Rio de Janeiro, terça-feira, 02 de setembro de 2014 - 10h55min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos
» 1ª Página » Informação » Reportagens

O DRAMA DE UM ÍDOLO

Marinho já perdeu tudo, só não perdeu o bom humor

Ex-atacante do Bangu faz piada até do seu momento

Foto: Bruno Rhode
 
MARINHO no campo do Bangu, onde coordena os juniores


Marinho chega ao Bangu como quem está entrando em casa. Sorridente, ele está à vontade no clube onde passou boa parte da carreira e conhece todo mundo. Mas o ex-ponta direita do time da Zona Oeste tem mais motivos para reclaamar do que para estar alegre. Como informou Renato Maurício Prado, na sua coluna no jornal "O Globo", do último domingo, Marinho passa por sérias dificuldades financeiras.

Sustentando a família com o modesto salário de coordenador dos juniores do Bangu, o ex-jogador se queixa que Atlético-MG, Botafogo e América-SP não depositaram seu INSS. Agora, ele não pode se aposentar.

Com sete filhos - o mesmo número da camisa que usava como jogador -, Marinho mora de aluguel no bairro onde trabaalha. A mais velha da prole já está com 30 anos e o mais novo, com 11 meses. Brinco na orelha esquerda, assim como o pai, o garoto ainda é novo para entender as dificuldades da família. Mesmo sentindo-se magoado com os ex-clubes, Marinho prefere mannter a cabeça em pé.

- Se eu for chorar vou alagar Bangu, Padre Miguel e Realengo. É muita lágrima para derramar reclama com humor.

Parte do time do Bangu vice-campeão brasileiro de 1985 e vice-carioca do mesmo ano, Marinho experimentou o ápice do clube e chegou à seleção. Desse período ele guarda boas lembranças da união da equipe de Bangu. Os jogadores chegavam a fazer churrasco em campo após os treinos. Sob o olhar de Castor de Andrade, patrono do clube, o bicho nunca era problema para motivar as vitórias daquele time. Hoje, assim como o clube de Moça Bonita, Marinho luta para se reerguer.


Bom humor

O ex-jogador espera que os ex-clubes olhem com carinho para sua situação, mas, independente disso, ele seguirá driblando os adversários da vida:

- Minha mãe falou que não posso perder quatro coisas na vida: dinheiro na rua, mulher para outro homem, gol e boca livre.

Marinho sé esqueceu de citar também o bom humor para superar as crises.


Repórteres: Bruno Rohde e Pedro Serra
Fonte: Jornal Extra, publicada em 20/08/2009.


Assista ao vídeo de Marinho contando sua história
Fonte: Extra Online


     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.013
Vitórias 1.679
Empates 954
Derrotas 1.380
Gols Pró 7.086
Gols Contra 6.127
Saldo de Gols 959
Artilheiros
 
Ladislau 226
Moacir Bueno 189
Nívio 147
Menezes 134
Zizinho 125
Luís Carlos 110
Paulo Borges 108
Décio Esteves 97
Arturzinho 91
Marinho 80