Rio de Janeiro, sexta-feira, 25 de julho de 2014 - 05h57min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos
» 1ª Página » Informação » Reportagens

BANGU FAZ HISTÓRIA EM 33

O ano de 1933 marca finalmente a adoção do profissionalismo. Houve a reunião de 32 e num novo encontro em janeiro de 33 América, Bangu, Fluminense e Vasco decidem assumir o que já vinha se delineando há tantos anos. O Botafogo era contra e conseguiu convencer Flamengo e São Cristóvão. Assim, o futebol ficou dividido em duas associações: a AMEA (amadora) e a LCF (profissional).

Mas logo Flamengo e São Cristóvão mudariam de lado e o Botafogo ficaria sozinho. Mas se sentiu bem. No fundo, não queria mudar nada. Era o melhor time e, tendo sido campeão em 30 e 32, teria tudo para repetir a dose. E de fato repetiu. Mas apenas contra os chamados times pequenos. Para isso, contou com a resistência de muitos jogadores, sobretudo os brancos e de boa família, que tinham vergonha de se tornarem profissionais. Perderiam privilégios e a cobrança e a responsabilidade seriam muito maiores. Assim, apenas cinco jogadores deixaram o time. No entanto, os melhores ficaram, como, por exemplo, os artilheiros Nilo e Carvalho Leite.

Assim, jogando contra adversários sem a mesma categoria, o Botafogo não teve dificuldades em conquistar o título. No fim, tinha cinco pontos de vantagem sobre o segundo colocado, o Olaria, apesar de sofrer duas derrotas: para o próprio Olaria e para o Engenho de Dentro.

Já na liga profissional, surpreendendo a todos, o Bangu levantaria a taça. O campeonato foi disputado por apenas seis equipes (Fluminense, Flamengo, América, Bangu, Vasco e Bonsucesso), o que não diminuía as dificuldades. Afinal, praticamente todo jogo era clássico.

Patrocinado pela Companhia Progresso Industrial Brasil, com um esquema de concentração e treinamento intensos, o Bangu, sob a supervisão de Luís de Vinhaes, que já havia feito o mesmo tipo de trabalho com o São Cristóvão, campeão de 1926, foi longe. Seus jogadores eram só músculos, mesmo os mais pesados, como Camarão, Santana, Médio e Ladislau.

Com um time de bravos, muito bem preparados fisicamente, o Bangu chegou à penúltima rodada precisando de uma vitória sobre o Fluminense nas Laranjeiras para conquistar o título. O bairro parou para esperar o resultado. E ninguém se decepcionou. Os gols saíam um atrás do outro. O placar de 4 a 0 (dois gols de Tião e Plácido) foi a consagração. A festa em Bangu invadiu a madrugada. Os estoques de cerveja dos botenquins das redondezas foram todos consumidos. No dia seguinte, nada menos que 500 funcionários da fábrica faltaram o trabalho. Mas não houve nenhum problema: o presidente do Bangu era o mesmo da companhia.

Assim, aquele time do Bangu, que tinha apenas três brancos, faria história como o primeiro campeão da era profissional. A campanha foi impressionante. Em dez jogos, venceu sete, empatou duas e perdeu apenas uma. A média de 3,5 gols por partida (35 gols em 10 jogos) também chamou a atenção. Para se ter uma idéia da relevância desse feito basta dizer que Fluminense e Vasco, 2º e 3º colocados, fizeram a metade do número desses gols. Por tudo isso, essa conquista do Bangu ocupa um lugar de destaque na história do Campeonato Carioca.

Fonte: Jornal dos Sports, 20/12/2005.
Especial: 1º centenário - 100 anos de campeonato carioca (1906-2006).
Reportagem: Anos 30 - Início da era profissional.
Repórter: Roberto Sander.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.012
Vitórias 1.679
Empates 953
Derrotas 1.380
Gols Pró 7.086
Gols Contra 6.127
Saldo de Gols 959
Artilheiros
 
Ladislau 226
Moacir Bueno 189
Nívio 147
Menezes 134
Zizinho 125
Luís Carlos 110
Paulo Borges 108
Décio Esteves 97
Arturzinho 91
Marinho 80