Rio de Janeiro, quarta-feira, 22 de novembro de 2017 - 19h57min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Reportagens


BANGU PRONTO PARA O FRIO

Casacos e remédios aumentam bagagem dos jogadores para Kiev

Acostumados a treinos sob escaldantes 42 graus (o bairro de Bangu é um dos mais quentes do Rio), os jogadores do Bangu estão a poucas horas de enfrentar uma temperatura de, no máximo, 10 graus, em Kiev, na União Soviética. O time embarca hoje no vôo das 23h da Alitália para Roma, e de lá para a cidade soviética, onde o time disputa, a partir de domingo, o Torneio de Kiev com Fluminense, Roma e Dínamo local. Além do material esportivo, o departamento médico encheu as malas banguenses com caixas de remédios contra gripe e dor de garganta e cada jogador terá um felpudo casaco de náilon e espuma, especialmente confeccionado para a ocasião.

“Liguei para a embaixada soviética e disseram que o clima em Kiev está quente. Cerca de 10 graus positivos, no máximo”, brincou o supervisor Hélio Júnior. Após o torneio, o Bangu volta à Itália para dois amistosos, dia 17 contra o Reggia Calábria, e dia 19 contra o Avellino. Até dia 26, data prevista para o retorno ao Rio, o Bangu tem praticamente acertados alguns amistosos na Suíça, recebendo, por jogo da excursão, cerca de US$ 10
mil.

Organizada pelos empresários Léo Rabelo e Antônio Rosselini (ligados ao patrono banguense Castor de Andrade, que conseguiram colocar o Bangu no lugar do Atlético de Madri, em Kiev), a viagem está causando grande interesse entre os jogadores, muitos sem nunca ter sequer saído do Brasil – nenhum foi antes à União Soviética. O próprio Bangu não vai à Europa desde a década de 60. Nos últimos anos, o time só saiu do país em 85, quando foi ao Peru e Equador, pela Taça Libertadores da América, e a um torneio na Coréia.

Mesmo o técnico Didi, que já correu o mundo com o Botafogo e a seleção brasileira, não conhece a União Soviética. “O máximo que cheguei foi à Armênia, na fronteira”. O ponta Marinho, de volta ao clube, também está animado, apesar de estar na reserva. Ele diz que quer ver a Perestroika de perto e só teme o idioma diferente: “Ainda não falo português fluentemente, quanto mais russo”.

Nos amistosos serão testados os três reforços contratados para o Campeonato Brasileiro da segunda divisão (o Bangu está no grupo do América/RJ, América/MG, Tupi, Valeriodoce e Democrata, classificando-se dois à etapa seguinte): os zagueiros Eduardo Gaúcho (ex-Pelotas, por NCz$ 90 mil), Denílson (ex-América, Corinthians e Sport, por NCz$ 120 mil) e o atacante Muller (irmão do Muller do Torino, emprestado pela Cabofriense até 31 de dezembro). O time base da excursão será: Palmieri, Jaílton, Eduardo Gaúcho, Denílson e Xande; Édson Souza, Julinho, Zé Ricardo e Macula; Muller e Serrano.


Fonte: Jornal do Brasil, 10/08/1989. Repórter: Ricardo Gonzalez.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83