Rio de Janeiro, terça-feira, 23 de setembro de 2014 - 17h21min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos
» 1ª Página » Informação » Reportagens

MÁRCIO NUNES: O CALVÁRIO DO CARRASCO

Sob a terrível suspeita de ter inutilizado Zico para o futebol, o lateral do Bangu revela-se pela primeira vez um homem medroso, apegado às lembranças de sua falecida mãe e prisioneiro de um pesadelo.

Às vezes, a vida é um momento e o instante vira eternidade. Jogavam Flamengo e Bangu. Aquela noite de quinta-feira, 29 de agosto do ano passado, marcará para sempre dois homens que se encontraram no Maracanã. Foi ali que começou o drama de um dos mais brilhantes jogadores da história. Atingido no joelho, Zico veria seu prazer pelo futebol transformar-se em sacrifício - e o futuro, numa dolorosa interrogação. Já o lateral-esquerdo Márcio Nunes, que o atingiu, assistiria o episódio tornar-se quase um caso de polícia. Sentiria também o ódio gelado da torcida, como se mergulhasse no lado escuro da fama.

"Eu nem vi que era Zico, juro. Se visse, talvez fosse diferente", garante Márcio, um ano e dois meses depois. "Se ele diz isso, é porque não foi na bola", dispara Zico, convalescendo da segunda cirurgia no joelho esquerdo. Quarta-feira passada, 15, o lateral foi novamente expulso ao atingir por trás um jogador da Ponte Preta.

Márcio Nunes completa 23 anos no próximo dia 3 de novembro. É um fatalista. Atribui o lance daquela noite fatídica ao destino. "Quando Deus quer, não há como se evitar", conforma-se. Tem fama de carniceiro e já foi chamado até de assassino. É difícil imaginá-lo à beira do pânico em dias de tempestade e trovoada. Homem feito, ainda hoje corre para a cama e se cobre até as orelhas. "Sou mesmo medroso", confessa. Seu técnico, Paulo César Carpegiani, admite que ele é diferente de todos os jogadores que conheceu ao longo da carreira. "A relação é difícil porque, às vezes, você tem de ser duro, em outras, brando, mas não pode errar o momento", conta o treinador. "Márcio é extremamente sensível".

Sua infância tem semelhança com muitas histórias de crianças pobres, o que no Brasil se reveste de uma certa normalidade. Márcio é da Zona Norte do Rio de Janeiro. O pai, Alcides, era da Marinha Mercante e ficava longos períodos ausente de casa. A mãe, dona Argentina, morreu fulminada por um ataque cardíaco quando ele tinha dois anos de idade. O corpo foi velado na sala da modesta casa onde moravam. Os presentes constrangiam-se com uma cena proporcionada pelas crianças pequenas - entre as quais, Márcio. Cercando o caixão e as velas, eles insistiam em cantar o Parabéns a Você.

Márcio foi criado por uma irmã mais velha, Marília. Possui, no entanto, verdadeira veneração pela figura materna, que pouco conheceu. Passa horas adorando os retratos de dona Argentina e sempre lembra de ela ter previsto que ele seria jogador de futebol. "Quando acontece alguma coisa negativa, ele diz que é por não ter mãe", relata Marília, ao reconhecer que o irmão tem problemas de carência efetiva. "Quando disputo uma jogada, a primeira imagem que vem é a de minha mãe". É complicado pensar no autor desta frase e no joelho de Zico se estourando.

Impensável, também, é descobri-lo, há alguns anos, nas arquibancadas do Maracanã vestindo a camisa do Flamengo. Era um torcedor fanático e ficava sempre atrás do gol onde o rubro-negro estava atacando. Costumava gritar o nome de seu ídolo: o 10 flamenguista. Mas corria das brigas que quase sempre aconteciam. Em 1980, foi tentar a sorte no Bangu, no qual, dois anos depois, estreava no time de cima. "O clube era um ninho de cobras criadas e ele passava longe da birita", recorda o repórter Emygidio Felizardo Filho, que há uma década acompanha o dia-a-dia do Bangu para o Jornal dos Sports. "Com o tempo, percebi que ele era um pouco medroso, mas isso não atrapalhava seu futebol", lembra-se Neco, ex-jogador banguense, hoje assistente técnico.

Talvez sejam seqüelas de experiências duras vividas na infância. Ainda criança, durante um passeio com o pai e as irmãs à ilha de Paquetá, Márcio foi seqüestrado. Deu sorte, e encontraram-no horas depois. Mais azarada e traumática foi sua paixão por cachorros. Todos os que teve morreram. Chorou muito o fim do vira-latas Limão, quando tinha dez anos. Mas não desistiu do amor pelos bichos. Quando está em casa, diverte-se dando comida aos patos que o pai mantém no quintal.

Recentemente, um acidente de automóvel quase o matou. Atropelou um pedestre embriagado na Avenida Brasil, corredor de acesso à cidade, e perdeu a direção do veículo. A vítima acabou morrendo. Antes disso, sofreu com o roubo de um reluzente Voyage, o carro de seus sonhos de menino. Já se conforma, porém, com a dor de não cumprir o grande objetivo de sua vida. "Eu sempre quis jogar no Flamengo, mas agora sei que isso é impossível".
"É preciso lembrar que por trás do jogador reside o homem, normal ou anormal, sei lá", defende-o o goleiro Gilmar, companheiro de quarto nas concentrações. Na verdade, ele permanece prisioneiro de um pesadelo. Esta agonia o persegue desde 29 de agosto do ano passado. Naquela noite, enquanto Zico tomava o rumo dos vestiários flamenguistas com o joelho arrebentado, Márcio Nunes deixava o Maracanã com mais uma irremovível contusão na alma.

Repórter: Alceste Pinheiro.
Fonte: Revista Placar, nº 857, 27/10/1986.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.018
Vitórias 1.681
Empates 955
Derrotas 1.382
Gols Pró 7.098
Gols Contra 6.136
Saldo de Gols 962
Artilheiros
 
Ladislau 226
Moacir Bueno 189
Nívio 147
Menezes 134
Zizinho 125
Luís Carlos 110
Paulo Borges 108
Décio Esteves 97
Arturzinho 91
Marinho 80