Rio de Janeiro, sexta-feira, 17 de novembro de 2017 - 15h41min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Reportagens

 

CAMPEÕES, SIM SENHOR!

Sem contar com os quatro grandes, América, Bangu e São Cristovão são os únicos clubes do Rio que foram campeões cariocas — o Paysandu, que conquistou o título em 1912, também faz parte dessa elite, mas já não existe mais. Era uma época em que, principalmente América e Bangu, duelavam de igual para igual com os poderosos Flamengo, Vasco, Fluminense e Botafogo. Época em que o Campeonato Carioca tinha o peso de um Brasileiro, pois aqui estava a nata do nosso futebol. Muito diferente dos tempos atuais em que nossos craques estão em sua maioria no futebol europeu. Para começar a série “Grandes decisões do Campeonato Carioca”, o JORNAL DOS SPORTS, como é de sua tradição, convida o leitor para uma viagem no tempo, na qual vamos relembrar as mais importantes decisões que deram os títulos a esses três tradicionais clubes do futebol do Rio. Confira nas matérias abaixo.


1933 - Era profissional é com o Bangu

Patrocinado pela Companhia Progresso Industrial, com um esquema de concentração e treinamentos intenso, o Bangu estava preparado para os tempos de profissionalismo que começavam. Sob a supervisão de Luis Vinhaes, que havia feito um trabalho semelhante no São Cristóvão em 1926, foi formado um time com jogadores que eram só músculos. Assim sendo, chegou à penúltima rodada precisando de uma vitória sobre o Fluminense para garantir o título.

O Bairro parou para esperar o resultado. E não houve decepção. O Bangu fez uma partida impecável e goleou o Tricolor dentro das Laranjeiras por 4 a 0 (três gols de Tião e um de Plácido). A festa em Moça Bonita invadiu a madrugada e os estoques de cerveja dos bares das redondezas foram todos consumidos. No dia seguinte, nada menos que 500 funcionários da fábrica faltaram ao trabalho. Mas não teve problema, pois o presidente do Bangu era também presidente da Progresso Industrial.

No dia seguinte, o JORNAL DOS SPORTS noticiava a conquista do primeiro campeão da era profissional: "Quatro bolas na rede de Armandinho, o resultado que sagrou o Bangu campeão da cidade"

Ficha técnica
Fluminense 0 x 4 Bangu
Data: 12 de novembro de 1933
Local: Laranjeiras
Árbitro: Alderico S. Ribeiro
Fluminense: Armandinho, Ernesto e Cabrera (Mariz); Marcial, Brant e Ivan; Álvaro, Vicentino, Tintas, Russo (Cabrera) e Válter.
Bangu: Euclides, Mário e Camarão; Ferro, Santana e Médio; Paulista, Ladislau, Tião, Plácido e Orlandinho.
Gols: Tião (três) e Plácido.


1966 - Moça Bonita volta a sorrir

 

A campanha de 15 vitórias, dois empates e apenas uma derrota era a maior credencial do Bangu para aquela final contra o Flamengo. Mas o Rubro-Negro também vinha embalado sem ter perdido um jogo sequer e sendo o responsável pelo único insucesso do adversário. Mas no tira-teima decisivo só deu Bangu. No primeiro tempo, com gols de Ocimar e Aladim, o time de Moça Bonita praticamente decidiu o jogo. E logo aos 3 minutos de segundo tempo, Paulo Borges - artilheiro do time com 16 gols - fez 3 a 0. Foi a senha para que o atacante Almir armasse uma grande confusão. Enfurecido, passou a agredir os jogadores do Bangu e uma briga se generalizou. Mas nada foi capaz de ofuscar a conquista de Paulo Borges & Cia. Um título que fez Bangu sorrir.

Na sua coluna no JORNAL DOS SPORTS, Nelson Rodrigues, com a característica genialidade, escreveu sobre a conturbada decisão: "O sururu tem alguma coisa antiga, espectral, fantasmagórica. E há muito tempo não se via dois times engalfinhados em campo, como em 1917, ou 18, ou 19 (...) Eu vi um sujeito depois da partida arrancando os cabelos e gemendo: "Vergonha, Vergonha!" (...) É preciso não exagerar, amigos. Futebol é um jogo feito de paixão. Onde entra a paixão humana tudo é possível, tudo (...) Uma coisa, porém, me parece uma evidência total: a justiça da vitória do Banguense. Sejamos justos com o Bangu, é um grande campeão.

Ficha técnica
Bangu 3 x 0 Flamengo
Data: 18 de dezembro de 1966
Local: Maracanã
Árbitro: Aírton V. de Moraes
Bangu: Ubirajara, Fidélis, Mario Tito, Luis Alberto e Ari Clemente; Jaime e Ocimar; Paulo Borges, Ladeira, Cabralzinho e Aladim.
Flamengo: Valdomiro, Murilo, Itamar, Jaime Valente e Paulo Henrique; Carlinhos e Nelsinho; Carlos Alberto, Almir, Silva e Osvaldo.
Gols: Ocimar, Aladim e Paulo Borges.



Fonte: Jornal dos Sports, 21/12/2006
Repórter: Roberto Sander.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83