Rio de Janeiro, sábado, 23 de setembro de 2017 - 06h11min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Reportagens

UM CENTENÁRIO SEM MOTIVO PARA FESTA

Às vésperas de completar 100 anos,
Bangu tem salários atrasados e patrimônio destruído

A quatro meses de completar 100 anos de existência, o Bangu Atlético Clube é hoje uma instituição com um passado lembrado com saudades e um presente para ser esquecido. Em meio ao planejamento para a comemoração do centenário, a diretoria tenta contornar crises financeiras, políticas e até de credibilidade para não dar vexame em 2004.

O obstáculo mais difícil de ser superado é financeiro. O Bangu tem hoje apenas 731 sócios e só 40 deles — menos de 5,5% — pagaram a mensalidade de novembro, de R$ 10 para proprietários e R$ 15 para contribuintes. Sem apoio de empresas, o clube depende desse dinheiro para cobrir suas despesas.

— O que eu posso fazer? Sócios são uma loteria. O clube não tem opções de lazer diferentes do que o morador encontra no bairro. E nem todo mundo pode pagar R$ 10 ou R$ 15 por mês — lamenta João Paulo Giancristoforo, presidente do clube desde janeiro.

Entre as conseqüências da falta de recursos estão os constantes atrasos de salários dos 17 funcionários vinculados ao Bangu. O clube já chegou a retardar o pagamento em até seis meses e a dívida atual é relativa a dois meses.

A falta de recursos também se reflete na sede social do Bangu, um dos retratos mais nítidos da crise que atinge o clube. Tombado pelo município desde 1990, o prédio centenário tem sérios problemas de estrutura e manutenção. Uma parte do telhado chegou a ceder e uma lona foi colocada para evitar que chuvas causassem maiores prejuízos ao salão nobre. Há janelas quebradas e as paredes têm manchas e infiltrações. O trajeto entre o salão e a única quadra de futsal para sócios e escolinhas é feito necessariamente por um corredor sujo e sem iluminação.

— Precisaríamos de três mil sócios em dia para quitar dívidas, pagar os salários e fazer a manutenção adequada da sede. Só que isso é um sonho — afirma Giancristoforo.

Para tentar equilibrar as finanças e completar a receita das mensalidade dos sócios, o já combalido salão nobre tem sido alugado para eventos e festas. Há dois meses, uma grande festa para jovens levou oito mil pessoas à sede do clube, um público que o estádio de Moça Bonita não recebe há muito tempo.

— É a única forma de conseguir dinheiro para as reformas mais urgentes na nossa sede — justifica João Paulo.


Apoio polêmico a empresários

Há crise e polêmica também no futebol profissional do Bangu. Há um mês, a diretoria do clube revoltou parte dos torcedores ao publicar uma nota oficial de apoio aos empresários Reinaldo Pitta e Alexandre Martins, condenados a 11 anos de reclusão por lavagem de dinheiro no escândalo do propinoduto. Segundo um acordo firmado em 2001, os dois traziam atletas para o clube e mantinham a folha salarial do elenco. Em compensação, podiam vender qualquer um que se destacasse.

— A idéia já era absurda, porque transformava o Bangu numa vitrine e quem era bom saía do clube na hora. Depois da condenação, o acordo se tornou imoral — reclama Celso de Medeiros, sócio-proprietário do clube desde 1974.

O presidente João Paulo Giancristofo garante que o acerto com os empresários será mantido mesmo depois da condenação. Para ele, o acordo beneficia o Bangu e a nota oficial foi justificada.

— Nenhum clube tem mais o passe dos jogadores, porque todos pertencem a empresários. Os dois podem ter errado, mas sempre foram honestos conosco — explica.

O time de profissionais não joga desde o início de novembro, quando foi eliminado da terceira divisão do Campeonato Brasileiro. Na semana passada, o clube contratou um técnico de futebol de salão, Marcelo Cabo, para dirigir o time de campo no Campeonato Estadual, que começa em 25 de janeiro.


Sócios insatisfeitos fundam a Democracia Banguense

Um grupo cada vez maior de opositores a membros da atual diretoria do Bangu se organizou para protestar e exigir mudanças: é o Movimento Democracia Banguense, que já conta com 382 adeptos, entre sócios, ex-sócios e torcedores. Eles se queixam de que estão impedidos de opinar e atuar nas decisões do clube. Além disso, acusam a diretoria de cassar títulos de sócios e cobrar taxas extras nas mensalidades.

— Eles cobram taxas de obras absurdas apenas para alguns sócios e quem não paga é excluído do quadro social. Eu paguei e mesmo assim fui impedido de me candidatar à presidência — diz o sócio patrimonial Itamar de Oliveira.

O presidente João Paulo Giancristoforo rebate:

— Nunca me procuraram e só querem chamar atenção. Quem quer um pão tem que dar dinheiro para o padeiro. Então, se pagarem as mensalidades, dou até um cargo na diretoria para eles. Mas terão que trabalhar de graça, porque nenhum diretor recebe dinheiro do Bangu — diz.

Os integrantes do movimento culpam a diretoria pela perda do projeto que previa a ampliação do estádio de Moça Bonita para abrigar jogos do Pan 2007. A prefeitura preferiu construir um complexo esportivo no Engenho de Dentro.

— Foi uma escolha política — afirma Giancristoforo.



Ex-diretor revela outras dívidas

O ex-diretor de patrimônio do Bangu Carlos Molinari responsabiliza as últimas diretorias pela crise. Ele trabalhou no clube entre 1999 e 2001, mas foi demitido e teve o título de sócio suspenso. Para ele, a crise é a pior da história do Bangu, que chegou a ter a sede náutica leiloada no início do ano. Tudo devido a uma dívida trabalhista de R$ 130 mil com uma ex-funcionária.

— Além disso, o clube tem uma dívida de R$ 600 mil* com o INSS e um documento da Receita Federal diz que o Bangu está inapto para funcionar como associação — revela.

O presidente João Paulo Giancristoforo reconhece a dívida de R$ 130 mil e diz que o clube já pagou sete das dez parcelas que devia. Ele, no entanto, confessa não saber o valor da dívida com o INSS:

— Não sei qual é o valor da dívida, mas pode ter certeza de que é impagável.

Enquanto isso, apenas três esportes funcionam no clube hoje: as escolinhas de futsal; o futebol nas categorias de base, que conquistou o torneio Octávio Pinto Guimarães em novembro; e a natação, cujas despesas e receitas são divididas com o ex-nadador e medalhista olímpico Djan Madruga.

Fonte: Jornal O Globo - Bairros: Zona Oeste (Repórter: Rafael Pinna), 07/12/2003.

* Acordo informação do próprio Carlos Molinari o valor correto da dívida do clube com o INSS é de R$ R$ 383.995,36, conforme processos abaixo:

BANGU ATLETICO CLUBE
CEI/CNPJ raiz: 33.664.319/0000-00
Processo(s) cadastrado(s)

UF
CEI/CNPJ
PROCESSO
FASE
VALOR (R$)
RJ
33.664.319/0001-70
351307117
0520
11.587,92
RJ
33.664.319/0001-70
351025952
0799
2.950,66
RJ
33.664.319/0001-70
351025944
0520
15.157,31
RJ
33.664.319/0001-70
351025936
0520
66.502,79
RJ
33.664.319/0001-70
351025910
0520
15.590,73
RJ
33.664.319/0001-70
327105194
0535
124.845,21
RJ
33.664.319/0001-70
317125192
0535
147.360,74
TOTAL 
383.995,36

Descrição das fases da Dívida Ativa do INSS
0520 - Inscrição de Crédito em Dívida Ativa
0535 - Ajuizamento/Distribuição
0799 - Parcelamento Cancelado
.


O que o Bangu precisa fazer para sair da crise ?
Fonte: Jornal O Globo - Bairros: Zona Oeste, 14/12/2003.

“Em primeiro lugar, os banguenses, sócios ou não, devem estar unidos. Trabalhar harmoniosamente em busca da preservação do capital cultural, social e simbólico do clube centenário. A crise do Bangu deve ser encarada como oportunidade para uma decisão. Os atuais dirigentes deveriam buscar o diálogo e estabelecer parceria com todos aqueles que amam o clube, mas que dele estão afastados por questões políticas.” Sinvaldo do Nascimento Souza, professor

“O Bangu precisa urgentemente de pessoas verdadeiramente compromissadas com o clube no comando. Nós, torcedores, não agüentamos mais esse clima ditatorial, no qual qualquer oposição é intimidada. Repudiamos também a parceria com os dirigentes com os empresários Alexandre Martins e Reinaldo Pitta, que só malefícios trouxeram ao clube, transformando-o num mero balcão de negócios. Como demonstrou a reportagem, o clube tem um quadro patrimonial desolador e a atual diretoria é incapaz de resgatar os anos dourados do Bangu no ano de seu centenário.” Alessandro Nunes, estudante

“É preciso que saiam a atual diretoria e os empresários que comandam o clube, além de dar anistia para os sócios expulsos pela diretoria anterior. O clube precisa se reestruturar.” Alexandre Ferreira, funcionário público

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83