Rio de Janeiro, quinta-feira, 23 de outubro de 2014 - 02h28min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos
» 1ª Página » Informação » Reportagens

A PAIXÃO SOBREVIVE

Jogos pela Seletiva do Campeonato Estadual, apesar do forte calor, dos campos esburacados e do baixíssimo nível de futebol apresentado, conseguem manter vivo o interesse de torcedores que permanecem fiéis a seus times de coração

A diversão é garantida. Nem mesmo o forte calor e os jogos pouco atrativos são motivos para diminuir a alegria abnegados torcedores, que escolhem os clubes pequenos como alvo de sua paixão.

O placar eletrônico do estádio da Rua Bariri, parcialmente quebrado, pode até anunciar a vitória de 3 a 0 para o Bangu, na quarta rodada do octogonal da Seletiva do Estadual, que vai escolher quatro clubes para subir à Primeira Divisão do Rio ano que vem. Mas o solitário Carlinhos Vieira, fanático pelo Olaria, não está nem aí. Seu time está em sexto lugar, com apenas três pontos (Bangu, Portuguesa, Macaé e Goytacaz ocupam as primeiras posições), mas nem isso diminuiu o esforço de Carlinhos.

Na quarta-feira ensolarada e quente, ele fez a sua parte. Usando um tambor de uma velha máquina de lavar como megafone improvisado, fazia barulho para incentivar seu time de coração. E seus gritos de incentivo ecoavam no estádio quase vazio.

"Olaria, Olaria, Olaria, Olaria, Olaria, Olaria", urrava, sem perder o fôlego. Carlinhos ocupa o lugar de Chicão, conhecido torcedor do time suburbano que gritava o nome do time sem parar, enlouquecendo os rivais e até os amigos. Chicão se tornou evangélico e cedeu o lugar para Carlinhos, que ganhou de um amigo um tarol para seu batuque insuportávele desafinado.

"O megafone é criação minha e ajuda a difundir meus gritos. O time gosta do apoio e os jogadores até me agradecem", orgulha-se carlinhos, que também recebe os agradecimentos de outros torcedores, quando pára de gritar e batucar.

Na torcida do eu-sozinho, carrega a faixa "Eu amo o Olaria" para reafirmar sua paixão. Professor aposentado, Carlinhos, de 56 anos, freqüenta o clube desde os 12. Sai de Irajá, onde vive, para acompanhar todos os jogos de seu clube.

Arthur Souza, de 43 anos, faz o mesmo. Ele trabalha à noite numa empresa de informática e aproveita as tardes para ver de perto seu time do coração buscar o sonho, cada vez mais longe, de voltar à Primeira Divisão. Arthur fundou, em 1995, a pequena torcida organizada Fiel, que tem três faixas e não mais de 20 torcedores. "Contra o Macaé, nós enchemos três carros", diverte-se Arthur, motivo de chacota dos amigos. "Nem ligo. Sou Olaria até morrer".


Zoando o dono do megafone

No jogo contra o Olaria, vitória fácil do Bangu, por 3 a 0

É de rolar de rir. Enquanto o enlouquecido torcedor grita Olaria sem para, o Bangu segue fazendo gols. A cada comemoração, a pequena torcida alvirrubra responde ao fanático torcedor rival: "Eu, eu, eu... o megafone se f...", grita, fazendo um trenzinho da alegria.

O dono do "megafone" nem liga. Continua gritando. "Aperta a marcação", pede. Ao seu lado, um outro grita: "Aperta o pescoço desses pernas-de-pau", mas não houve resposta. carlinhos segue incentivando o time. "Mata a jogada". A provocação vem com eco. "Mata cada um desses bostas". Depois disso, ninguém mais controla as gargalhadas.

Nem o auxiliar da arbitragem, que se diverte até com as plaquinhas de madeira, usadas para anunciar as substituições. Como o 2 estava meio apagado, sinaliza com dois dedos da mão direita para que o árbitro visse quem deveria sair do time do Olaria: "Jogo pequeno é assim mesmo. A gente ganha pouco, mas se diverte".


Vale qualquer sacrifício para ver o Bangu

As torcedoras do Bangu, sempre uniformizadas, se divertem muito por amor ao time

A produção é feita com cuidado. catarina Jorge, de 72 anos, Maria Melido, de 70, e a caçula Léa Amaral, de 60, vestem-se dos pés à cabeça de vermelho e branco e juntam-se aos amiguinhos da mesma idade para torcer juntos pelo Bangu.

Léa, de brincos e presilha vermelha nos cabelos, é a mais animada da Banfiel, que tem até um guarda-sol, para não esquentar os miolos. Todos têm alguma ligação com a extinta Fábrica de Tecidos Bangu. O fundador da torcida organizada, Fábio Labre, de 27 anos, é neto de um ex-funcionário, e conta que a Banfiel tem até sede própria, onde organiza bingos, bailes, e churrascos para seus integrantes.

"A gente se diverte sempre. O amor pelo Bangu nos une. E tudo vai melhorar depois que voltarmos à Primeira Divisão", espera Catarina.

O amor pelo clube é tão grande, que fez Palúcio Souza Filho, 74 anos, superar as dores de um recenete atropelamento para ver o time vencer o Olaria, no meio da semana. 'Faço tudo pelo Bangu".

Palúcio, 74: "Faço tudo pelo Bangu"

Fonte: O Dia, 15/10/2006.
Repórter: Martha Esteves.
Fotos: Carlos Mesquita.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.023
Vitórias 1.684
Empates 956
Derrotas 1.383
Gols Pró 7.104
Gols Contra 6.140
Saldo de Gols 964
Artilheiros
 
Ladislau 226
Moacir Bueno 189
Nívio 147
Menezes 134
Zizinho 125
Luís Carlos 110
Paulo Borges 108
Décio Esteves 97
Arturzinho 91
Marinho 80