vasco, em 1975. O treinador Moisés jogou pelo Vasco, em 1975, e pelo Corinthians, em 1977.

Se o jogo duro e violento e a parcialidade dos juízes não assustam o malandro Bangu, resta esperar que o estigma do América carioca não se tenha transferido de vez para Moça Bonita e, novamente, o time nade, nade e acabe morrendo na praia.

Fonte: Revista Placar, n° 830, publicada em 21/04/1986.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83