Rio de Janeiro, sexta-feira, 22 de setembro de 2017 - 12h17min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Reportagens

QUE BOM É TER UM PASSADO...

Feras: Israel, Baby, Catuka (supervisor), Moisés, Ado, Arturzinho e Marinho

Lá se foram 18 anos, mas Moisés ainda ontem esconjurava José Roberto Wright. Na arquibancada de Moça Bonita, a bola rolando para Bangu x Cabofriense, e o ex-técnico banguense descascava o ex-árbitro, que, na decisão do Estadual de 85, deixou de dar um pênalti claro em Cláudio Adão.

Lá se foram 18 anos, mas Israel, Ado, Baby, Arturzinho e Marinho ainda ontem lembravam aquela final e, também, a do Campeonato Brasileiro do mesmo ano, quando o Bangu nadou, nadou e ficou mesmo com o título de vice nas duas competições. Conversa vai, conversa vem, na arquibancada de Moça Bonita, e a bola rolando...

Lá se foram 46 minutos de segundo tempo, muita nostalgia, abraços e... gol do Bangu! Rogério empatava a partida, no fim. A Cabofriense, que saíra na frente, com um gol de Wilson (no 1º minuto do segundo tempo), teve de se contentar com o 1 a 1. Tristeza para Moisés, que mudou de lado e, agora, é coordenador-técnico do time de Cabo Frio.

Lá se foram 14 meses, mas o casal Alcimara e Antônio Marques ainda têm pela frente mais 34 prestações da Kombi, comprada no ano passado. O veículo sai de Caxangá, passa em Vasconcelos, Rodoviária de Campo Grande, Supermercado GB e volta tudo de novo, recolhendo e desembarcando um total de 150 passageiros por dia. O faturamento diário, de R$ 100, caiu um pouco ontem, pois o casal estacionou em Moça Bonita só para ver o vizinho da Rua Duarte Nunes, o zagueiro Alexandre, estrear na Cabofriense. Pena que o rapaz ficou no banco o tempo todo.

Lá se foram 18 anos, e a carteirinha de sócio do professor Glauco Gomes continua guardada, um pouco amassada, em seu porta-documentos, junto à foto de uma moça bonita. Mas o amor pelo clube é maior do que tudo, viu moça? O professor até deixou na mão os alunos do Colégio Janeth Mandarino, em Campo Grande, para torcer ontem pelo Bangu e, também, protestar contra a diretoria, ao lado dos amigos Paulo Pontes e Ralf Loureiro, do movimento ‘Democracia Banguense’.

Lá se foram 90 e poucos minutos de bola rolando. Bangu e Cabofriense ficaram mesmo no 1 a 1, mas teve gente que nem viu direito – aqueles que foram para protestar, para matar a saudade da velha guarda ou para ver o tal vizinho reserva, o Alexandre...

Lá se foram 18 anos, e, entre pragas a José Roberto Wright, autógrafos e abraços, a triste constatação: apenas 350 pessoas foram ontem a Moça Bonita. Pouco mais do que dois dias de lotação da Kombi de Alcimara e Antônio. Ah, se a vizinhança toda da Rua Duarte Nunes tivesse ido ver o Alexandre jogar... O estádio lotava. Bota o menino!!!

Alcimara e Antônio viram de tudo. Menos o vizinho, zagueiro reserva

Fonte: O Dia (Repórter: Marluci Martins), 18/09/2003.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83