Rio de Janeiro, quarta-feira, 23 de julho de 2014 - 12h47min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos
» 1ª Página » Informação » Reportagens

BANGU ASSUME O SALTO ALTO

Mas é só fora do campo - A presidência do clube é ocupada por uma mulher

Foto: Daryan Dornelles (Revista Placar)

O Bangu abriu suas portas sob a bandeira do pioneirismo: foi o primeiro clube do país a escalar um jogador negro, Francisco Carregal, e juntar no campo operários e patrões da fábrica local. No ano do centenário, o alvirrubro inovou mais uma vez e pôs uma mulher na presidência - fato inédito no Rio de Janeiro. A advogada Rita de Cássia Trindade, 50 anos, foi eleita para gerir o Conselho Diretor - divisão que cuida do futebol. Casada e mãe de dois rapazes, Rita iniciou sua trajetória no Bangu há 13 anos, quando resolveu atender a um anúncio que procurava secretárias. Desde então, passou pelo departamento pessoal, técnico e chegou à vice-presidência de futebol em 2001. Mas confessa que começou a freqüentar estádios à beira dos 40 anos e toma suas decisões em comum acordo com a firma Gortin, dos empresários Reinaldo Pitta e Alexandre Martins - recentemente envolvidos no escândalo do propinoduto, que os fez passar algumas semanas na prisão. "Eles são parceiros. Propõem alguns nomes e nós escolhemos. Foi assim com a comissão técnica e os jogadores. A palavra deles pesa, claro", diz. Se algum jogador for vendido, a Gortin leva uma parte do dinheiro.

A falta de autonomia da presidente é a principal reclamação da oposição. "É um grande circo", diz Peri Cozer, do movimento Democracia Banguense. "Como o Rubens (Lopes, presidente de honra) não pode exercer o cargo porque é vice da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro, ele pôs seus ventríloquos", afirma. A presidenta não nega a influência do poderoso cartola. "A gente aceita muito a palavra dele".

Rita afirma que não sofreu qualquer preconceito. Mas já enfrentou saias-justas nas reuniões da federação. "Sou obrigada a ouvir muito palavrão. Teve um dia que a secretária até me convidou para dar uma saidinha quando esquentou, mas tenho que ficar para representar o Bangu", diz.

Fonte: Revista Placar (Repórter Patrick Moraes), março de 2004 - nº 1268.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.012
Vitórias 1.679
Empates 953
Derrotas 1.380
Gols Pró 7.086
Gols Contra 6.127
Saldo de Gols 959
Artilheiros
 
Ladislau 226
Moacir Bueno 189
Nívio 147
Menezes 134
Zizinho 125
Luís Carlos 110
Paulo Borges 108
Décio Esteves 97
Arturzinho 91
Marinho 80