Rio de Janeiro, sábado, 30 de agosto de 2014 - 03h11min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos
» 1ª Página » Informação » Reportagens

1933: BANGU FAZ BOA CAMPANHA E GANHA PRIMEIRO TÍTULO PROFISSIONAL CARIOCA

 
Equipe do Bangu com os onze que jogaram contra o Fluminense e mais três reservas, antes da partida, no estádio de Álvaro Chaves: em pé, Buza, Ferro, Tião, Mário, Plácido, Camarão, Médio e Santana; sentados, Paulista, Ladislau, Euro, Sá Pinto, Euclides e Orlandinho.

O Bangu foi o primeiro campeão carioca do profissionalismo, depois que o tão conhecido e praticado amadorismo “marron” chegou ao fim em 1933. Não era segredo para ninguém que vários clubes gratificavam seus jogadores por vitórias com os chamados bichos. América, Bangu e Fluminense defendiam o profissionalismo, enquanto o Botafogo era a favor do amadorismo, porque nem todos os seus jogadores aceitariam se profissionalizar. Os clubes favoráveis ao profissionalismo fundaram então Liga Carioca, deixando o Botafogo sozinho na AMEA (Associação Metropolitana de Esportes Atléticos).

As colocações do Bangu nos dois últimos anos da década de 20 (quarto lugar ao lado do Fluminense, em 29, e quarto lugar, em 30, junto com o São Cristóvão) e nos dois primeiros anos da década seguinte (terceiro lugar, em 31, e quarto lugar empatado com o São Cristóvão em 32) prenunciavam que uma conquista maior estava próxima.

Disputaram o campeonato carioca de 1933, na Liga Carioca, América, Bangu, Bonsucesso, Flamengo, Fluminense e Vasco. O Bangu estreou contra o América, no dia 7 de maio de 1933. A vitória por 6 a 2, no campo do adversário, foi além da expectativa. Sete dias depois, novamente como visitante, os alvi-rubros venciam o Fluminense por 2 a 0. Na 3a rodada, veio o empate frente ao Vasco, em Álvaro Chaves. No campo do América, o Bangu derrotou o Bonsucesso por 4 a 3, num jogo difícil. Com o Flamengo, encerrando o turno, o Bangu empatou de 2 a 2.

A única derrota aconteceu na abertura do segundo turno, em São Januário, por 3 a 0, diante do Vasco. A goleada frente ao Bonsucesso por 5 a 0, no campo do América, manteve a confiança do time. A grande vitória contra o Flamengo por 3 a 1, no campo do Fluminense, era a confirmação de que o Bangu tinha futebol para ser campeão.

Faltavam, apenas, dois adversários, Fluminense e América. O tricolor estava com seis pontos perdidos, dois atrás do Bangu. A vitória dava aos bangüenses o título antecipado. No dia 12 de novembro de 1933, sob a arbitragem de Alderico Sólon Ribeiro, no campo da rua Álvaro Chaves, os comandados de Luiz Vinhaes conquistaram o primeiro título carioca de profissionais. A vitória por 4 a 0 sobre o Fluminense foi indiscutível. Ivan (contra), e Tião, no primeiro tempo; Plácido e Tião na fase final construíram o placar.

O Bangu venceu com Euclides, Mário e Camarão; Ferro, Santana e Médio; Paulista, Ladislau, Tião, Plácido e Orlandinho. Destacamos Ladislau e Médio, irmãos de Domingos da Guia, Tião, artilheiro do campeonato com 13 gols, e Plácido Monsores que, também, vestiu a camisa do América, Madureira e Santos.

O Jornal dos Sports, que fez a cobertura da recepção aos campeões, em Bangu, publicou na sua edição de 14 de novembro, dois dias depois da conquista do título:

“Quando chegaram a Bangu os campeões cariocas, palmas, gritos e vivas eram ouvidos por todos os cantos. Um barulho verdadeiramente ensurdecedor. Já passavam das 19 e meia, quando o carro em que ia o Dr. Ary Franco chegou a Bangu, seguido pelo cortejo dos demais jogadores. A multidão se dividiu em duas alas. Os carros passavam no meio. E cada jogador era alvo da exteriorização da alegria daquele povo que esperava o campeonato há 29 anos...

Bangu todo se movimentou na noite de anteontem. E nem podia deixar de ser assim. A população inteira queria saudar os campeões. Queria vê-los de perto, como se fossem pessoas estranhas ao lugar. Não era o Ladislau, o Plácido, o Santana, o Médio, o Camarão, o Euclydes, o Orlandinho, o Paulista, o Tião, o Ferro, o Mário que ali vinham. não, não eram eles. Eram sim os onze campeões que voltavam a Bangu, que traziam para Bangu a supremacia do futebol profissional, no seu primeiro ano de existência”.

No dia 15 de novembro, no campo do Fluminense, onde três dias antes conquistara o título de campeão carioca, o Bangu encerrou a sua campanha com chave de ouro, ao golear o América por 7 a 3.


Fonte: ABI (Associação Brasileira de Imprensa), 05/10/2004.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.013
Vitórias 1.679
Empates 954
Derrotas 1.380
Gols Pró 7.086
Gols Contra 6.127
Saldo de Gols 959
Artilheiros
 
Ladislau 226
Moacir Bueno 189
Nívio 147
Menezes 134
Zizinho 125
Luís Carlos 110
Paulo Borges 108
Décio Esteves 97
Arturzinho 91
Marinho 80