Rio de Janeiro, sábado, 22 de julho de 2017 - 03h45min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Reportagens

 

CAMPEÕES, SIM SENHOR!

Sem contar com os quatro grandes, América, Bangu e São Cristovão são os únicos clubes do Rio que foram campeões cariocas — o Paysandu, que conquistou o título em 1912, também faz parte dessa elite, mas já não existe mais. Era uma época em que, principalmente América e Bangu, duelavam de igual para igual com os poderosos Flamengo, Vasco, Fluminense e Botafogo. Época em que o Campeonato Carioca tinha o peso de um Brasileiro, pois aqui estava a nata do nosso futebol. Muito diferente dos tempos atuais em que nossos craques estão em sua maioria no futebol europeu. Para começar a série “Grandes decisões do Campeonato Carioca”, o JORNAL DOS SPORTS, como é de sua tradição, convida o leitor para uma viagem no tempo, na qual vamos relembrar as mais importantes decisões que deram os títulos a esses três tradicionais clubes do futebol do Rio. Confira nas matérias abaixo.


1933 - Era profissional é com o Bangu

Patrocinado pela Companhia Progresso Industrial, com um esquema de concentração e treinamentos intenso, o Bangu estava preparado para os tempos de profissionalismo que começavam. Sob a supervisão de Luis Vinhaes, que havia feito um trabalho semelhante no São Cristóvão em 1926, foi formado um time com jogadores que eram só músculos. Assim sendo, chegou à penúltima rodada precisando de uma vitória sobre o Fluminense para garantir o título.

O Bairro parou para esperar o resultado. E não houve decepção. O Bangu fez uma partida impecável e goleou o Tricolor dentro das Laranjeiras por 4 a 0 (três gols de Tião e um de Plácido). A festa em Moça Bonita invadiu a madrugada e os estoques de cerveja dos bares das redondezas foram todos consumidos. No dia seguinte, nada menos que 500 funcionários da fábrica faltaram ao trabalho. Mas não teve problema, pois o presidente do Bangu era também presidente da Progresso Industrial.

No dia seguinte, o JORNAL DOS SPORTS noticiava a conquista do primeiro campeão da era profissional: "Quatro bolas na rede de Armandinho, o resultado que sagrou o Bangu campeão da cidade"

Ficha técnica
Fluminense 0 x 4 Bangu
Data: 12 de novembro de 1933
Local: Laranjeiras
Árbitro: Alderico S. Ribeiro
Fluminense: Armandinho, Ernesto e Cabrera (Mariz); Marcial, Brant e Ivan; Álvaro, Vicentino, Tintas, Russo (Cabrera) e Válter.
Bangu: Euclides, Mário e Camarão; Ferro, Santana e Médio; Paulista, Ladislau, Tião, Plácido e Orlandinho.
Gols: Tião (três) e Plácido.


1966 - Moça Bonita volta a sorrir

 

A campanha de 15 vitórias, dois empates e apenas uma derrota era a maior credencial do Bangu para aquela final contra o Flamengo. Mas o Rubro-Negro também vinha embalado sem ter perdido um jogo sequer e sendo o responsável pelo único insucesso do adversário. Mas no tira-teima decisivo só deu Bangu. No primeiro tempo, com gols de Ocimar e Aladim, o time de Moça Bonita praticamente decidiu o jogo. E logo aos 3 minutos de segundo tempo, Paulo Borges - artilheiro do time com 16 gols - fez 3 a 0. Foi a senha para que o atacante Almir armasse uma grande confusão. Enfurecido, passou a agredir os jogadores do Bangu e uma briga se generalizou. Mas nada foi capaz de ofuscar a conquista de Paulo Borges & Cia. Um título que fez Bangu sorrir.

Na sua coluna no JORNAL DOS SPORTS, Nelson Rodrigues, com a característica genialidade, escreveu sobre a conturbada decisão: "O sururu tem alguma coisa antiga, espectral, fantasmagórica. E há muito tempo não se via dois times engalfinhados em campo, como em 1917, ou 18, ou 19 (...) Eu vi um sujeito depois da partida arrancando os cabelos e gemendo: "Vergonha, Vergonha!" (...) É preciso não exagerar, amigos. Futebol é um jogo feito de paixão. Onde entra a paixão humana tudo é possível, tudo (...) Uma coisa, porém, me parece uma evidência total: a justiça da vitória do Banguense. Sejamos justos com o Bangu, é um grande campeão.

Ficha técnica
Bangu 3 x 0 Flamengo
Data: 18 de dezembro de 1966
Local: Maracanã
Árbitro: Aírton V. de Moraes
Bangu: Ubirajara, Fidélis, Mario Tito, Luis Alberto e Ari Clemente; Jaime e Ocimar; Paulo Borges, Ladeira, Cabralzinho e Aladim.
Flamengo: Valdomiro, Murilo, Itamar, Jaime Valente e Paulo Henrique; Carlinhos e Nelsinho; Carlos Alberto, Almir, Silva e Osvaldo.
Gols: Ocimar, Aladim e Paulo Borges.



Fonte: Jornal dos Sports, 21/12/2006
Repórter: Roberto Sander.

     
Livros
 
Estatísticas 2017
 
Jogos 20
Vitórias 5
Empates 6
Derrotas 9
Gols Pró 19
Gols Contra 32
Saldo de Gols -13
Aproveitamento 35%
Artilheiros 2017
 
Loco Abreu 3
Raphael Augusto 3
Rogerinho 2
Bruno Luiz 2
Leandro Chaves 1
João Guilherme 1
Guilherme 1
Carlinhos 1
Anderson Penna 1
Hygor Guimarães 1
Daniel Bueno 1
Marlon 1
Mauro Silva 1